MPF pede nova investigação de chacina de índios isolados na Terra Indígena Vale do Javari

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

De Olho nos Ruralistas revelou essa história em julho; povo Kanamari denunciou massacre que teria ocorrido em fevereiro, na TI Vale do Javari, no Amazonas

O Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM) pediu nova investigação sobre a possível chacina de pelo menos nove indígenas que vivem isolados na Terra Indígena Vale do Javari, no Amazonas. É uma resposta à denúncia de indígenas da etnia Kanamari, que aponta o massacre de 9 a 18 membros da etnia Warikama Djapar. A comunidade afirma que o massacre ocorreu em fevereiro, na porção sul da TI e teria sido articulado por um fazendeiro conhecido na região como Louro.

(Fotos: Funai)

A notícia da investigação foi dada pelo Amazônia Real. O site afirma que o caso já era investigado pela delegacia da Polícia Federal de Cruzeiro do Sul (AC). Ao portal, o delegado Fabrício Santos da Silva disse que já há um procedimento aberto, solicitado pelo MPF do município de Tabatinga e pela Coordenação Técnica Local da Fundação Nacional do Índio (Funai) no município de Eirunepé, na divisa com o Acre.

Segundo o portal, o despacho com a solicitação de uma nova investigação foi enviado à Polícia Federal na terça-feira (29). O MPF pede que a apuração seja conduzida pela unidade da PF de Manaus.

POVO KANAMARI DENUNCIA FAZENDEIRO

De Olho nos Ruralistas revelou essa história em julho: “Índios Kanamari apontam massacre na segunda maior Terra Indígena do Brasil“. Um dos líderes das aldeias inseridas na TI, Adelson Kanamari, relatou o ocorrido:

– Pegando a parte já quase oeste da TI, também tem entrada de fazendeiro, pela parte do município de Eirunepé. A fazenda, a caçada, a entrada de madeira, já passou da linha de demarcação da Terra Indígena. A gente tem informação que os índios isolados, Warikama Djapar (localizados na cabeça do rio Jutaí, São José e Juruazinho), que na nossa língua nós chamamos de índios capivara, estão sempre nessa área, na cabeça de um igarapé do Rio Jutaí. A fazenda está chegando dentro da Terra Indígena e a gente sabe que os parentes neste ano foram atacados por essas pessoas, segundo os Kanamari que habitam lá.

O proprietário conhecido na região como Louro ameaça as comunidades indígenas há algum tempo, segundo Adelson. Além de invadir a TI com a propriedade, ele entra para extrair madeira, caçar e pescar. O local onde a chacina teria ocorrido fica próximo de Eirunepé. O indígena conta que foi um dos colegas do proprietário que relatou o massacre. A Funai está à procura da pessoa, que teria fugido da região.

PF INVESTIGA EXTINÇÃO DE CARGOS NA FUNAI

Ainda de acordo com o Amazônia Real, há investigações na região do Rio Jandiatuba, afluente do rio Solimões, onde a base da Funai está desativada por falta de recursos. A Funai declarou ao site que a área do Jandiatuba também tem registro de outro grupo de índios isolados, ameaçado pelo garimpo ilegal.

Outros dois procedimentos, conforme o portal, já haviam sido instaurados pelo MPF. Um deles para investigar o agravamento da situação de vulnerabilidade dos povos indígenas em razão de extinção de cargos da Funai. O outro acompanha medidas de assistência ao povos de recente contato, como os Tyohom Djapar, que vivem com os Kanamari da aldeia Jarinal, também na Terra Indígena Vale do Javari.

A TI Vale do Javari tem 8,5 milhões de hectares – quase o tamanho de Portugal – e abrange, segundo lideranças Kanamari, cerca de cinco etnias: Kanamari, Kulina, Matis, Marubo e Mayuruna. Esses povos estão distribuídos no território pelo estado do Amazonas, na fronteira com o Acre, com o Peru e a Colômbia.  A segunda maior Terra Indígena do Brasil detém, segundo pesquisadores, a maior concentração de índios isolados do mundo. (Izabela Sanchez)

You may also read!

Comunidades kalungas vizinhas a Vão de Almas recusaram projeto de Alex Atala para baunilha do Cerrado

Grupo se sente à parte das decisões tomadas e não vê vantagem na exploração da baunilha; para os quilombolas,

Read More...

Alex Atala registra marcas da baunilha do Cerrado, alimento tradicional dos quilombolas

Instituto criado pelo chef paulista transforma a especiaria em marcas exclusivas e obtém financiamento de R$ 424 mil para

Read More...

Território de comunidades geraizeiras em Minas é invadido por transmissora de energia

Empresa pertencente à gestora canadense Brookfield instalou torres de transmissão à revelia dos camponeses e quilombolas que vivem na

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.