Transgênicos: no Brasil, PL Heinze; nos EUA, Lei Obama

In Bancada Ruralista, De Olho na Comida, De Olho na Política, Em destaque, Transgênicos, Últimas

Conheça as tentativas de nos impor alimentos industrializados transgênicos – aqui, desregulando a legislação da rotulagem, lá ganhando tempo e dando ampla liberdade à indústria alimentícia

Por Inês Castilho

O Brasil é o segundo maior produtor de alimentos transgênicos do mundo, com cerca de 44,2 milhões de hectares plantados em 2015. É também onde o plantio de safras geneticamente modificadas mais cresce. Os Estados Unidos são o primeiro produtor, com mais de 90% de suas safras de milho, soja e algodão provenientes de sementes geneticamente modificadas.

Aqui, o chamado PL Heinze pretende desregular a rotulagem obrigatória de alimentos transgênicos, extinguindo o conhecido símbolo “T”. Nos EUA, a rotulagem sequer é obrigatória e a lei que Barack Obama sancionou no fim de julho significou uma derrota para a maioria dos ambientalistas.

Pela lei de Obama, o Departamento de Agricultura tem dois anos para definir o que vem a ser um ingrediente transgênico – até lá, a rotulagem continua voluntária. Ao final desse tempo, permitirá que a indústria rotule seus produtos como quiser: usando texto, imagem, número, código. Ou seja, aceita que os consumidores tenham direito de ser informados sobre qual alimento estão comprando, mas deixa a indústria à vontade para dificultar ao máximo o entendimento dessa informação.

As sementes geneticamente modificadas possibilitaram que monoculturas ganhassem extensões quase inimagináveis nos Estados Unidos, ao mesmo tempo em que foram se tornando cada vez mais resistentes a herbicidas e exigindo mais veneno, numa verdadeira escalada de guerra química.

Além de arruinar as terras e águas do planeta, elas estão gerando expansão da oferta de junk food – alimentos processados e ultraprocessados baseados em milho e soja – nas prateleiras dos supermercados. Os mesmos que são responsáveis, como alerta a ONU, por taxas crescentes de sobrepeso e obesidade em adultos e crianças, contribuindo para uma epidemia de doenças crônicas como diabetes, câncer e doenças do coração.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.