“Marco Temporal levará à extinção de povos indígenas e regularizará grilagem”, diz professor da USP

In De Olho nos Conflitos, De Olho nos Retrocessos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Sem categoria, Últimas

Samuel Barbosa, da Faculdade de Direito, diz que tese coloca em xeque ideia de que povos têm direito a um futuro; “temos um governo agressivo e com lado definido”

O Supremo Tribunal Federal (STF) discute nesta quarta-feira (16/08) a tese do Marco Temporal, que impacta diretamente as terras indígenas. Os ruralistas aproveitam a decisão de 2009, relativa à Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, para defender que só as terras ocupadas exatamente em 1988 – ano da Constituição – podem ser demarcadas. Povos indígenas mobilizam-se pelo país para que os ministros não referendem o retrocesso.

De Olho nos Ruralistas ouviu o professor Samuel Barbosa, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), sobre essa teoria e sobre quais podem ser suas consequências. Ele não economizou palavras: “O Marco Temporal vai levar à extinção de povos e é quase uma anistia de grilagem de terras do passado. Um povo indígena que perdeu a terra no passado e que não estava na terra em 1988 está condenado a desaparecer”. O pesquisador vê uma uma agressividade no governo e no Congresso “poucas vezes vista”.

Confira o vídeo:

Aqui, um resumo da entrevista de Samuel Barbosa ao editor Alceu Luís Castilho:

De Olho – A tese do Marco Temporal é constitucional?

Samuel Barbosa – Se você ler o artigo 231 da Constituição não se fala em Marco Temporal. O que diz a Constituição? Os povos indígenas têm o direito à reprodução física e cultural. Para isso têm direito às terras que tradicionalmente ocupam. Como é definida essa ocupação tradicional? A Constituição diz que vai ser feito um trabalho com peritos, antropólogos, historiadores. Não diz qual a data. Ela garante direitos originários, que são históricos. A fixação dessa data é inconstitucional.

Manifestação na Paulista no dia 09/08.

De Olho – Quais as consequências possíveis?

Samuel Barbosa – Se você aceita a tese do Marco Temporal significa o seguinte: um povo indígena que perdeu a terra no passado e que não estava na terra em 1988 está condenado a desaparecer, porque sem a terra não vai ter a reprodução física e cultural. Vai contra a própria ideia da Constituição, que é garantir o direito dos povos a um futuro. O índio tem direito a um futuro. Não é um resquício do passado, que vai desaparecer, que vai ser assimilado. Não é essa a ideia da Constituição. A tese do Marco Temporal coloca isso em xeque.

De Olho – A sociedade brasileira está ciente desse massacre? O que ela pode fazer?

Samuel Barbosa – Não está plenamente ciente. Por isso a mobilização de todos aqueles que trabalham, militam, estudam a temática é da maior importância, para informar o risco que é o Marco Temporal. Ele vai levar à extinção de povos, é quase uma anistia de grilagem de terras do passado, não é o melhor modo de interpretar a Constituição.

De Olho – O que acontece em Brasília que permite todos esses retrocessos?

Samuel Barbosa – Michel Temer governa com uma base de sustentação no Congresso composta por uma bancada ruralista. Ela tem apresentado uma série de projetos que colocam em risco direitos sagrados da Constituição. O momento em que estamos é o de uma coalizão conservadora muito agressiva. Fizeram uma CPI da Funai e do Incra que condenava o trabalho de antropólogos, de membros do Ministério Público, isso releva uma agressividade poucas vezes vista.

Na Paulista, contra o Marco Temporal. (Fotos: De Olho nos Ruralistas)

De Olho – Com velocidade.

Samuel Barbosa – Sim, muito rápido, não dá tempo de debater, de aprofundar as questões. O Estado, numa democracia, num Estado Democrático de Direito, tem de arbitrar os interesses, fazer respeitar, cumprir a Constituição. O que acontece é que temos um governo com um lado muito definido e muito agressivo, com relação aos direitos da Constituição.

O lado do agronegócio invoca o direito sagrado à propriedade privada.

A Constituição de 1988 não fala em sagrado direito de propriedade, não tem mais essa expressão. Fala em função social da propriedade. Falar em direito sagrado da propriedade, a propriedade individual, ilimitada, absoluta, faz parte de um quadro mental superado pela Constituição de 1988. A propriedade tem função social. Não é só um direito, cria deveres para quem tem propriedade, a propriedade obriga também o proprietário. É esse o marco da Constituição de 1988 que tem de estar no nosso horizonte. Se tivesse, não poderia ter desapropriação. Ela é justamente um limite à propriedade. O reconhecimento da propriedade coletiva tradicional também é um limite. A Constituição diz, literalmente: “Numa área de ocupação tradicional os títulos de propriedade são nulos”.

***
O Supremo Tribunal Federal julga também na quarta-feira uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, movida pelo DEM, contra um decreto de 2003 que regulamenta a demarcação dos quilombos. Segundo o Instituto Socioambiental (ISA), o temor é que a pressão do governo Temer e da bancada ruralista torne o decreto inconstitucional, ou que haja restrição do direito das comunidades à terra.

A Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq) e outras organizações, como o próprio ISA, lançaram uma campanha em defesa do decreto: O Brasil é Quilombola! Nenhum Quilombo a menos!. Os quilombolas também temem que se invoque a tese do Marco Temporal.

You may also read!

IV Tribunal Tiradentes, em SP, julga Congresso Nacional no dia 25; questão agrária será um dos grandes temas

Escritor Fernando Morais será o acusador; Chico Whitaker, o defensor; Antônio Carlos Malheiros, o juiz; coordenador do De Olho

Read More...

Comandante do Exército repete fala dos ruralistas sobre Amazônia

Assim como deputados da Frente Agropecuária, ele diz que "ONGs internacionais" usam ambientalismo e indigenismo para neutralizar a exploração

Read More...

Filme mostra degradação ambiental causada pela monocultura do eucalipto na BA e no ES

"Desertos Verdes" dá voz a indígenas, camponeses e quilombolas; eles são expulsos, ameaçados e veem aviões das grandes empresas

Read More...

2 commentsOn “Marco Temporal levará à extinção de povos indígenas e regularizará grilagem”, diz professor da USP

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu