Renato Soares fotografa as 300 etnias do país: “É preciso registrar os sorrisos”

In Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Em entrevista ao De Olho nos Ruralistas, fotógrafo fala de suas opções estéticas, como a de fugir do estereótipo da tristeza; ainda assim, retrata situações mais duras, como a de Guarani Kaiowá que moram em um antigo matadouro

Com 30 anos de profissão, Renato Soares se propôs a fazer um trabalho hercúleo: registrar as 305 etnias indígenas do Brasil. Em entrevista ao De Olho nos Ruralistas, o fotógrafo conta que já interagiu com 60 delas. O projeto “Ameríndios do Brasil” ainda vai longe, portanto. E sem patrocínio nenhum. Soares vive da venda de fotos, principalmente para livros didáticos. É muito provável que o leitor já tenha visto alguma foto dele.

Este é o primeiro trecho do programa:

Há uma opção política no projeto: a de reverter parte da verba obtida com venda de fotos para os próprios indígenas. Essa decisão em de longe, desde quando o fotógrafo conviveu com o sertanista Orlando Villas Boas. Hoje essa prática é comum, por exemplo, no mercado de livros didáticos. “Desde menino tenho fascínio pela cultura indígena”, afirma Soares. “O Brasil não conhece seus povos”.

E há uma opção estética: a de não retratar os moradores das aldeias apenas em situações de miséria ou tristeza. Por isso ele gosta de fotografar sorrisos. “Boa parte das fotografias que eu via era de índio triste. E percebi que eles sorriem muito mais que nós. Sempre brincando, flanando nesse universo dos sorrisos. Eles simplesmente gostam de  brincar com a vida. Alguns sorriem com os olhos, outros às gargalhadas”.

Isso não significa tapar os olhos aos problemas. Soares conta que, no caminho de São Paulo para Bonito (MS), há muitos Guarani Kaiowá acampados na estrada. Mas as pessoas não veem. Uma família mora há 42 anos nas ruínas de um antigo matadouro. “Foram tirados das terras. Colocaram gado. Não tinham para onde ir. E vivem lá numa condição que… não precisa nem comentar. E mesmo assim ainda têm um sorriso no rosto”.

Assunto: Aldeia Kambeba Local: Manaus - AM Data: Outubro 2011 Autor: Renato Soares
Aldeia Kambeba, Manaus, 2011 (Foto: Renato Soares)

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.