Questão agrária se destaca entre ameaças a direitos no Congresso

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Lista de 40 ameaças a direitos humanos mostra risco para terras indígenas, alimentação, reforma agrária e movimentos sociais

Uma lista de 40 ameaças aos direitos humanos no Congresso mostra a centralidade da questão agrária entre os conflitos no Brasil. São projetos aprovados ou em tramitação, reunidos pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, Padre João (PT-MG). O levantamento foi feito em parceria com o Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UFRJ), a partir também de pesquisas realizadas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), da Conectas Direitos Humanos e do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Aqui nos baseamos na edição feita por Camila Rodrigues da Silva para o jornal Brasil de Fato: “40 ameaças do Congresso Nacional aos direitos humanos“.

Dez entre os 40 itens tratam diretamente de questão agrária, reunida nos seguintes temas: meio ambiente, acesso à terra e a alimentação. Mas outros itens (como os trabalhistas) também trazem impacto direto. Fizemos uma lista específica, com 23 itens:

1) Reforma Agrária. A Medida Provisória 759/2016 visa liberar terras para o mercado. Com pagamento em dinheiro e título de propriedade aos assentados, “o que é uma janela para a reconcentração fundiária”. A proposta também desconsidera a existência de acampados organizados em movimentos sociais.

2) Rotulagem de Transgênicos. Aprovado pela Câmara, o PLC 34/2015 retira a exigência do símbolo “T” nos produtos com até 1% de componentes transgênicos. O projeto está no Senado.

3) Função Social. O Projeto de Lei 5288/2009 restringe os requisitos da função social da propriedade, como os critérios ambiental e trabalhista para comprovação de produtividade. Está na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

4) Venda de Terras para Estrangeiros. O PL 4059/2012 tem urgência desde 2015, para aprovação em plenário na Câmara. Para se ter uma ideia, a ditadura de 1964 promoveu uma CPI no Congresso, no fim dos anos 69, em combate à aquisição – muitas vezes a partir de grilagem – de terras por estrangeiros.

5) Monopólio das Sementes. O PL 827/2015 restringe a possibilidade de multiplicação de sementes protegidas. O agricultor passa a precisar de autorização do detentor da patente para comercializar a colheita. Os beneficiados são as multinacionais.

6) Agrotóxicos. Uma Comissão especial da Câmara analisa proposta que fragiliza o controle dos agrotóxicos no Brasil, líder mundial de consumo de veneno na comida. Os PL 6299/2002 e 3200/2015 mudam até o nome de agrotóxicos, que se tornam “defensivos fitossanitários”. Com restrições à ação do Ministério do Meio Ambiente e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

7) Mineração. O novo Código da Mineração (PL 37/2011) incentiva a atividade, mais do que se propõe a regulá-la.  Diminui o controle estatal e a capacidade de planejamento do poder público no setor.

Bento Rodrigues, povoado rural destruído em Mariana (MG). (Foto: Rogério Alves/TV Senado)
Bento Rodrigues, povoado rural destruído em Mariana (MG). (Foto: Rogério Alves/TV Senado)

8) Fim do Licenciamento Ambiental. O PL 3729/2004 estaria acordado com o governo federal, segundo o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária. Ele permite o licenciamento a partir do preenchimento de um formulário. Novamente o Estado perde o controle sobre empreendimentos.

9) Fim das Demarcações Indígenas. A Proposta de Emenda à Constituição 215 transfere do Executivo para o Legislativo – dominado pela bancada ruralista – a competência para demarcar terras. E essas terras tradicionais seriam transformadas em equivalentes da propriedade rural: poderiam ser arrendadas, divididas e receber empreendimentos econômicos.

10) CPI do Incra e da Funai. A Comissão Parlamentar de Inquérito já teve duas versões, desde 2015, dominada pela bancada ruralista. A Fundação Nacional do Índio e o Instituto de Colonização e Reforma Agrária são os alvos principais, no que se refere à demarcação de terras indígenas e quilombolas, mas sobra também para ONGs e para o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), entre outros.

As mudanças nos direitos trabalhistas também atingem diretamente os povos do campo:

11) Reforma Trabalhista. O Projeto de Lei 6787/16 prevê negociações entre empresas e sindicatos, à margem da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e jornada diária de trabalho de até 12 horas. No campo, ainda mais nociva que na cidade. A autoria é do próprio presidente Michel Temer. O projeto segue em regime de urgência e, segundo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, deve ser aprovado no primeiro semestre.

12) Terceirização. O Projeto de Lei 4302/1998 permite a terceirização das atividades-fim. Foi aprovado pela Câmara e está no Senado. No campo, atividades como o corte de cana de açúcar estão entre as que mais matam e mutilam trabalhadores.

(Foto: Cícero R. C. Omena/Creative Commons)
(Foto: Cícero R. C. Omena/Creative Commons)

13) Trabalho escravo. A Emenda Constitucional de n° 81 foi aprovada em 2014. Ela determina a expropriação de áreas nas quais for utilizado trabalho escravo. Mas precisa ser regulamenta por lei. O PLS 432/2013, porém, inviabiliza a atual fiscalização feita pelo Ministério Público do Trabalho. Os ruralistas tentam também reduzir a definição de trabalho escravo.

14) Redução da idade de trabalho. A PEC 18/2011 pretende autorizar o trabalho a partir dos 14 anos. O trabalho infantil já é um problema no campo, em atividades que ferem, mutilam e matam. A proposta é inconstitucional.

Outros temas também têm implicações diretas ou indiretas na questão agrária:

15) Reforma Educacional. A Medida Provisória que muda a educação no Brasil diminui o peso de disciplinas como história e geografia. Sem elas, como discutir questão agrária?

16) Escola sem partido. O PL 867/2015 prevê precedência dos “valores de ordem familiar”. Quer despolitizar um sistema que é, inexoravelmente, político. Novamente a discussão de temas agrários (como os conflitos de terra) seriam diretamente afetados.

17) Armamento. A revogação do Estatuto do Desarmamento permitiria o porte de armas a qualquer pessoa com requisitos mínimos. No campo, isso pode significar o aumento da violência – e da matança de povos originários e tradicionais.

19) Desmonte do Estado. A Emenda Constitucional nº 95, que congela os gastos públicos por 20 anos, afeta diretamente orçamentos relacionados à questão agrária, como as políticas para camponeses e as verbas para Funai e Incra, entre outros.

20) Reforma da Previdência. A PEC 278/2016, pelo aumento do tempo de contribuição, pode tornar a inviável a aposentadoria de trabalhadores rurais.

21) Orçamento. O Projeto de Lei Orçamentária para 2017 reduz em R$ 430 milhões políticas públicas que atendem a agricultura familiar, a reforma agrária, os povos e as comunidades tradicionais. E estabelece um teto de R$ 110 milhões para despesas discricionárias da Funai, o menor dos últimos dez anos.

22) Terrorismo. A lei que tipifica o terrorismo no Brasil tem ressalva excluindo a atuação de movimentos reivindicatórios, mas pode ser utilizada – conforme a interpretação do Judiciário – para a criminalização de movimentos sociais.

23) Criminalização dos movimentos sociais. Outros dois projetos de lei (PLS 272/2016 e PL 5065/2016) pretendem agravar a legislação antiterror, restringindo movimentos reivindicatórios ou oferecendo pena excessiva a condutas contra o patrimônio – como se alega em algumas ocupações.

O documento da Comissão de Direitos Humanos – em protesto contra esses projetos de lei e essas políticas – será entregue ao Relatório Periódico Universal do Brasil à Organização das Nações Unidas (ONU).

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.