Camponeses de RO apontam “maior roubo de terras do século”

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Grilagem, Principal, Sem-Terra, Últimas

Ato em Rondônia reuniu mais de dez organizações; movimentos sociais falam de grilagem e da atuação de grupo de extermínio no estado

Os camponeses de Rondônia – estado com maior número de assassinatos no campo, hoje no Brasil – fizeram um ato na sexta-feira (10/02) para divulgar a violência na região. A imprensa brasileira ignorou. Os organizadores disseram que os ataques contra a Liga dos Camponeses de Rondônia e Amazônia Ocidental têm “o claro objetivo de criminalizar e demonizar os camponeses e suas organizações para perpetrar massacres como os que vêm ocorrendo nos presídios brasileiros”.

A notícia foi divulgada pelo jornal A Nova Democracia: “RO: ato público em Jirau“. A nota oficial da Associação Brasileira dos Advogados do Povo (Abrapo), do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo) e da Comissão Nacional das Ligas de Camponeses Pobres (LCP) pode ser lida aqui: “Apoiar os camponeses de Rondônia!

“Estes ataques são para esconder o maior roubo de terras neste século no Brasil, que está em curso com a tentativa de legalizar documentos de terras públicas griladas por latifundiários e que são em torno de 80% do território de Rondônia”, afirma a nota. “A trama é passar as terras da União para o Estado, que as dividiria entre a quadrilha de latifundiários que controla também os cartórios, fóruns e quartéis da polícia de Rondônia”.

Os camponeses apoiam também as lutas de povos indígenas pelo Brasil, em particular as dos Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul, e se colocam contra a reforma da previdência e a retirada de direitos trabalhistas, coordenadas pelo que chamam de “quadrilha de Temer”.

Segundo o jornal A Nova Democracia, as lideranças presentes no ato disseram que o estado de Rondônia “age apoiando e organizando grupos paramilitares para perseguir e assassinar camponeses”. Os camponeses pretendem formalizar denúncias nacionais e internacionais contra o governador Confúcio Moura (PMDB) e contra o comandante da PM, coronel Ênedy Dias de Araújo.

O número de assassinatos políticos no campo aumentou em 2016, lembra o jornal. Foram 60 casos no Brasil. Um terço deles em Rondônia. O que teve maior repercussão foi a execução da militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) Nilce de Souza Magalhães. Ela foi encontrada amarrada a uma pedra, em junho, no lago da Usina Hidrelétrica de Jirau, em Porto Velho.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

3 commentsOn Camponeses de RO apontam “maior roubo de terras do século”

Leave a reply:

Your email address will not be published.