Ex-governador que atraiu grileiros para o Acre é homenageado na Câmara

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Além do arenista Francisco Wanderley Dantas, responsável por transformar seringais em pastos durante a ditadura, “Prêmio Mérito Agropecuário” será entregue a outras dez pessoas e organizações, entre elas a ministra Tereza Cristina e a CNA

Por Mariana Franco Ramos

O ex-governador do Acre Francisco Wanderley Dantas, que deu início à conversão de seringais em pastos para a pecuária, nos anos 70, será um dos homenageados na Câmara com o Prêmio Mérito Agropecuário. A cerimônia acontece nesta quarta-feira (27), às 10h, com transmissão pelo YouTube.

Dantas foi deputado federal pelo PSD e pela Arena, partido de sustentação da ditadura, até ser escolhido por Emílio Garrastazu Médici para assumir o Executivo estadual. Durante sua gestão, ele atraiu grileiros sulistas e sudestinos — geralmente chamados de paulistas na região — com o slogan “o Acre é um sertão sem secas e um sul sem geadas”.

Registro de Wanderley Dantas no site da Câmara. (Foto: Arquivo)

Para chamar a atenção também dos mercados asiáticos, a campanha encabeçada por ele fazia referência da proximidade geográfica com o Oceano Pacífico. “Em curtíssimo período de tempo, uma vaga de compradores de terras, pecuaristas, especuladores, grileiros e outras personagens que acompanham as frentes de expansão pioneiras mudaram a face da propriedade das terras acreanas”, como mostra artigo de João Correia no portal ac24horas.

Na justificativa, a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Casa argumenta que o político, morto em 1982, implantou no estado uma agricultura “com sólida base técnica, estudo do terreno amazônico, produção em escala e implantação da pecuária com genética de ponta”.

Em 2011, o Terra Magazine contou a história do empresário Falb Saraiva de Farias, conhecido como o maior latifundiário do mundo, que se tornou cicerone dos “paulistas” e corretor de imóveis no Acre justamente no mandato de Dantas.

O megagrileiro chegou a ser preso dez anos antes, após prestar depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Grilagem. O texto foi reproduzido na página do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Farias relatou ao veículo de imprensa que comprou o espólio de uma viúva e que tinha de 6 a 7 milhões de hectares “bem documentados”. “Documentos de 1800 e não sei quanto”, afirmou.

“Naquela época, aparecer alguém interessado em comprar terra no Acre era a melhor notícia”, lembrou. “A terra não tinha valor, os seringalistas estavam falidos e endividados. Pois bem, prontamente falei que era dono de um seringal”.

MINISTRA DA AGRICULTURA É APRESENTADA COMO DEFENSORA DO AMBIENTE

Conforme a Agência Câmara de Notícias, o prêmio é concedido a cidadãos ou instituições, públicas ou privadas, cujos trabalhos ou ações “tenham se destacado nos campos científico, de pesquisa, de desenvolvimento, de inovação e de sustentabilidade na área da agricultura, pecuária, abastecimento e desenvolvimento rural”. Ele leva o nome do ex-deputado mato-grossense Homero Pereira, que foi líder da bancada ruralista e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, também ex-presidente da FPA, está entre as homenageadas. Apelidada de “Senhora Desmatamento” pelo jornal francês Le Monde, ela é apresentada como “responsável por diversos programas nas áreas de exportação, sustentabilidade, preservação do meio ambiente e inovação tecnológica”.

Tereza Cristina e Bolsonaro. (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

 

Na série Esplanada da Morte, que destrincha o papel de cada ministro no governo genocida de Jair Bolsonaro, o observatório destacou que, durante a fase mais aguda da pandemia, a chefe do Mapa minimizou os surtos de Covid-19 nos frigoríficos, mesmo diante do fechamento de plantas, como forma de incentivar as exportações.

Tereza Cristina recebeu doações de campanha da JBS (com quem depois ela entrou em litígio) e de outros fazendeiros sul-mato-grossenses, igualmente produtores de gado bovino, incluindo um acusado de ser o mandante do assassinato de um indígena.

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), uma das principais financiadoras da FPA, encabeça a lista de organizações agraciadas, ao lado da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra). “O Instituto CNA desenvolve tecnologias produtivas alternativas e divulga informações técnicas e científicas para o meio rural”, diz o release do prêmio.

Mariana Franco Ramos é repórter do De Olho nos Ruralistas. |

Imagem principal (Arquivo): Dantas foi deputado federal pela Arena, partido de sustentação da Ditadura Militar

You may also read!

Josimar Maranhãozinho, deputado flagrado com dinheiro vivo, já extraiu madeira de terra indígena

Revista Crusoé mostrou bolsonarista retirando maços de uma caixa, no escândalo do orçamento secreto; fazendeiro, ele saltou do zero

Read More...

Inimigo dos indígenas e alinhado ao agronegócio: quem é o novo ministro do STF

Próximo de Bolsonaro e "terrivelmente evangélico", André Mendonça defendeu tese ruralista na AGU e deve seguir a mesma linha

Read More...
Ceará 5 anos

No Ceará, indígenas e camponeses sofrem com pandemia, fome e exploração

Em cinco anos, De Olho nos Ruralistas mostrou pressão do agronegócio e o efeito avassalador da pandemia nas comunidades

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu