Desmatamento aumenta 29%, mas governo corta 43% das verbas do Meio Ambiente

In De Olho no Ambiente, Em destaque, Principal, Últimas

O Eco mostra que ministério só terá R$ 447 milhões dos R$ 782 milhões previstos, diante dos cortes coordenados por Henrique Meirelles

A repórter Daniele Bragança, do site especializado em meio ambiente O Eco, mostra que o Ministério do Meio Ambiente terá R$ 335 milhões a menos, em 2017, em relação aos R$ 782 milhões previstos para custeio e investimento. Ou seja, 43% menos. Isto após o desmatamento na Amazônia, no ano passado, ter aumentado 29%. Confira aqui a notícia: “Governo corta 43% do orçamento do Ministério do Meio Ambiente“.

As contas são as impostas pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que na semana passada cortou R$ 42 bilhões do atual orçamento da União. O MMA é apenas uma das vítimas – mas uma das que têm maior repercussão internacional. O ministro Zequinha Sarney (PMDB), antigo líder da bancada socioambiental na Câmara, é um desafeto da bancada ruralista.

Restarão na pasta, em 2017, R$ 446,5 milhões. “Menos de meio bilhão que deverá dar conta dos combustíveis utilizados nos veículos do Ministério e das autarquias, principalmente o Ibama e o ICMBio, nas ações de comando e controle contra o desmatamento na Amazônia (…) e no combate a incêndios dentro das Unidades de Conservação”, enumera o site.

O Eco observa que o Instituto Chico Mendes (ICMBio) administra 326 Unidades de Conservação federais. E que a pasta já vinha tendo seu orçamento estagnado – ou diminuído – desde 2003, conforme pesquisa feita pelos economistas Carlos Eduardo Young e Marcio Alvarenga Junior, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É deles o gráfico que ilustra esta notícia.

“Não devemos discutir o contingenciamento somente a partir dessa perspectiva dessa crise fiscal recente, que é pontual”, afirma Alvarenga ao site. “Mesmo em momentos de crescimento do ciclo econômico, de arrecadação, isso já é um movimento verificado”. Ele assinala que a demanda da pasta aumentou (mais licenciamento, mais UCs para proteger), sem contrapartida no orçamento.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.