MarketWatch: acordo Bayer-Monsanto é ruim para agricultores e indústria

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Transgênicos, Últimas

Site da DowJones ouviu especialistas, que preveem aumento de preços com a concentração das duas empresas; pesquisador da universidade John Hopkins fala em “choque real no sistema alimentar”

A compra da Monsanto pela Bayer, um acordo de US$ 66 bilhões, trará impactos negativos para fazendeiros e para a indústria, afirmou ontem o site MarketWatch. O site do grupo Dow Jones – assim como o The Wall Street Journal – ouviu especialistas, que apontam risco de aumento de preços das sementes e até risco de doenças.

A repórter Emma Court observa que as duas empresas são grandes produtoras de agrotóxicos e de sementes geneticamente modificadas. O que traz preocupação em relação à biodiversidade e expõe o abastecimento de comida ao risco de doenças.

“A consolidação de dois dos maiores atores da indústria em uma das maiores empresas de agroquímicos pode limitar a escolha e o poder de barganha dos fazendeiros, com aumento do preço das sementes”, escreve ela.

Robert Lawrence, professor da Johns Hopkins School of Medicine e diretor do Centro Por um Futuro Habitável, afirma que esse controle do mercado, com aumento do preço de sementes e pesticidas, e a retirada de pequenos competidores, será “um choque real no sistema alimentar”.

O site fala também numa suspeita ampla e profunda de que a Monsanto é “maliciosa com os fazendeiros”. Por isso não está claro como a Bayer resolverá esse problema de relações públicas – embora a imagem ruim da empresa estadunidense, segundo o CEO da Bayer – não tenha feito parte do acordo.

O MarketWatch lembra que a própria Bayer não está imune a críticas. Pois foi acusada de produzir um inseticida que, segundo estudos, prejudica as abelhas. O produto foi banido da Europa em 2013.

Segundo a publicação, a fusão entre a Dow Chemical e a DuPont está sendo analisado pela União Europeia, pelos reguladores antitruste e pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Patty Lovera, diretora-assistente da ONG Food and Water Watch, afirma que isso não pode ser descartado no caso Bayer-Monsanto.

Robert Lawrence afirma que o maior risco é para a biodiversidade, diante do poder das empresas sobre as sementes. “Saímos de 30 ou 40 variedades de soja para somente uma”, declara o pesquisador. Ele diz que pode ocorrer uma nova doença, “como aconteceu anos atrás no Brasil”.

O texto fala também do risco que essas fusões diminuam o número de opções do consumidor, inclusive em relação a produtos orgânicos e com menos agrotóxicos. Já que há um incentivo a um modelo químico de produção.
A Bayer respondeu parcialmente às perguntas do site. A Monsanto, não.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.