Transgênicos: no Brasil, PL Heinze; nos EUA, Lei Obama

In Bancada Ruralista, De Olho na Comida, De Olho na Política, Em destaque, Transgênicos, Últimas

Conheça as tentativas de nos impor alimentos industrializados transgênicos – aqui, desregulando a legislação da rotulagem, lá ganhando tempo e dando ampla liberdade à indústria alimentícia

Por Inês Castilho

O Brasil é o segundo maior produtor de alimentos transgênicos do mundo, com cerca de 44,2 milhões de hectares plantados em 2015. É também onde o plantio de safras geneticamente modificadas mais cresce. Os Estados Unidos são o primeiro produtor, com mais de 90% de suas safras de milho, soja e algodão provenientes de sementes geneticamente modificadas.

Aqui, o chamado PL Heinze pretende desregular a rotulagem obrigatória de alimentos transgênicos, extinguindo o conhecido símbolo “T”. Nos EUA, a rotulagem sequer é obrigatória e a lei que Barack Obama sancionou no fim de julho significou uma derrota para a maioria dos ambientalistas.

Pela lei de Obama, o Departamento de Agricultura tem dois anos para definir o que vem a ser um ingrediente transgênico – até lá, a rotulagem continua voluntária. Ao final desse tempo, permitirá que a indústria rotule seus produtos como quiser: usando texto, imagem, número, código. Ou seja, aceita que os consumidores tenham direito de ser informados sobre qual alimento estão comprando, mas deixa a indústria à vontade para dificultar ao máximo o entendimento dessa informação.

As sementes geneticamente modificadas possibilitaram que monoculturas ganhassem extensões quase inimagináveis nos Estados Unidos, ao mesmo tempo em que foram se tornando cada vez mais resistentes a herbicidas e exigindo mais veneno, numa verdadeira escalada de guerra química.

Além de arruinar as terras e águas do planeta, elas estão gerando expansão da oferta de junk food – alimentos processados e ultraprocessados baseados em milho e soja – nas prateleiras dos supermercados. Os mesmos que são responsáveis, como alerta a ONU, por taxas crescentes de sobrepeso e obesidade em adultos e crianças, contribuindo para uma epidemia de doenças crônicas como diabetes, câncer e doenças do coração.

You may also read!

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no

Read More...

Christiane, Aida, Marcia, Maria, Adelia: cinco histórias de Margaridas

Mulheres de todas as idades, do campo e da cidade, levaram para Brasília diferentes pautas para o encontro de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.