Boulos quer aumentar arrecadação de imposto rural e desapropriar terras griladas

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Programa de governo do PSOL prevê salto de 0,6% para 1% do PIB na taxação de propriedades rurais; chapa com Sonia Guajajara defende indenização a índios por demora em demarcações

Por Leonardo Fuhrmann

Além de acelerar os processos de demarcação e titulação de terras indígenas e quilombolas, o presidenciável Guilherme Boulos (PSOL) defende o pagamento de indenização aos povos indígenas em razão da demora na conclusão do processo. O tema foi um dos destaques de debate realizado na TV Gazeta, em São Paulo, quando o candidato interagiu com Marina Silva (Rede) em relação a essa proposta.

Ele, do MTST; ela, movimento indígena. (Ilustração: Baptistão)

Os ocupantes das terras também serão indenizados, mas apenas se for comprovada a boa fé deles. O plano de governo da chapa defende a desintrusão – a retirada de invasores não indígenas – e a proteção desses territórios, além do fim da interferência política na Fundação Nacional do Índio (Funai). No caso do governo Temer, a influência atual é do PSC: “Líder do governo Temer, deputado sergipano André Moura (PSC) lidera indicações na Funai“.

A líder indígena Sonia Guajajara é a candidata da chapa à Vice-Presidência – algo inédito na história da República. No programa de governo, o PSOL inclui a autonomia e autodeterminação dos povos tradicionais, com o respeito à forma de propriedade de mais de 300 povos diferentes e apoio à produção cultural territorial. A proposta também muda a composição do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público para garantir a participação popular, de forma a incluir negros e indígenas entre os representantes.

TRAGÉDIAS AMBIENTAIS E REFORMA AGRÁRIA

No aspecto econômico, Boulos pretende aumentar a arrecadação de impostos sobre a propriedade rural de 0,6% do PIB para 1%, federalizar imposto sobre herança e fortalecer a fiscalização e a cobrança de impostos sobre propriedade rural. O candidato se tornou conhecido pela militância à frente do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST).

O plano de governo inclui também a reforma agrária, popular e agroecológica. As terras serão obtidas com a desapropriação de terras griladas por empresas e grandes fazendeiros. Tanto aquelas pertencentes a responsáveis por tragédias sociais e ambientais como as que não cumprem função social.

O candidato quer estimular a agricultura familiar e a educação no campo, e os planos de cooperação agrícola, para melhorar a comercialização de produtos agrícolas. O PSOL defende o fomento à permanência do trabalhador rural no campo, com crédito para a produção familiar.

O programa também fala em erradicar o trabalho análogo à situação de escravidão, com rastreamento da cadeia produtiva. As empresas envolvidas também terão proibidos benefícios de crédito e tributários, além da contratação pública. O tema é um dos mais caros à bancada ruralista, que quer impedir punições efetivas aos fazendeiros.

Para melhorar o meio ambiente e a alimentação, Boulos propõe a revogação de medidas tomadas pelo governo Temer. Entre elas a facilitação da comercialização de agrotóxicos (como se propõe no PL do Veneno, em debate no Congresso).

A chapa prega ainda a luta contra a proliferação de sementes transgênicas – aprovadas durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva – e pela superação do uso de combustíveis fósseis. Boulos defende ainda o desmatamento zero, manejo e restauração de florestas nativas e a proteção das águas e dos direitos da natureza.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...