Artífice do apoio ruralista a Bolsonaro, deputada do MS legisla em prol dos seus financiadores

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Tereza Cristina preside Frente Parlamentar da Agropecuária, que anunciou adesão ao candidato nesta terça; ela recebeu doações dos grandes do agronegócio, mas passa por litígio com a JBS

Por Luís Indriunas

Atual presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), candidata à reeleição, tem se destacado por defender os mais diversos interesses dos grandes do agronegócio, como o PL do Veneno (que flexibiliza a compra e liberação de agrotóxicos), e atacar políticas em prol dos povos tradicionais e pequenos produtores. Ela vem se consolidando como líder ruralista de expressão nacional.

Tereza oficializa apoio suprapartidário. (Foto: FPA)

Uma de suas última cartadas, em agosto, foi pedir para o ministro da Justiça, Torquato Jardim, a suspensão da Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, programa que tenta resolver as pendências sobre as demarcações de terras de povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos e outras comunidades rurais, lançado em 2007.

A última cartada teve desfecho nesta terça-feira (02). A frente que ela preside anunciou o apoio à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República. O deputado adota um discurso violento contra ocupações e diz que não demarcará “nem mais um centímetro” de terras indígenas e quilombolas. Segundo o Estadão, Tereza ligou na semana passada para cada membro da bancada, para definir a adesão. Tereza Cristina entregou a Bolsonaro uma carta de compromissos.

SETOR DE AGROTÓXICOS FINANCIA CAMPANHA

A parlamentar trabalha em conjunto com outros políticos ligados ao agronegócio contra as populações indígenas, participando ativamente de eventos como o “leilão da resistência”, realizado em 2013, quando foram arrecadados fundos para financiar a resistência contra as demandas indígenas. O objetivo inicial era arrecadar dinheiro para a compra de armas, mas a Justiça vetou esse intento.

Tereza Cristina com Luiz Nishimori, o relator da PL do Veneno. (Foto: Facebook)

Os interesses pelo agronegócio têm duas razões bem claras. A primeira é pessoal. Ela é proprietária de 5.600 hectares de terras nos municípios de Terenos e Corumbá, no Mato Grosso do Sul. Outra é eleitoral. Em 2014, entre grandes empresas e pessoas físicas ligadas ao agronegócio, a deputada recebeu R$ 2,9 milhões dos R$ 4,3 milhões que custearam sua campanha, a mais cara entre os deputados federais sul-mato-grossenses eleitos naquele ano.

Uma das doadoras foi a Coplana, empresa que comercializa agrotóxicos e, por isso, muito interessada na aprovação da PL do Veneno. Em 2014, ela doou R$ 35 mil. Em 2018, não são mais permitidas doações por empresas. Mas um membro do conselho consultivo da Coplana, Ismael Perina Júnior, já doou R$ 15 mil.

Em 2014, a grande doadora foi a Iaco Agrícola, com R$ 1 milhão. Uma gigante do setor que produz cana, tem gado e eucalipto. Suas atividades são em Chapadão do Sul, no norte do estado. Antes de ser deputada, Tereza Cristina foi secretária de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo do Mato Grosso do Sul, entre 2007 e 2014, durante o governo Puccinelli. Em 2009, a empresa inaugurava sua primeira planta.

EMPRESA DE SOROS DOOU R$ 600 MIL EM 2014

Outra grande doadora da Tereza Cristina em 2014 foi a Adecoagro, do megainvestidor George Soros, que investiu R$ 600 mil na campanha da deputada. A empresa tem um leque grande de atividades, principalmente cana, com usinas em Ivinhema e Angélica. A liberação da venda de terras para estrangeiros é um dos assuntos pendentes no Congresso. Como secretária de Estado do Desenvolvimento Agrário, ela incentivou a ida da empresa para o Mato Grosso do Sul.

Empresa de Soros e Tereza: apoio mútuo. (Foto: Divulgação)

Na mesma região, em Nova Alvorada do Sul, está a Agro Energia Santa Luzia, do grupo Odebrecht, que, há quatro anos, doou R$ 165 mil para a deputada. Empresa cara à secretária e ao seu governo, já que recebeu R$ 53 milhões no estado em incentivos no período em que o governo era comandado por André Puccinelli, hoje preso por comandar um esquema de propinas de R$ 230 milhões.

A Agropecuária Maragogipe doou R$ 15 mil naquela ocasião. Com sede no Rio Grande do Sul, a empresa tem braços em Itacaraí e Iguatemi. O dono da empresa, Wilson Brochman, foi investigado pela Polícia Federal na Operação Ouro Verde. Segundo a denúncia, seu irmão Nelson usava uma empresa de fachada para “evasão de divisas para inúmeros “clientes” por meio de transações denominadas “dólar-cabo”.

Entre os doadores individuais aparece Renato Eugenio Rezende Barbosa, proprietário da Cosan, que doou R$ 55 mil para a deputada. Não é à toa que Barbosa, proprietário de terras no Paraguai, apoia a deputada. Tereza sempre foi uma grande defensora das usinas de cana no estado, como deixou claro ema uma entrevista de 2010: “O Mato Grosso do Sul é o melhor lugar para produzir etanol. Temos terra com valor competitivo, solo apropriado e localização próxima aos centros consumidores”.

Entre os doadores indiretos está o grupo JBS, de quem ela recebeu R$ 133 mil, por meio do diretório estadual e da campanha do então candidato ao governo do estado, Nelson Trad (MDB), hoje candidato ao Senado. A ligação entre a JBS e Tereza, em meio às costuras políticas, tem uma face econômica, mas está abalada e provocando uma briga judicial.

JBS PROCESSA DEPUTADA POR CALOTE

Tereza Cristina foi procuradora da sua mãe em negócio com a JBS. (Foto: Facebook)

Entre as propriedades da deputada está a Fazenda Santa Cristina, em Terenos. A propriedade foi hipotecada pela JBS em 2009, quando Tereza Cristina era secretária estadual e procuradora de sua mãe, Maria Manoelita Alves de Lima Corrêa, falecida em 2010.

O arrendamento foi feito em nome da mãe da deputada. Ele previa o confinamento e criação de bois para a JBS.  Tal negócio renderia quase R$ 1 milhão de faturamento para a pecuarista. No entanto, conforme processo que corre na Justiça sul-mato-grossense, Tereza Cristina deixou de entregar 6.246 arrobas de boi gordo.

Dessa forma, os irmãos Wesley e Joesley Batista decidiram romper o contrato e reivindicar seus direitos. Por isso, a fazenda da família da deputada está ameaçada. A Justiça determinou o leilão extrajudicial do imóvel.

DE OLHO PREPARA ESPECIAL SOBRE O MS

Nas próximas semanas, o De Olho nos Ruralistas iniciará uma série especial sobre o Mato Grosso do Sul. Serão detalhadas as relações de autoridades e empresários com os povos indígenas. Por meio de vídeos e reportagens, será relatado como vivem as populações originárias no estado, vítimas da violência e de pressão constante do agronegócio.

You may also read!

Temer cumpre acordo com a FPA e prorroga prazo de adesão ao Refis do Funrural

Transformada em lei, medida provisória adia o prazo de adesão no Programa de Regularização Tributária Rural para 31 de

Read More...

Justiça suspende processo de demarcação no Paraná um dia após atentado contra indígena

Decisão de desembargador paralisa por 90 dias a demarcação de terras Avá-Guarani, em Terra Roxa e Guaíra, palco de

Read More...

Observatório lança, em Dourados, site De Olho no Mato Grosso do Sul

Projeto traz mapa com propriedades de terras por políticos, município a município; De Olho nos Ruralistas faz um raio

Read More...

Mobile Sliding Menu