Pará triplica consumo de agrotóxicos; na Amazônia, soja avança para Roraima

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas
Embalagens vazias de agrotóxicos no TO (Foto: Adapec/Tpocantins)

Casos de intoxicação dobram na região Norte; Tocantins é o campeão, segundo Ministério da Saúde; tendência é de aumento do veneno por área plantada

 Por Inês Castilho

O volume de agrotóxicos comercializados legalmente na região Norte quase dobrou em 7 anos, saltando de 16,6 mil toneladas em 2007 para 30,6 mil toneladas em 2013. A área plantada teve aumento de pouco mais de 10%, passando de 2,8 mil toneladas no início para 3,1 mil toneladas ao final do período. O número de intoxicações parece acompanhar o aumento do consumo, indo de 1,99 a 4,61 casos por 100 mil habitantes, na média. É a região com menor produção agrícola e consumo de agrotóxicos do país.

Os dados são do relatório nacional 2016 do programa de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos, do Ministério da Saúde, que traz a incidência de intoxicações por agrotóxicos e dados da comercialização de veneno por área plantada no Brasil entre 2007 e 2013.

De Olho nos Ruralistas publica desde segunda-feira (31/10) uma série com dados por região sobre o consumo de agrotóxicos no Brasil. A primeira notícia traz dados gerais sobre o Brasil e sobre o Sudeste: “Intoxicações por agrotóxico quadruplicam no Sudeste; donas de casa estão entre principais vítimas“. A região Sul também tem alto consumo de veneno: “Região Sul consome 23% dos agrotóxicos do país; Paraná só perde para SP e MT“. No Nordeste, um único estado concentra quase metade dos pesticidas: “Bahia aplica 46% dos agrotóxicos do Nordeste“.

TOCANTINS: SALTO NO CONSUMO

No Tocantins, estado com maior incidência de intoxicações e maior consumidor de agrotóxicos da região, os casos mais que dobraram: de 7,16 em 2007 passaram a 17,59 em 2013. Houve aumento exponencial do consumo entre 2009 e 2010, com um salto que foi de 3,3 mil a 15 mil toneladas. Em 2013 foram aplicadas 100 mil toneladas de agrotóxicos em suas lavouras.

O Pará, maior produtor da região (soja, arroz, milho, feijão, cana-de-açúcar, sorgo e mandioca), triplicou a comercialização de agrotóxicos por área plantada (kg/ha) entre 2007 e 2013, com 9,5 mil toneladas no último ano – para uma média de 0,7 casos de intoxicação por 100 mil habitantes/ano. A incidência sugere subnotificação e baixa vigilância. O estado possuiu oito fábricas de agrotóxicos.

Em Rondônia, o mesmo indício de subnotificação: o consumo de agrotóxicos por área plantada quase dobrou em dois anos, passando de 7,56 kg/ha em 2011 a 12,73 kg/ha em 2013, enquanto o número de casos notificados de intoxicação diminuiu, de 7,80 em 2011 para 5,67 em 2013. O volume de agrotóxicos comercializados quase triplicou no período, de 2,9 mil toneladas para 8,7 mil toneladas. O estado produz principalmente milho, soja, café, arroz e feijão.

https://i.ytimg.com/vi/xH1bu6GxPKs/maxresdefault.jpg
Soja em Roraima (Reprodução/YouTube)

RORAIMA PREOCUPA

A expansão da soja em direção ao território de Roraima, que passou a ocupar de 12 mil ha a 18 mil ha, nos últimos anos, é motivo de preocupação. Entre 2012 a 2013 praticamente dobrou a comercialização de veneno no estado, de 442 toneladas para 873 toneladas. A relação entre consumo de veneno e área plantada foi de 13,98 kg/ha em 2013 – mais alta que em estados com grande produção agrícola e uso de agrotóxicos, como Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. Mas a incidência de intoxicações, de 3 a 4 casos por 100 mil habitantes/ano, não segue a tendência e sugere subnotificação.

Também no Acre a incidência de intoxicações por agrotóxicos não acompanhou a tendência de aumento no consumo de veneno entre 2009 e 2011, permanecendo praticamente nula. Em toda série a histórica analisada, houve apenas um caso registrado, em 2011.

No Amazonas, essa incidência de intoxicações também não acompanhou o crescimento da comercialização, mas houve aumento no número de casos desde 2007. O volume de veneno comercializado cresceu muito entre 2012 e 2013, de 180 toneladas para 314 toneladas – enquanto a área plantada oscilou de 181 mil hectares para 178 mil toneladas.

No Amapá, a produção de soja ainda era pequena em 2013, mas preocupa pelo crescimento. Apenas a partir de 2012 foram registrados casos de intoxicações por agrotóxicos, sugerindo baixa vigilância.

LEIA MAIS:
Intoxicações por agrotóxico quadruplicam no Sudeste; donas de casa estão entre principais vítimas
Região Sul consome 23% dos agrotóxicos do país; Paraná só perde para SP e MT
Bahia aplica 46% dos agrotóxicos do Nordeste

You may also read!

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Apenas 1/3 da cúpula ruralista votou pela prisão de Chiquinho Brazão

Entre 48 deputados que integram cargos de comando na Frente Parlamentar da Agropecuária, 20 votaram contra a detenção do

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu