Organizações cobram posicionamento de empresas do agronegócio sobre Convenção OIT-169

In De Olho no Agronegócio, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Federações patronais do Pará pediram que Bolsonaro descumpra acordo que garante direitos dos povos originários; em carta com 255 assinaturas, Federação dos Povos Indígenas cobra compromisso público com ambiente e direitos humanos e fala em lavagem “verde” de imagem

Por Mariana Franco Ramos

A Federação dos Povos Indígenas do Pará (Fepipa) enviou uma carta, nesta quinta-feira (04), cobrando um posicionamento público de empresas do agronegócio sobre a proposta de retirar o Brasil da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). O documento é assinado por 255 organizações nacionais e estrangeiras, entre movimentos sociais, universidades e partidos políticos.

Há um mês, os presidentes de cinco federações patronais do estado entregaram um ofício ao presidente Jair Bolsonaro solicitando que o país deixasse de ser signatário do acordo, destinado a proteger as populações indígenas e tradicionais, por meio do direito à consulta prévia, livre e informada.

Garimpos ilegais próximos à comunidade Ye’kwana, na terra indígena dos Yanomami. (Foto: Rogério Assis/ISA)

Eles alegaram que o tratado, ratificado em lei pelo Brasil em 2002 e 2004, seria a “causa de inúmeros conflitos, constantes dúvidas e insegurança jurídica”. De Olho nos Ruralistas noticiou a manobra no dia 16 de julho: “Empresários da Amazônia pedem que Brasil abandone convenção que protege povos indígenas“.

PATRONAIS REPRESENTAM ALGUMAS DAS MAIORES CORPORAÇÕES DO PAÍS

Trecho da carta enviada pelas federações patronais a Bolsonaro. (Imagem: Divulgação)

Ao manifestar repúdio e indignação contra o pedido, a Fepipa lembra que as patronais representam algumas das maiores corporações do país, como Vale, Alcoa, MRN, Imerys, Hydro e Agropalma. “Várias destas empresas, em diversos momentos, tornaram públicos seus compromissos com o meio ambiente, os direitos humanos e, algumas delas, até mesmo diretamente com os povos indígenas”, diz trecho.

Quem lidera o movimento junto ao governo é o latifundiário e negacionista climático José Maria da Costa Mendonça, do Centro das Indústrias do Pará (CIP). Também assinaram o ofício: José Conrado Santos, da Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), Sebastião de Oliveira Campos, da Federação do Comércio (Fecomercio-PA), Carlos Fernandes Xavier, da Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), e Elizabete Maria Pinheiro Grunvald, da Associação Comercial do Pará (ACP).

A Fepipa destaca que muitas companhias associadas investem em programas de responsabilidade social e campanhas de publicidade para desvincular suas imagens de possíveis abusos e violações. Trata-se do chamado greenwashing.

“Afirmamos a estas empresas: não é possível ter responsabilidade socioambiental e respeitar direitos humanos e ser contra a autodeterminação dos povos indígenas e tradicionais e a consulta livre, prévia e informada garantidas pela Convenção 169 da OIT”, escreve a associação.

“A falta de comprometimento público e de alinhamento com princípios e padrões internacionais que garantem o respeito aos direitos humanos e à proteção ambiental serão vistos pelo mercado investidor internacional, que avança em políticas de monitoramento e due diligence, como um fator de risco aos seus investimentos”.

AGROPALMA ESTÁ ENTRE AS FINANCIADORAS DA BOIADA

A Agropalma pertence ao Grupo Alfa, que inclui, entre outras empresas, o banco de mesmo nome, a rádio Transamérica, a fabricante de água mineral Águas da Prata, a C&C (Casa & Construção), redes de hotéis e seguradoras. O dono, Aloysio Andrade de Faria, faleceu em 2020, deixando para as filhas uma fortuna estimada em US$ 1,7 bilhão.

Capa do novo dossiê do De Olho nos Ruralistas, com ilustração do cartunista Renato Aroeira.

A companhia é filiada à Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), que contribui mensalmente com o Instituto Pensar Agro (IPA), cérebro pensante por trás da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). A Abag é citada no dossiê “Os Financiadores da Boiada: como as multinacionais do agronegócio sustentam a bancada ruralista e patrocinam o desmonte socioambiental“, lançado pelo De Olho nos Ruralistas em julho

Em seu site, o Grupo Alfa afirma ter “compromissos com a preservação das florestas e da biodiversidade, com o desmatamento zero, com o combate às mudanças climáticas, com a água, com as comunidades e com o desenvolvimento social“.

Vale, cujo histórico de crimes ambientais e violações aos direitos humanos é de domínio público, a MRN Mineração (controlada majoritariamente pela Vale), a Imerys e a Alcoa são fundadoras do Sindicato das Indústrias Minerais do Estado do Pará (Simineral). Entre os membros efetivos da associação constam a norueguesa Hydro e a CBA, de alumínio.

A Vale e a Alcoa fazem parte do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), presente em todas as Conferências das Partes das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, desde 1998, e de Diversidade Biológica, desde 2000. A organização é uma das principais defensoras do mercado de créditos de carbono. O mecanismo é criticado por ambientalistas por permitir a uma empresa poluidora europeia, por exemplo, adquirir créditos de carbono no Brasil, por meio de operação contábil, e registrar como percentual de redução de suas emissões.

Em reportagem publicada nesta quinta-feira, o Observatório da Mineração diz que entrou em contato com todas as empresas, que teriam recuado da posição expressa pelas federações patronais. Em nota, o Simineral disse que o manifesto não reflete o posicionamento do setor, “que tem como compromisso promover a mineração sustentável e socialmente justa”.

O Sindicato reforçou que “as atividades desenvolvidas pelas empresas associadas ao Simineral estão baseadas nos princípios da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas (UNDRIP) e da Convenção 169, da OIT.

Simineral tem página dedicada ao meio ambiente. (Imagem: Reprodução)

POVOS INDÍGENAS SÃO RECONHECIDOS PELA ONU COMO GUARDIÕES DAS FLORESTAS

A Convenção 169 da OIT garante às populações tradicionais o direito à autodeterminação e o respeito às suas instituições, formas de vida, identidades, línguas e religiões, bem como a definirem elas próprias suas prioridades em relação ao desenvolvimento econômico. O acordo afeta mais de 5 mil povos, que vivem em mais de 70 países, em todas as regiões do mundo.

É graças a esse mecanismo que as comunidades podem se manifestar sobre a instalação de empreendimentos que afetam negativamente a sua existência, como destacou o Observatório da Mineração. “Sem ele, mineradoras, siderúrgicas e indústrias em geral podem simplesmente passar por cima de direitos socioambientais, contando com a força do lobby, do poder econômico e da cooptação de políticos em diversas esferas”.

Indígenas em São Félix do Xingu (PA) (Foto: Thiago Gomes/Agência Pará)

Para ter vigência em um Estado-membro da OIT, a Convenção necessita de um ato formal. No caso do Brasil, este ato foi registrado em 25 de julho de 2002, seguindo a decisão do Congresso. Por meio do Decreto Legislativo número 143, de 20 de julho de 2002, o país se comprometeu a cumprir os requerimentos estabelecidos no tratado.

Conforme a Fepipa, o documento tem sido o principal instrumento legal para a defesa dos territórios indígenas contra os avanços e as investidas de corporações e empreendimentos e contra o próprio Estado, sobretudo durante o governo de Jair Bolsonaro.

Em 2021, os povos indígenas foram reconhecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) como os verdadeiros guardiões das florestas e da biodiversidade do planeta. “Seus territórios são hoje escudos contra o desmatamento e desempenham um papel vital contra as mudanças climáticas e, consequentemente, na luta contra a pobreza e a fome”, afirma a Fepipa.

— Diferentemente do que afirmam os presidentes das organizações patronais do setores que mais desmatam e destroem florestas e violam direitos humanos, não é a Convenção que está a “perpetuar nossos indígenas à situação de miséria e de constantes confrontos”, como afirmam na carta a Bolsonaro, e sim a sua ganância e de setores, que priorizam lucros em detrimento do meio ambiente e da vida, e para quem desenvolvimento é sinônimo de destruição de recursos naturais.

| Mariana Franco Ramos é jornalista. |

Foto principal (Divulgação): uma das financiadoras ocultas do IPA, Agropalma se apresenta como maior produtora de óleo de palma sustentável das Américas

LEIA MAIS:
Empresários da Amazônia pedem que Brasil abandone convenção que protege povos indígenas
Em carta aberta, industriais paraenses apoiam o ‘passar a boiada’ de Ricardo Salles
Empresários do Pará pedem a Temer que acabe com Fundo Amazônia

You may also read!

Prefeito de Eldorado do Sul terraplanou terreno em APA às margens do Rio Jacuí

Empresa em nome de sua família foi investigada pelo Ministério Público após aterrar área de "banhado" da Área de

Read More...

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu