Empresas que comercializam agrotóxico dizem educar para a aplicação correta

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Últimas

Embora substância esteja presente no Agente Laranja, grupo Iniciativa 2,4-D afirma que era outra molécula a responsável pela queda de folhas na Guerra do Vietnã

Em resposta à notícia “Composto do Agente Laranja começa a contaminar o Mato Grosso”, a Iniciativa 2,4-D, um grupo formado por representantes das empresas Nufarm, Albaugh e Corteva Agriscience™, divisão agrícola da DowDuPont, enviou à redação uma resposta, informando que o uso do 2,4-D não é proibido no Brasil e que possui registro federal há mais de 70 anos, além de cadastro em todos os estados da União de acordo com as legislações específicas.

O grupo questiona também a associação do produto à utilização como desfolhante na Guerra do Vietnã. Não nega que o 2,4-D estava presente no Agente Laranja, mas juntamente com outra molécula, o 2,4,5-T, componente apontado por pesquisadores estadunidenses como “de maior preocupação, em função de sua possível contaminação por dioxina”, o que levou, há mais de trinta anos, à proibição da substância.

Por fim, o Iniciativa 2,4-D lembra que seu propósito é gerar informação técnica sobre o uso correto e seguro de defensivos agrícolas.

Leia abaixo a íntegra da nota:

“A Iniciativa 2,4-D, plataforma voltada para orientar sobre o uso correto da molécula em questão e, com base em estudos científicos, tem profundo respeito pelo conteúdo e discussões propostas por este importante espaço de debates, que trata com grande propriedade dos diversos temas ligados ao meio ambiente em especial.

Por esse motivo, nos preocupamos ao ver a matéria ‘Composto do Agente Laranja começa a contaminar o Mato Grosso’, veiculada nesta semana. Há no texto informações equivocadas sobre o histórico de uso da molécula.

Uma das principais discussões sobre o 2,4-D é sobre a associação do produto na utilização como desfolhante na Guerra do Vietnã. Segundo posicionamento do USDA, Departamento de Agricultura dos EUA, o 2,4-D estava presente no Agente Laranja, porém juntamente com outra molécula, o 2,4,5-T.

Pesquisadores concluíram que o 2,4,5-T foi o componente de maior preocupação, em função de sua possível contaminação por dioxina. Como resultado, a comercialização (produção e registro) do 2,4,5-T foi descontinuada há quase 30 anos, enquanto o 2,4-D continua a ser um dos herbicidas mais confiáveis e utilizados em todo o mundo.

O uso do 2,4-D não é proibido no Brasil. Esta molécula possui registro federal em nosso país há mais de 70 anos, bem como cadastro em todos os Estados da União de acordo com a legislação específica de cada um. A utilização de 2,4-D é recomendada para a cultura da soja pelas Comissões Oficiais de Pesquisa de Soja das Regiões Sul, Central e de áreas de Cerrados. Além da soja, é bastante utilizado em culturas de milho, trigo, arroz, café e cana-de-açúcar.

É importante esclarecer que a aplicação do herbicida é segura para a saúde humana quando feita adequadamente, de acordo com rótulo e bula. A molécula possui registro em quase 100 países, com mais de 40 mil estudos desenvolvidos, e é mundialmente reconhecida como uma ferramenta básica na agricultura moderna, apresentando um dos melhores perfis toxicológicos disponíveis no mercado e uma solução insubstituível na operação de pré-plantio ou dessecação das plantas daninhas.

Esperando e conhecendo a responsabilidade social deste canal, deixamos aqui nosso pleito para que esta informação seja corrigida e, caso haja novas publicações sobre o tema, estamos à disposição para esclarecimentos com o devido embasamento técnico e científico para o caso”.

You may also read!

Metodologia defasada permitiu que área do tamanho do Panamá fosse desmatada entre a Amazônia e o Cerrado

Com distorções que chegam a 245%, "linha divisória" adotada pelo IBGE fez o Cerradão, região de florestas, ser enquadrado

Read More...

Veja como Marielle Franco esteve presente nas mobilizações de camponesas pelo país

Imagem da vereadora carioca foi lembrada em atos realizados por camponesas em pelo menos cinco estados; homenagens foram feitas

Read More...

Contra o racismo e pela agroecologia: confira como foi a marcha das mulheres camponesas na Paraíba

Em sua décima edição, Marcha pela Vida das Mulheres e pela Agroecologia reuniu 6 mil pessoas e celebrou legado

Read More...