MarketWatch: acordo Bayer-Monsanto é ruim para agricultores e indústria

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Transgênicos, Últimas

Site da DowJones ouviu especialistas, que preveem aumento de preços com a concentração das duas empresas; pesquisador da universidade John Hopkins fala em “choque real no sistema alimentar”

A compra da Monsanto pela Bayer, um acordo de US$ 66 bilhões, trará impactos negativos para fazendeiros e para a indústria, afirmou ontem o site MarketWatch. O site do grupo Dow Jones – assim como o The Wall Street Journal – ouviu especialistas, que apontam risco de aumento de preços das sementes e até risco de doenças.

A repórter Emma Court observa que as duas empresas são grandes produtoras de agrotóxicos e de sementes geneticamente modificadas. O que traz preocupação em relação à biodiversidade e expõe o abastecimento de comida ao risco de doenças.

“A consolidação de dois dos maiores atores da indústria em uma das maiores empresas de agroquímicos pode limitar a escolha e o poder de barganha dos fazendeiros, com aumento do preço das sementes”, escreve ela.

Robert Lawrence, professor da Johns Hopkins School of Medicine e diretor do Centro Por um Futuro Habitável, afirma que esse controle do mercado, com aumento do preço de sementes e pesticidas, e a retirada de pequenos competidores, será “um choque real no sistema alimentar”.

O site fala também numa suspeita ampla e profunda de que a Monsanto é “maliciosa com os fazendeiros”. Por isso não está claro como a Bayer resolverá esse problema de relações públicas – embora a imagem ruim da empresa estadunidense, segundo o CEO da Bayer – não tenha feito parte do acordo.

O MarketWatch lembra que a própria Bayer não está imune a críticas. Pois foi acusada de produzir um inseticida que, segundo estudos, prejudica as abelhas. O produto foi banido da Europa em 2013.

Segundo a publicação, a fusão entre a Dow Chemical e a DuPont está sendo analisado pela União Europeia, pelos reguladores antitruste e pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Patty Lovera, diretora-assistente da ONG Food and Water Watch, afirma que isso não pode ser descartado no caso Bayer-Monsanto.

Robert Lawrence afirma que o maior risco é para a biodiversidade, diante do poder das empresas sobre as sementes. “Saímos de 30 ou 40 variedades de soja para somente uma”, declara o pesquisador. Ele diz que pode ocorrer uma nova doença, “como aconteceu anos atrás no Brasil”.

O texto fala também do risco que essas fusões diminuam o número de opções do consumidor, inclusive em relação a produtos orgânicos e com menos agrotóxicos. Já que há um incentivo a um modelo químico de produção.
A Bayer respondeu parcialmente às perguntas do site. A Monsanto, não.

You may also read!

Agrotóxicos em plantações de tomates ameaçam quilombo na Chapada Diamantina

Danos do uso de agrotóxicos nas plantações de tomate e cebola à comunidade do Velame são apontados pelo Fórum

Read More...

Contra o avanço da direita, indígenas preparam “boom” de candidaturas nas eleições de 2020

Pela primeira vez, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) criou uma plataforma para reunir e apoiar candidatos;

Read More...

Esplanada da Morte (XX) — Entenda como Gabinete do Ódio politiza pandemia e põe vidas em risco

Arsenal de notícias falsas na órbita da família Bolsonaro atingiu opositores do presidente, minimizou efeitos da Covid-19 no Brasil

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.