Reserva de cobre na Amazônia será leiloada e iniciativa privada poderá extrair ouro

In De Olho na Política, Em destaque, Governo Temer, Principal, Últimas

Ministério das Minas e Energia publicou novas regulamentações em Diário Oficial e pretende extinguir reserva; mineração deve ganhar força no país

Por meio de uma portaria publicada no dia 14, no Diário Oficial da União, o Ministério das Minas e Energia deu o primeiro passo para extinguir a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), criada em 1984, durante a ditadura militar:

– Considerando a importância de se criar mecanismos para viabilizar a atração de novos investimentos para o setor mineral; que, para viabilizar a proposta apresentada à Presidência da República de extinção da Reserva Nacional de Cobre e Associados – RENCA, que será realizada por meio de Decreto, será necessário desonerar as áreas objetos de requerimentos apresentados e pendentes de decisão ou títulos eventualmente outorgados sem amparo na legislação pertinente

O que a portaria destrincha, após a justificativa, é que sejam indeferidos os títulos que tenham sido protocolados no período de vigência do decreto nº 89.404 – que criou a reserva – e que ainda estiverem pendentes. A ideia do governo é lotear o local e atrair a iniciativa privada para a mineração. A Renca foi criada por decreto do presidente João Baptista Figueiredo, em fevereiro de 1984, a pedido do almirante Gama e Silva, e contempla os estados do Pará e Amapá.

O fim da reserva não é uma medida isolada. Ele integra uma série de medidas do governo federal para ampliar a mineração no Brasil. De acordo com a revista Época, a proposta começa pela retirada do Congresso Nacional de um projeto de lei enviado pelo governo anterior, em 2012, que freou “pesquisas de novas jazidas”.

Ainda de acordo com a publicação, serão dez medidas implementadas nos próximos meses. O objetivo é que a mineração abocanhe maior fatia do Produto Interno Bruto (PIB), subindo de 4% para 6%. O que também explica as últimas declarações do presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), que declarou que as terras indígenas devem ser abertas à exploração da mineração.

UMA NOVA CARAJÁS?

Ao jornal Valor Econômico, o secretário de Geologia e Mineração do ministério, Vicente Lôbo, declarou acreditar que na Reserva possa ser desenvolvido “um projeto ímpar no mundo, com uma gigantesca atratividade para ouro”. O diretor­ geral do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), Victor Biccca, declarou que a área “pode ser tão representativa quanto é Carajás para o minério de ferro”.

A medida tem impacto do lobby do setor, conforme declarou ao jornal Marcelo Tunes, diretor de assuntos minerários do Ibram, que reúne mineradoras em operação no país.

– Considero que a portaria é uma vitória do setor mineral. Há muito tempo a gente preconiza é a liberação dessa área.

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

One commentOn Reserva de cobre na Amazônia será leiloada e iniciativa privada poderá extrair ouro

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu