Com 70 assassinatos em 2017, conflitos no campo voltam aos patamares de 14 anos atrás

In De Olho nos Conflitos, De Olho nos Retrocessos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Quilombolas, Sem-Terra, Últimas

Ataques hackers contra CPT atrasaram relatório; aumento de 15% em relação ao ano anterior e novos massacres confirmam escalada da violência, que dobrou em quatro anos

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) divulgou nesta segunda-feira (16) os dados completos do relatório anual “Conflitos no Campo Brasil”, referente aos assassinatos ocorridos em 2017. Com 70 mortes, o número é o maior desde 2003. Feita anualmente pela CPT, a publicação dos dados atrasou por causa de ataques hackers que o site da entidade vem sofrendo.

A escalda da violência continua aumentando desde 2013. Houve um aumento de 15% nos mortos em relação a 2016. A publicação destaca quatro massacres ocorridos nos estados da Bahia, Mato Grosso, Pará e Rondônia e ressalva a suspeita de massacre contra os indígenas isolados conhecidos como “índios flecheiros”, do Vale do Javari, no Amazonas, entre julho e agosto do ano passado. Este último teria tido mais de 10 vítimas. Mas como não houve um consenso entre o Ministério Público Federal no Amazonas e a Fundação Nacional do Índio (Funai), o caso não foi inserido no levantamento.

A publicação constatou que os assassinatos de trabalhadores rurais sem-terra, de indígenas, quilombolas, posseiros, pescadores, assentados, entre outros, teve um aumento brusco nos últimos dois anos. O estado do Pará continua a liderar o ranking dos estados onde mais se matam por conflitos de terra, com 21 assassinatos. Foi lá que aconteceu para o massacre de Pau D’Arco, com 10 mortes. Em seguida vêm Rondônia, com 17 assassinatos, e Bahia, com 10.

O número de massacres também aumentou. Dos 70 assassinatos em 2017, 40% correspondem a massacres. Ou seja, 28 mortes. No ano passado, a CPT lançou uma página especial na internet (https://cptnacional.org.br/mnc/index.php) para acompanhar os massacres registrados entre 1985 e 2017. No total, foram 46 massacres com 220 vítimas ao longo desses 32 anos. No site é possível ver o histórico e consultar as imagens de cada caso. O Pará lidera o ranking com 26 massacres, que vitimaram 125 pessoas.

O Norte é a região com mais assassinatos, registrando 658 casos e 970 vítimas. O Pará lidera com 466 casos e 702 vítimas. O Maranhão vem em segundo lugar, com 168 vítimas em 157 casos. Em seguida vem Rondônia, com 147 assassinatos em 102 casos. Todos os dados podem ser visto nesta tabela.

A impunidade é um dos motivos mais delicados e motivadores da violência no campo. Entre 1985 e 2017 a CPT registrou 1.904 assassinatos. Deste total, apenas 8% (113) foram julgados, onde 31 mandantes dos assassinatos e 94 executores foram condenados.

ATAQUES NO CAMPO E NA INTERNET

Em 2017, ataques hackers atrapalharam o trabalho da Secretaria Nacional da CPT, em Goiânia (GO). Os ataques, segundo a entidade, foram direcionados a setores estratégicos dos servidores que armazenavam os dados, comprometendo o desempenho na apuração do relatório. Para a CPT esses ataques fazem parte de um “processo de criminalização empreendido contra organizações e movimentos sociais de luta”. Os ataques foram denunciados às instâncias policias competentes. (Cauê Seignemartin Ameni)

You may also read!

Conflitos por terra: áreas em disputa no Brasil superam o tamanho da Alemanha

CPT aponta violência em regiões que somam mais de 37 milhões de hectares, mais da metade em terras indígenas;

Read More...

Novo defensor dos agrotóxicos, Nizan Guanaes tem casa de campo com horta orgânica

Publicitário contratado para melhorar imagem do agronegócio vendeu touros e promoveu o Canal Rural; ele tem imóvel na Fazenda

Read More...

Imobiliária põe Ilha das Couves à venda por R$ 31 milhões e será notificada pela União

Informada pelo De Olho nos Ruralistas sobre o anúncio, SPU diz que comercialização de ilhas é proibida pela Constituição;

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu