Casal de camponeses é assassinado em Rondônia; LCP acusa latifundiários

In De Olho na Imprensa, De Olho nos Conflitos, Sem-Terra, Últimas

Liga dos Camponeses Pobres diz que Paulo e Edilene vinham sendo ameaçados e já tinham sofrido um atentado; Ouvidor Agrário Nacional estava ciente dos conflitos; área em disputa já foi desapropriada pelo Incra

Edilene Mateus Porto e Izaque Dias Ferreira, o Paulo, foram assassinados na manhã de terça-feira, em Alto Paraíso (RO). A Liga dos Camponeses Pobres (LCP) noticiou o fato em sua página na quinta-feira, sob o seguinte título: “Edilene e Izaque, coordenadores da LCP brutalmente assassinados no Vale do Jamari“. Um jornal policialesco local chamou Izaque de “invasor”, mas classificou o assassinato como execução. Abordagem semelhante à feita pelo Rondônia 24 horas. A notícia não ganhou as páginas da imprensa nacional – nem da imprensa alternativa.

Segundo a LCP, o casal se deslocava de moto para plantar capim, em um lote localizado na Área Revolucionária 10 de Maio, quando foi vítima de uma emboscada. O nome da ocupação decorre da visão que a Liga dos Camponeses tem dos conflitos no campo. A organização não defende a reforma agrária, e sim a revolução agrária. Izaque, coordenador do acampamento, e Edilene deixam uma filha de 6 anos, Ellen. A Associação Brasileira dos Advogados do Povo (Abrapo) conta que ela fez a despedida dos pais, no cemitério.

“Certamente os autores de mais este crime bárbaro são os latifundiários grileiros de terras e assassinos”, afirma a LCP, “que com seus bandos de pistoleiros e policiais, têm promovido o terror em Rondônia, onde quer que os camponeses se levantem para lutar pelo sagrado direito à terra”.

A Liga conta que o casal era ativo no movimento. Os dois participavam de reuniões e atos em Rondônia e Brasília. “Eles fotografavam e denunciavam atos criminosos de policiais e pistoleiros, a mando de latifundiários da região”, diz a LCP. Outro líder do acampamento, Enilson Ribeiro, foi assassinado no dia 23 de janeiro, em Jaru (RO).

Edilene e Paulo já vinham sendo ameaçados.  Em dezembro de 2014, ainda segundo o movimento, sofreram um atentado, ao retornarem de uma reunião no Incra de Porto Velho, “onde denunciaram crimes praticados pelos policiais militares de Buritis”.

Segundo o movimento, 60 famílias ocuparam em 2014 uma fazenda que teria sido grilada pelo latifundiário Caubi Moreira Quito. Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), em relato sobre outro assassinato ocorrido na região, em 2015, a fazenda já foi desapropriada pelo Incra, mas Quito resiste à decisão.

lcp-rondonia

“MILÍCIAS E POLICIAIS”

O Estadão esteve na região, e entrevistou o fazendeiro. A reportagem informa que, no fim de 2014, a Ouvidoria Agrária Nacional divulgou um relatório da polícia “no qual reconhecia que a segurança privada em fazendas da região de Buritis vinha se apoiando na contratação de capangas, agentes penitenciários, milícias e policiais fortemente armados”.

Paulo, Edilene e outros camponeses participaram em março de uma reunião em Porto Velho com o Ouvidor Agrário Nacional, desembargador Gercino José da Silva Filho, definido pela LCP como “ouvidor dos latifundiários”. A Liga desconfia que alguns homens nas salas e corredores do órgão fossem policiais à paisana ou chefes de pistolagem.

“Todos estes fatos foram amplamente denunciados”, diz a LCP. Um advogado da Abrapo relata ainda que, há 15 dias, as polícias ambiental, civil e militar estiveram no acampamento e retiveram Paulo e Edilena por várias horas, sem prender o casal. Ele contam ainda que houve apreensão de seis motosserras, duas espingardas e que o motorista de um trator foi preso.

A Liga dos Camponeses Pobres diz na nota sobre o assassinato que defende a revolução agrária, “que tomará todas as terras do latifúndio, estremecerá os campos brasileiros e varrerá o sistema latifundiário podre e retrógrado, apoiado pela grande burguesia e pelo imperialismo”.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.