Marina alterna defesa de comida saudável com acenos ao agronegócio

In De Olho na Política, De Olho no Ambiente, Em destaque, Principal, Últimas

Candidata da Rede quer ampliar o seguro rural e, para o escoamento da produção, acena com o estímulo ao investimento privado em infraestrutura; ela fala também em estimular alimentação vegetariana

Por Leonardo Fuhrmann

A presidenciável Marina Silva (Rede) defende o estímulo ao investimento privado em infraestrutura para o escoamento da produção, além da ampliação do seguro rural. São os acenos mais claros da candidata ao mercado e ao agronegócio em seu programa de governo. É a terceira vez consecutiva que ela concorre ao cargo. Seu vice é outro ex-petista, o ex-deputado Eduardo Jorge (PV), presidenciável de seu partido em 2014.

O programa de Marina é um dos poucos a tratar da qualidade da comida. Ela defende o estímulo à alimentação saudável e pacífica, inclusive a vegetariana. Propõe a criação de política de bem-estar animal, consolidação de uma matriz energética sustentável e a valoração econômica da preservação de recursos naturais.

Dobradinha eleitoral com Chico Mendes. (Imagem: Reprodução)

De Olho nos Ruralistas tem publicado reportagens sobre os programas de governo dos candidatos à Presidência da República. A série também traz referências ao histórico dos presidenciáveis em relação à questão agrária – seja do lado dos povos do campo, seja do lado do agronegócio.

No caso de Marina, sua origem é a de seringueira, no Acre. Ela chegou a ser candidata a deputada federal, nos anos 80, em dobradinha com o líder sindical Chico Mendes, assassinado em dezembro de 1988. Ambos eram filiados ao PT. A candidata foi ministra do Meio Ambiente durante cinco anos dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva.

CANDIDATA DEFENDE POVOS TRADICIONAIS

A candidata quer uma reforma no Imposto Territorial Rural para desestimular a atuação patrimonialista, dar prioridade à regularização fundiária e o ordenamento territorial para garantir segurança jurídica para produtores familiares, assentados, setor empresarial e comunidades tradicionais.

Defende também a abertura de mercado para a agricultura familiar por meio do Programa de Aquisição de Alimentos e o apoio à criação de núcleos de agroecologia. Fala em estimular a agricultura alimentar e familiar e o Zoneamento Ecológico Econômico, com implementação do Cadastro Ambiental Rural, regularização do Programa de Regularização Ambiental e da Cota de Reserva Ambiental, além do fomento à pesquisa.

Com quem serão as conexões em um governo da Rede? (Foto: Divulgação)

A questão dos povos tradicionais tem destaque no programa de Marina. Além de citar indígenas e quilombolas, a proposta quer garantir direitos de ciganos, faxinalenses, pomeranos, caiçaras, pescadores, extrativistas, quebradeiras de coco babaçu, ribeirinhos, entre outros.

A ideia é fomentar as atividades econômicas desses povos, garantir programas educacionais diferenciados e demarcar terras indígenas, titular áreas de quilombolas e criar Unidades de Conservação e Uso Sustentável. Os povos tradicionais também teriam direito, segundo a proposta dela, à consulta prévia para licenciamento ambiental de obras que os afetem.

You may also read!

Novo chefe do Serviço Florestal, Colatto adquiriu terras públicas em Rondônia durante a ditadura

Incra tentou reaver a fazenda em Vilhena ao constatar que as terras são improdutivas; imóvel foi ocupado por posseiros,

Read More...

Baru, pequi, jatobá: saiba como a Central do Cerrado escoa frutos colhidos por camponeses

Administrada por agroextrativistas, união entre cooperativas beneficia 8 mil famílias por meio da comercialização de produtos nativos do bioma;

Read More...

ONG ligada à ministra Damares levou malária a indígenas isolados

Roteiro de missionários incluiu construção de pistas de pouso clandestinas, contrabando de sementes e viagens sem autorização em busca

Read More...

Mobile Sliding Menu