Trabalho escravo: estadunidense pagava R$ 230 para cortadores de eucalipto na Bahia

In De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Relações de trabalho, Últimas

Cinco trabalhadores foram resgatados no dia 16 em fazenda no município de Angical; ex-capitão do Exército dos EUA, Andrew Christopher Vallas diz ter 27 mil hectares no Brasil

Por Alceu Luís Castilho

Salário: R$ 230. Sem carteira de trabalho. Alojamento sem água, sem banheiro, sem energia elétrica. A situação flagrada no oeste da Bahia pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, no dia 16, tem um sobrenome estrangeiro envolvido (ainda que não divulgado pela operação): o de Andrew Christopher Vallas, um estadunidense que tentou a naturalização, em 2015, mas não foi localizado pela justiça brasileira.

Ele é o dono da Agropecuária Vallas, fornecedora de madeira para padarias e frigoríficos da região. Cinco cortadores de eucalipto foram resgatados no município de Angical. Eles usavam a mata como banheiro. Não possuíam equipamentos de proteção, informa o G1, embora utilizassem motosserras. Comiam carne conservada no sal.

O Ministério Público do Trabalho solicita R$ 700 mil de indenização e pede a desapropriação da terra.

Em site sobre uma de suas empresas, a soteropolitana PitaPit, Vallas diz possuir ou controlar 70 mil acres (28.328 hectares) no Brasil. Ex-capitão do Exército dos Estados Unidos, ele é casado com a brasileira Adeilma Almeida Vallas, filiada ao PRP em Campina Grande (PB).

REDE DOS EUA NO OESTE BAIANO

A cozinha dos trabalhadores resgatados. ((Fotos: Divulgação/SRTE)

Eles possuem a Agropecuária Vallas Ltda, onde foi flagrado o trabalho escravo em Angical, a Agropecuária Reflorestamento de Barreiras, nome empresarial da Fazenda Vallas 2, na vizinha Barreiras, e a PitaPit, que comercializa alimentos em Salvador. Também faz parte da sociedade em Barreiras a empresa Terra 22 LLC, de Silverton, no Colorado (EUA).

Sem a mulher, Vallas ainda é sócio de quatro empresas no Brasil. São duas serrarias em Angical (a Agropecuaria Terra E Floresta Do Brasil Ltda e a Agropecuária Beuaclair Ltda) e duas empresas de fabricação de biocombustível, também em Angical, a Agropecuária Log Ltda e a Verdant Indústria de Bio Combustível Ltda. Esta última tem como sócia a Verdant Energy Solutions Inc, dos Estados Unidos.

A Agropecuária Beuclair tem como sócio outro conterrâneo de Vallas, Shaun Basey Beauclair. A Agropecuária Terra e Floresta, por sua vez, possui entre os sócios a Brazilian Land & Forests Llc – por sua vez, sócia de outro estadunidense, David John Weihs, também sócio da serraria  e proprietário de diversas empresas e fazendas no oeste baiano.

You may also read!

Comunidades kalungas vizinhas a Vão de Almas recusaram projeto de Alex Atala para baunilha do Cerrado

Grupo se sente à parte das decisões tomadas e não vê vantagem na exploração da baunilha; para os quilombolas,

Read More...

Alex Atala registra marcas da baunilha do Cerrado, alimento tradicional dos quilombolas

Instituto criado pelo chef paulista transforma a especiaria em marcas exclusivas e obtém financiamento de R$ 424 mil para

Read More...

Território de comunidades geraizeiras em Minas é invadido por transmissora de energia

Empresa pertencente à gestora canadense Brookfield instalou torres de transmissão à revelia dos camponeses e quilombolas que vivem na

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.