UOL mira no carnaval e descobre aumento de 58% das queimadas no Xingu

In De Olho na Imprensa, Em destaque, Principal, Últimas
Uma das ilhas do Xingu, desmatada e queimada para o enchimento do lago de Belo Monte. Fotos de Lilo Clareto / El País

Dados do Ibama, solicitados pelo portal, mostram impacto do agronegócio na região e reforçam samba-enredo de escola carioca

Levantamento feito pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a pedido do UOL, mostra que o entorno do Parque Indígena do Xingu sofre com os incêndios florestais ligados à expansão da agropecuária – que provoca o desmatamento e a seca na região.

O portal divulgou a notícia nesta segunda-feira (07/02). Segundo o Ibama, a lavoura e a criação de pasto para gado provocaram o desmatamento da vegetação nativa da reserva localizada entre o Mato Grosso e o Pará. O calculo foi feito a partir da base de dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

De acordo com o órgão, o desmatamento provoca um desequilíbrio no sistema hidrológico da região. Com uma consequência climática direta: o aumento dos períodos de seca. Esta, por sua vez, contribuí para o aumento das queimadas na região do Xingu.

Segundo o levantamento, o parque indígena registrou 93 incêndios em 2008. Eles foram aumentando nos últimos anos até saltar, em 2015, para 185 ocorrências, oscilando para 147 no ano passado.

SAMBA-ENREDO POLÊMICO

O parque Indígena do Xingu será homenageado neste carnaval pela escola carioca Imperatriz Leopoldinense. Tanto o desmatamento causado pela expansão do agronegócio quanto os efeitos da Usina de Belo Monte, serviram de mote para o enredo “Xingu, o clamor que vem da floresta”.

Os nomes das alas que atravessarão o sambódromo vão de “fazendeiros e seus agrotóxicos”, “doenças e pragas” até “olhos da cobiça”. A escola também não poupou a hidrelétrica em seus versos, como neste trecho: “O belo monstro rouba as terras dos seus filhos/devora as matas e seca os rios/tanta riqueza que a cobiça destruiu”.

Ruralistas ficaram incomodados e representantes políticos ligados ao setor reagiram. O senador ruralista Ronaldo Caiado (DEM-GO) afirmou que o samba-enredo “denigre a imagem do setor com calúnias generalizadas sobre a atuação da classe rural brasileira”. Ele chegou a propor a abertura de uma CPI para intimidar a escola de samba.

Índios da etnia Kamayurá, que fazem parte do Parque Indígena do Xingu, divulgaram foto em apoio à Imperatriz | Foto: Reprodução/Facebook
Índios da etnia Kamayurá, que fazem parte do Parque Indígena do Xingu, divulgaram foto em apoio à Imperatriz (Foto: Sambarazzo)

APOIO INDÍGENA

O autor do enredo, Cahê Rodrigues, comemorou na semana passada o apoio que recebeu dos indígenas representantes da etnia Kamayurá, uma das 16 que habitam a reserva. “Ter os indígenas do Xingu nos apoiando demonstra que estamos no caminho certo, que temos um tema que prega o respeito”, afirmou a O Dia.

O jornal conta que Carlos Fausto, professor de Antropologia do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), assessorou Cahê na criação do enredo. E achou desproporcional a reação do agronegócio: “Eles foram bastante cuidadosos. O Cahê estudou muito e não está atacando ninguém”.

O pesquisador trabalha há 20 anos no Xingu. “Estou vendo os índios morrendo de câncer por agrotóxicos”, declarou Fausto ao jornal carioca. “O que antes era um paraíso hoje é uma área contaminada”.

Foto que ilustra o texto é do Lilo Clareto e foi publicado no El País. 

You may also read!

Projeto de lei em Goiás antecipa ‘licenciamento flex’ e retira proteção de campos essenciais ao Cerrado

Emenda aprovada pelos deputados goianos revoga lei que equiparava campos de murundus à categoria de Áreas de Preservação Permanente

Read More...

Família de juiz que mandou prender brigadistas foi multada duas vezes em Santarém por desmatamento

Embora as duas autuações sejam de 1996, um dos processos do Ibama contra a madeireira ainda está em curso;

Read More...

Onde era monocultura de cacau, os Tupinambá de Olivença plantam produtos orgânicos

Em pouco mais de quinze anos de luta, os indígenas da Serra do Padeiro resgataram área ocupada por mais

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.