Campanha reforça importância do Cerrado para segurança alimentar de povos tradicionais

In Cerrado, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas

Ao todo, 75 instituições nacionais e estrangeiras lançaram campanha #CerradoEmExtinção para lembrar o quanto ele é ameaçado pela monocultura, pela criação de gado e pela mineração; bioma já perdeu 47% de sua cobertura original

Por Sarah Fernandes

Ilustração retrata geraizeiros do Cerrado. (Imagem: Edgar Kanaykõ)

— Tem o pequi, tem a mangaba, a pinha, tem a fruta de leite, tem várias espécies que as vezes até foge. Ultimamente, com a chegada das empresas, a gente tem perdido muito dos nossos córregos e estamos lutando para ter a natureza de volta, em uma luta pela terra, pelo direito de ser geraizeiro e de colher os frutos do Cerrado.

É o que conta a geraizeira Alaíde de Almeida, que vive no Vale das Cancelas, em Minas Gerais. Ela enumera alguns dos frutos do Cerrado que garantem à extrativista e à sua comunidade segurança alimentar e geração de renda.

Seu depoimento faz parte da campanha #CerradoEmExtinção, lançada na última sexta-feira (11), Dia Nacional do Cerrado, por 75 organizações sociais nacionais e estrangeiras, com o objetivo de chamar a atenção de governos, instituições sociais, empresas e da sociedade civil para o desmatamento que há anos assola o bioma e já destruiu 46,8% de sua cobertura vegetal originária, segundo dados do MapBiomas.

Como parte da campanha, organizações participantes — Slow Food Brasil, Comitê Chico Mendes, Comissão em Defesa dos Direitos das Comunidades Extrativistas,  Associação Xavante Warã, entre outras — divulgaram centenas de fotografias e depoimentos de moradores de comunidades tradicionais do Cerrado para chamar a atenção sobre como a degradação do ambiente afeta diretamente os recursos naturais e o modo de vida da população.

CERRADO CONCENTRA 18% DOS FOCOS DE QUEIMADAS EM AGOSTO

Uma das prioridades da campanha é mostrar que pelo menos 100 mil pessoas vivem no bioma, entre assentados da reforma agrária, extrativistas e povos tradicionais, como geraizeiros, quebradeiras de coco, comunidades de fundo de pasto, quilombolas e os povos originários, os indígenas, estes últimos divididos em 84 etnias e 216 terras indígenas presentes no Cerrado.

Quebradeiras de coco são uma das dezenas de comunidades tradicionais que dependem do Cerrado para viver. (Imagem: Edgar Kanaykõ)

A campanha também chama a atenção para o fato de que o fogo, a mineração e a aprovação de licenciamentos ambientais ilegais também ameaçam o ecossistema. Marília Cyrme, representante da Coalizão do Clima São Paulo, que integra a campanha, lembra que defender o Cerrado significa defender a soberania alimentar do Brasil, já que a monocultura destrói o solo e as nascentes de água:

— Por décadas foi divulgada a ideia que o Cerrado é vazio, que não há pessoas vivendo lá, e nós queremos fazer esse contraponto, que existem diversas comunidades que vivem neste bioma e que dependem dele. Queremos lembrar as pessoas que o Cerrado também existe e que ele também é desmatado e queimado, como a Amazônia.

A intenção da campanha é retomar as postagens e as hashtags todo dia 11 de cada mês, para manter ativo o debate sobre a importância de preservar o Cerrado.

Sozinho, o Cerrado concentrou 13% do total de alertas de desmatamento de 2019 e quase um terço da área total desmatada no país (33,5%): “Destruição do Cerrado em 2019 foi mais rápida que na Amazônia e avançou sobre áreas protegidas“. Segundo levantamento da Comissão Pastoral da Terra (CPT), o bioma, que abriga as savanas mais biodiversas do mundo, respondeu por 18% de todas os incêndios florestais registrados em agosto.

O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul e se estende por onze Unidades da Federação, que compõem 22% do território nacional. A vegetação típica da área é de campos, savanas e matas fechadas, com grande diversidade. Pesquisas estimam que ao menos 2.500 espécies de animais vivam no Cerrado, além de 12 mil espécies de vegetais. A região possuí ainda enorme potencial hídrico, abrigando as nascentes de rios como o Araguaia, Jequitinhonha, Tocantins e Formoso, ameaçados pela captação d’água para projetos de irrigação agropecuária: “Fazendeiros ameaçam bacia do Rio Formoso, em Tocantins, com plantações de soja“.

| Sarah Fernandes é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Thomas Bauer/CPT): fruto do babaçu é fonte de renda e soberania alimentar para quebradeiras de coco

You may also read!

Após reportagem, Ceratti rompe com associação que financia bancada ruralista

Pesquisa do observatório, repercutida no Greg News, listou a Associação Brasileira de Proteína Animal entre as financiadoras do Instituto

Read More...

Violência no oeste da Bahia tem assinatura de fundos paulistas de investimentos

No Cerrado, grileiros destruíram casas de vaqueiros tradicionais do fecho de Vereda da Felicidade; em Barra, pistoleiros tentaram expulsar

Read More...

Mecenas de Rodinei já foi acusado de desmatamento, sonegação e trabalho escravo

Elusmar Maggi, que doou R$ 1 milhão para o Internacional escalar o jogador contra o Flamengo, em partida decisiva

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.