Impactos sociais e ambientais são face esquecida da JBS

In De Olho no Agronegócio, Em destaque, Empresas brasileiras, Principal, Últimas

Empresa já foi acusada de trabalho escravo e é reincidente em desmatamento; vídeo conta de outro jeito a história do maior frigorífico do mundo

Por Alceu Luís Castilho

De Olho nos Ruralistas conta em 8 minutos a história da JBS. Não apenas a trajetória de alianças com o poder público para se transformar no maior frigorífico do mundo. Mas uma história de impactos sociais e ambientais. De desrespeito a leis trabalhistas e de sucessivas acusações de desmatamento – inclusive em unidades de conservação e terras indígenas.

As histórias de corrupção dominam o noticiário. E elas não começaram em 2017. A trajetória do grupo J&F, desde que se chamava apenas Friboi, inclui dívidas bilionárias e uma extensa lista de serviços prestados a políticos. Este observatório enfatiza também a relação da empresa com o território e de sua cadeia produtiva com o mundo do trabalho.

Foram escolhidas 50 notícias, publicadas nos últimos anos, que sintetizam essa trajetória. Elas foram publicadas tanto em veículos da grande imprensa (como no caso recente das delações) como na imprensa alternativa (caso das notícias sobre impactos sociais e ambientais).

No fim do vídeo, uma informação sobre um dos vídeos da série “O Agro é Pop” mostra que não é só de uma empresa que se está falando. E sim de um modelo. A campanha é patrocinada pela Rede Globo e pela Seara, uma das marcas do grupo.

Confira o vídeo acima, ou no YouTube.

You may also read!

Mortes, escravidão e abuso sexual: o legado das missões comandadas pelo pai de antropólogo preso pelo Ibama

Edward Luz foi preso em flagrante ao invadir terra indígena; seu pai homônimo expôs durante entrevistas à imprensa, uma

Read More...

Ambev diz que vai “fazer chover” fora da cidade para não molhar foliões em SP

Empresa contratou para o carnaval a ModClima, que prestou sem concorrência serviços para a Sabesp, entre 2007 e 2016;

Read More...

Multas do Ibama para assassinos de Dorothy Stang prescreveram ou ainda não foram pagas

Regivaldo Pereira Galvão, o Taradão, e Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, receberam autuações milionárias por desmatamento em 2004,

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.