Temer vai liberar arrendamento de terras indígenas para agropecuária, dizem portais

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, De Olho nos Retrocessos, Em destaque, Governo Temer, Políticas Públicas, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Segundo o Canal Rural, vários deputados confirmam acordo feito pelo presidente com a bancada ruralista; Greenpeace define o projeto como uma “aberração ” inconstitucional

O presidente Michel Temer prometeu a deputados da bancada ruralista que, até segunda-feira, permitirá – por meio de Medida Provisória – o arrendamento de terras indígenas para a agricultura e a pecuária. A informação foi divulgada nesta terça-feira (03/10) pelo Canal Rural, que veiculou a seguinte notícia: “Temer vai permitir arrendamento de terras indígenas para produção agrícola“. O Estadão confirmou a informação, sem citar o Canal Rural.

Clique aqui e receba o boletim De Olho nos Retrocessos

O ministro da Justiça, Arnaldo Jardim,  também esteve presente. Um dos deputados que participaram da reunião, Luis Carlos Heinze (PP-RS), disse ao portal que a prática é comum em vários estados – e que, somente no Rio Grande do Sul, há exploração de 40 mil hectares em terras indígenas. Ele e o deputado Valdir Colatto (PMDB-SC) reuniram-se antes com o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Franklimberg Ribeiro de Freitas, para discutir o mesmo tema.

O Greenpeace reagiu definindo a exploração em terras indígenas como ilegal. Segundo a organização, Temer tem ultrapassado – para se manter no poder – “todos os limites morais, éticos e até constitucionais”.  “É uma aberração ver o próprio Presidente da República tramar com parlamentares contra a Constituição Brasileira”, afirmou Márcio Astrini, coordenador de Políticas Públicas. “Neste momento, os direitos conquistados pela sociedade estão sendo negociados num enorme balcão de negócios, na tentativa de salvar o mandato de Temer”.

Foto principal: Renato Soares (Terra Indígena do Xingu)

You may also read!

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no

Read More...

Christiane, Aida, Marcia, Maria, Adelia: cinco histórias de Margaridas

Mulheres de todas as idades, do campo e da cidade, levaram para Brasília diferentes pautas para o encontro de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.