Le Monde repercute “apocalipse” dos assassinatos no campo no Brasil

In De Olho na Imprensa, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Sem-Terra, Últimas

Jornal francês fala de militante do MST morto no dia 20, “um brasileiro em guerra contra a voracidade dos grandes proprietários de terra”

O jornal francês Le Monde repercutiu no domingo os assassinatos no campo ocorridos no Brasil em 2016 e 2017. Título: “No Brasil, assassinatos em série de militantes ecologistas“. A correspondente em São Paulo, Claire Gatinois, conta que o tema são os assassinatos no campo mesmo, o título foi escolhido porque o leitor francês teria mais dificuldade de entender – embora seja uma realidade cotidiana no Brasil.

Enterro dos mortos no massacre de Eldorado dos Carajás, em 1996 (Foto: João Roberto Ripper)

O texto parte do assassinato de Waldomiro Costa Pereira, no Pará, no dia 20. Ele era militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e sobrevivente do massacre de Eldorado dos Carajás (PA), há 20 anos, no dia 17 de abril de 1996. Ele foi assassinado em pleno hospital – após ter sobrevivido a um atentado. “Era membro de um desses batalhões de brasileiros em guerra contra a voracidade dos grandes proprietários de terra, gigantes agrícolas e grupos mineradores”, escreve a repórter.

O jornal menciona o Brasil como recordista mundial de assassinatos de militantes ecologistas e defensores de direitos humanos, da terra ou da floresta: 207 mortos entre 2010 e 2015, segundo a ONG Global Witness. “Longe de acalmar, o fenômeno se amplifica no Brasil, com 61 mortes contabilizados em 2016 pela Comissão Pastoral da Terra”, diz a reportagem.

O Le Monde menciona os assassinatos do sindicalista Chico Mendes, em 1988, e de Dorothy Stang, em 2005, como símbolos da violência brasileira no campo. Mas não a associa unicamente à Amazônia, ao relatar o assassinato, no mesmo dia da execução de Pereira, do cacique Antonio José Mig Claudino, no Rio Grande do Sul.

Danicley Aguiar, do Greenpeace Brasil, é uma das fontes ouvidas pela reportagem. O editor do De Olho nos Ruralistas, Alceu Castilho, fala sobre a omissão dos governos – todos eles – em relação à violência no campo. “Nenhum deles se opôs ao lobby agrário e minerador”, afirma. Thiago Valentim, da CPT, refere-se à omissão do Estado.

O jornal encerra a reportagem de forma pessimista: “Esse panorama já apocalíptico tende a escurecer ainda mais à mercê da grave crise econômica que chacoalha o país desde 2015 e incita o Estado a defender as multinacionais provedoras, no curto prazo, de investimentos financeiros providenciais”.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.