O pastor, o grileiro e o general: as estratégias do governo Temer para desmontar o Incra e a Funai

In De Olho na Política, Em destaque, Governo Temer, Grilagem, Povos Indígenas, Principal, Últimas
Jorge William | Agência O Globo

Ao lotear cargos para PMDB e PSC, governo entrega gestão dos órgãos a figuras controversas e tenta, com MPs, enfraquecer suas funções

Por Cauê S. Ameni

Nos primeiros dias de 2017, o presidente Michel Temer voltou as baterias do governo para os órgãos responsáveis pela reforma agrária e políticas para indígenas. As nomeações e as medidas propostas pelo governo, visando saciar a fome por cargos das cúpulas do PMDB e do PSC e buscar apoio da bancada ruralista no Congresso, dão uma guinada na condução do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e da Fundação Nacional do Índio (Funai).

UM GRILEIRO NO INCRA?

Reprodução/ Hipernotícias
Reprodução/ Hipernotícias

No dia 10 de janeiro, Clóvis Figueiredo Cardoso, presidente do diretório do PMDB em Cuiabá (MT), assumiu a direção do Incra. Em 2008, ele se tornou réu, acusado de irregularidades em sua primeira passagem pelo órgão, no Mato Grosso. O escândalo ocorrido entre 1988 e 2000 ficou conhecido no estado como “a farra com terras da União”.

Segundo o MPF, o novo diretor do Incra foi apontado como pivô de um esquema que fraudava a desapropriação de terras no município de Confresa, a 930 km de Cuiabá. Na época, pelo menos sete processos de desapropriação de fazendas foram investigados. Ao todo, 30 pessoas foram condenadas – mas Cardoso não.

Questionado pelo site Poder360, Cardoso disse que a ação não teve o mérito julgado e prescreveu.

Segundo o MST, a indicação de Cardoso é fruto da articulação dos deputados federais Carlos Bezerra (PMDB-MT) e Valtenir Pereira (PMDB-MT) com Eliseu Padilha (PMDB-RS), ministro-chefe da Casa Civil. Os deputados integram a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), que defende o agronegócio.

Alexandre Conceição, da coordenação nacional do MST, viu a nomeação com preocupação: “Para continuar a paralisia da obtenção de terras é nomeado novo diretor envolvido em escândalo de negociata de latifúndio. Por isso o MST vê com preocupação esse loteamento do Incra, agora sendo ocupado pelos ruralistas e seus agentes de negócios.”

ESTÍMULO À GRILAGEM

O enfraquecimento dos objetivos do Incra não para por aí. No fim de dezembro, o governo publicou no Diário Oficial a Medida Provisória 759. O ex-ministro do Desenvolvimento Agrário do Brasil, Patrus Ananias (PT-MG), chamou a atenção para os perigos da municipalização da reforma agrária: “A nossa história demonstra que a grande força contrária a reformar o campo sempre foi a das oligarquias rurais locais, costumeiramente ligadas aos poderes políticos locais. E este é o sentido de nacionalizar o tema, para se levar a sério uma reforma agrária”.

A proposta também não dialogou com as grandes entidades de camponeses e trabalhadores rurais, como Contag, Contraf, MST, CNS e Conaq. Ananias disse ainda que ela descaracteriza as Leis 11.952/09 e 8.666/93, borrando as fronteiras entre os agricultores familiares  – que através do Programa Terra Legal regularizam suas terras – e os grileiros e desmatadores ilegais.

O presidente da Associação Brasileira de Reforma Agrária (Abra), Gerson Teixeira, também denunciou na Folha, no artigo “O golpe e a reforma agrária“, as novas regalias aos latifundiários e especuladores. Segundo o engenheiro agrônomo, a medida atende a “antiga demanda dos ruralistas pela antecipação da emancipação dos assentados”, sem levar em conta o abandono, pelo próprio governo, de grande parte dos assentamentos. “Com isso, atiçou a cobiça pelos mais de 80 milhões de hectares obtidos pela reforma agrária”.

MINISTÉRIO DA SAÚDE DRIBLA FUNAI

Pastor Antônio Toninho Costa (Foto: Reprodução Whatsapp)
Foto: Reprodução Whatsapp

No dia 12 de janeiro o Ministério da Justiça anunciou a nomeação de Antônio Fernandes Toninho Costa – dentista, pastor evangélico e assessor parlamentar do PSC – para presidente da Funai. O pastor Antônio, como é conhecido na Primeira Igreja Batista no Guará, já ocupava o cargo interinamente havia sete meses, após a exoneração do ex-senador João Pedro Gonçalves (PT-AM).

A nomeação foi feita ás pressas. Como revelou Elaíze Farias da agencia Amazônia Real, a nomeação só foi realizada 24 horas após Temer ser informado que a Funai estava sem um presidente efetivo, durante reunião em que discutia a retomada de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ao saber que algumas das obras estavam paralisadas e inacabadas por causa da demarcação de terras indígenas, Temer exigiu que o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, resolvesse a questão.

Desde maio de 2016, Costa trabalhava como assessor parlamentar do PSC na Câmara dos Deputados, na Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência. A comissão tem como presidente e vice-presidente dois deputados do PSC, Victório Galli (PSC-MT) e Eduardo Bolsonaro (PSC-SP). Entre os integrantes está ainda o deputado Marco Feliciano (PSC-SP).

Costa trabalhou na Missão Caiua, conveniada com o Ministério da Saúde. Apresenta-se como especialista em saúde indígena. Por meio dos convênios com o Ministério da Saúde as igrejas vêm driblando a estratégia da Funai, que desde 1991 (quando expulsou as missões religiosas das terras indígenas) não realiza convênios com igrejas.

Um levantamento realizado pela Associação de Missões Transculturais mostra que a maioria dos missionários em missões evangélicas é batista, informa reportagem do jornalista Felipe Milanez na revista Rolling Stone.

MILITARIZAÇÃO E DESMONTE

O partido presidido pelo Pastor Everaldo Nascimento (PSC-RJ), acusado pela Policia Federal de pedir dinheiro de origem ilícita a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), conseguiu emplacar outro nome na Funai: o general do exército Franklimberg Ribeiro de Freitas, também evangélico, como novo Diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável.

O general Franklimberg Ribeiro de Freitas assume diretoria da Funai (Foto: Alberto César Araújo/Aleam)
Foto: Alberto César Araújo/Aleam

Franklimberg assumiu a diretoria no lugar de Arthur Nobres Mendes, funcionário de carreira da Funai, que presidiu a Funai interinamente até setembro. Mendes foi demitido por decisão de Alexandre de Moraes após emitir uma carta de repúdio contra as ofensas aos povos indígenas durante o encerramento dos jogos Paraolímpicos no Rio 2016.

O desejo de colocar um militar na pasta vem desde 2016, quando consolidou-se o novo governo pós-impeachment. Na época, o PSC já tinha tentado indicar o general Franklimberg à presidência da Funai, mas a reação das lideranças indígenas freou a indicação. Em seguida, o PSC indicou o general filiado ao PSC Roberto Sebastião Peternelli Junior. Nova reação de lideranças indígenas fez o Planalto novamente recuar. Diante disso, o Ministério da Justiça decidiu procurar “outro perfil”.

A entrega da presidência e diretoria da Funai para evangélicos é estratégica. Em texto publicado na CartaCapital, Milanez explicou por que o PSC investe tanto na pasta: “É onde se definem investimentos em parcerias (como ONGs ou missões religiosas) e, sobretudo para os interesses econômicos por trás do golpe, é onde se operam os licenciamentos ambientais.”

Em entrevista à agencia Amazônia Real, Nara Baré, da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), afirmou que o governo Temer está colocando a Funai contra os indígenas. “Não vamos permitir que nosso próprio órgão indigenista, que existe para proteger e promover nossos direitos, venha contra nós”, disse.

O líder indígena Ailton Krenak, disse ao G1 que o principal problema está nas emendas, mais do que nos cargos. “O governo não respeita a Constituição, não implementa as obrigações que o Estado tem com as terras indígenas. Fica fazendo terrorismo o tempo todo, ameaçando tirar atribuição do Executivo, e entregar para o Congresso, do que é terra indígena e do que não é.”

Em nota, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) repudiou a militarização e o desmonte do órgão indigenista. Lembrou que o PSC faz parte do batalhão de parlamentares que compõem a CPI da Funai/Incra e apresentou o projeto de lei do infanticídio (PL 1057/07), que, sob o pretexto de combater o infanticídio, criminaliza os povos indígenas. Segundo Felipe Milanez, para favorecer missões proselitistas que atuam nas aldeias.

AS INVESTIDAS DO MINISTRO DA JUSTIÇA

Em outra frente, Alexandre de Moraes tentou enfraquecer o papel da Funai no processo de demarcação de terras indígenas por meio da portaria nº 68 do Ministério da Justiça. Movimentos indígenas e juristas reagiram e o Ministério Público Federal (MPF) pediu a revogação da portaria, por considerá-la inconstitucional. Em entrevista ao Instituto Socioambiental (ISA), o subprocurador-Geral da República Luciano Mariz Maia disse que o objetivo da portaria não é assegurar certeza e segurança jurídica para as demarcações, “mas assegurar que elas não se realizarão”.

Após o embate, o governo revogou a portaria, mas manteve a criação de um Grupo Técnico Especializado (GTE) para tratar dos processos de demarcação. Juliana de Paula Batista, advogada do ISA, avaliou que a medida dá ao GTE o poder de modificar os estudos conduzidos pela Funai e interferir politicamente nas análises técnicas: “Com essa sucessão de atos, o governo mostra a total falta de compromisso com a obrigação legal do Estado brasileiro de demarcar Terras Indígenas”.

You may also read!

Membros da Frente Parlamentar da Agropecuária disputam prefeituras em dez capitais

Entre os mais conhecidos estão Celso Russomanno e Joice Hasselmann, em São Paulo; dos 67 deputados e senadores que

Read More...

Desassistidos, quilombos sofrem com agravamento da fome na pandemia

Em arguição ao STF, comunidades queixam-se da ausência de ações que viabilizem a segurança alimentar, como a distribuição de

Read More...

Candidatos com multas e lista de acusações avançam na capital da pecuária, no Pará

Com maior rebanho do Brasil e vice-campeão em devastação, São Félix do Xingu e arredores atraem políticos de diversas

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.