Seca extrema é provável causa da contaminação no Rio Iriri

In De Olho no Ambiente, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Pesquisadora diz que sobrevoo e investigação por terra não detectaram atividades ligadas ao agronegócio; etnias sofrem com fome ou comem peixes contaminados

A contaminação que já matou milhares de peixes no Rio Iriri, no Pará e no Mato Grosso, está provavelmente relacionada à seca extrema e à proliferação de microrganismos, de acordo com laudo preliminar elaborado pela professora doutora Solange Aparecida Arrolho da Silva, responsável por coordenar o Laboratório de Ictiofauna da Amazônia Meridional, na Universidade de Mato Grosso (Unemat). O problema tem prejudicado cerca de 1.200 indígenas Kayapó e outros 540 índios Paraná.

Peixes mortos em Guarantã do Norte, no Mato Grosso. (Foto: Divulgação)

“Tanto em sobrevoo como por terra não foram detectadas atividades ligadas ao agronegócio que pudessem ser responsáveis pela contaminação das águas do Rio Iriri e afluentes”, disse ela ao De Olho nos Ruralistas. “Ao contrário, as regiões que banham a área afetada são bastante íntegras, com poucas formações de pastagens. A causa provável são situações ambientais decorrentes de extrema seca e crescimento de microrganismos”.

As informações constam do relatório preliminar que traz os resultados de duas visitas técnicas realizadas no local afetado pela equipe da Unemat, em parceria com Ibama, Funai e Secretaria da Saúde Indígena (Sesai). Os indígenas da região dependem do Rio Iriri para obter alimentos e água, mas, por causa da contaminação, estão impossibilitados de exercer suas atividades básicas de subsistência. Para suprir a fome que assola as aldeias, a Funai encaminhou 150 cestas básicas e a Sesai ficou responsável pelo abastecimento de água para os indígenas.

(Foto: Mario Vilela/Funai)

A partir desta semana a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) deve doar 90 toneladas de frutas, hortaliças, verduras e ovos para suprir as necessidades de 751 índios que estão em situação grave de insegurança alimentar, atendimento emergencial solicitado pelo Distrito Sanitário Especial Indígena Kayapó de Mato Grosso. Os alimentos encaminhados foram adquiridos por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Técnicos da Funai monitoram a área. Há um temor de que a contaminação alcance a região do Médio Xingu, onde vivem etnias como Arara e Xipaia. Com cerca de 900 quilômetros de extensão, o Rio Iriri deságua no Xingu. Principal curso d’água de Altamira, no Pará, o Iriri também atravessa áreas habitadas por índios isolados. (Fábio Vendrame)

You may also read!

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.