Contra governo Temer, movimentos do campo farão jornada em defesa da reforma agrária

In De Olho nos Conflitos, Sem-Terra, Últimas

Segundo a Frente Brasil Popular, atos defenderão terras para o povo brasileiro, o retorno do MDA e das políticas públicas para a agricultura familiar

Os movimentos do campo irão às ruas e estradas na semana que vem contra o governo Temer. Em continuidade à manifestação marcada para domingo (04/08), em São Paulo, eles farão uma jornada nacional unitária em defesa da reforma agrária, das terras para o povo brasileiro, pela volta do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e das políticas públicas para a agricultura familiar.

A informação foi divulgada nesta quinta-feira pela Frente Brasil Popular, que reúne organizações como o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), o Movimento Nacional dos Quilombolas, a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e o Movimento Camponês Popular. A CUT e Federação Única dos Petroleiros estão entre as instituições que participam da frente.

A Frente Brasil Popular considera que já estão aparecendo as primeiras vítimas do golpe, agora “consolidado”. “O golpista impostor correu para a China e avisou que quando voltar começa a reforma trabalhista, para retirar direitos”, diz o comunicado da frente. “Aos ruralistas prometeu que vai mudar a lei, para permitir a venda de terras brasileiras ao capital estrangeiro”.

A extinção do MDA e a transferência da reforma agrária para a Casa Civil foram algumas das primeiras medidas de Temer, quando ele assumiu ainda como presidente interino.

Em carta para a presidente deposta, Dilma Rousseff, a Frente Brasil Popular escreveu que a ruptura da ordem democrática compromete a produção nacional de alimentos: “A agenda dos usurpadores rasga as garantias da Constituição de 1988 e afronta as conquistas obtidas durante os governos do presidente Lula e o da companheira, com o claro intuito de favorecer os interesses  das oligarquias financeiras, industriais, agrárias e midiáticas, aumentando seus lucros em detrimento dos trabalhadores e das camadas médias”.

Michel Temer nega que seja um golpista. Alega que a derrubada da presidente seguiu a Constituição.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.