Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e outras doenças; perfil dos afetados coincide com o dos trabalhadores do agronegócio

Por Nanci Pittelkow

Trabalhadores rurais são expostos aos agrotóxicos. (Foto: NewsBA)

Um grupo de sete pesquisadores da Universidade de Rio Verde, em Goiás, analisou dados do Ministério da Saúde entre 2012 e 2022 e localizou 2.938 notificações de intoxicação por agrotóxicos. A média anual é de 267,09 casos, com taxa de letalidade de 1,46%. Ou seja, 33 óbitos no período, pelo menos três mortes ao ano.

Entre as intoxicações que aconteceram de forma crônica houve risco do desenvolvimento de neoplasias (tumores benignos ou malignos), “visto que a exposição a esses agentes de forma constante acaba gerando alterações no DNA”. Foram doze notificações desse tipo.

A intoxicação por agrotóxicos também está relacionada a tentativas de suicídio, somando 741 casos, ou 25,22%, alguns levando a óbito. Dos casos notificados, 2.444 estão relacionados a intoxicações de forma aguda única e 236 aconteceram de forma repetida. Do total, 43 apresentaram sequelas.

As intoxicações agudas provocam geralmente fraqueza, cólica abdominal, cefaleia, vertigem, vômito, convulsão, insuficiência respiratória. As crônicas, que se manifestam após longos anos de exposição, causam alterações celulares patológicas como arritmias cardíacas, lesões renais, pneumáticas, alergias, neurotoxicidade, neoplasias, lesões hepáticas, dermatites de contato.

CHUVA DE VENENO EM ESCOLA ATINGIU CENTENA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Documentário mostra crianças que sofrem com sequelas pela chuva de veneno. (Foto: Reprodução)

Os dados mostram que Goiás é o sétimo estado com maior número de casos de intoxicação por agrotóxico, atrás de Pernambuco, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. O levantamento foi feito por meio do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), e podem não incluir todas as ocorrências.

No sudoeste de Goiás, onde fica Rio Verde, foram registrados 681 casos, seguidos do entorno de Brasília (519) e a região de Goiânia (333).

O estado registra um dos casos mais conhecidos de intoxicação por agrotóxicos, quando, em 3 de maio de 2013, um avião de pulverização despejou o pesticida Engeo Pleno sobre a Escola Municipal Rural São José do Pontal, no Projeto de Assentamento Pontal dos Buritis, no município de Rio Verde. Foram atingidas 122 pessoas, principalmente crianças e adolescentes. Muitas ficaram com sequelas. O documentário “Brincando na Chuva de Veneno: Cinco anos depois“, de 2018, mostra histórias como a do assentado Wagner Mendes Vieira, cujo filho passou a ter ataques epiléticos e desmaios frequentes após o ataque.

Em 7 de maio de 2021, 47 pessoas intoxicadas precisaram ser atendidas depois de uma pulverização de agrotóxicos em Bela Vista de Goiás. A região, antes ligada a pequenos produtores e agricultura camponesa, assiste ao avanço da soja.

METADE DOS CASOS TEM RELAÇÃO DIRETA COM O AGRONEGÓCIO

Mais de 2 mil agrotóxicos foram liberados no governo Bolsonaro. (Foto: Agência Brasil)

No estudo da Universidade de Rio Verde, o maior número de atingidos é do sexo masculino, 71,91%, sendo que 51,56% tinham entre 20 e 39 anos (51,56%). O perfil condiz com o de trabalhadores do agronegócio. Segundo a pesquisa, as áreas com maior incidência de intoxicações coincidem com as de maior atividade do agronegócio. No sudoeste de Goiás, uma das áreas com maior número de casos, é predominante o cultivo de soja e milho e a cana avança.

Outra evidência da ligação com o agronegócio é o fato de 50,71% das intoxicações ocorrerem por exposição ao trabalho, seja na manejo de agrotóxicos ou na atividade agrícola, durante a colheita, pulverização ou tratamento de sementes. O maior número de casos ocorreu em março e novembro, meses que correspondem à safra em Goiás. Em 8% dos casos, os atingidos já tinham vivenciado uma intoxicação agrícola.

A pesquisa da Universidade de Rio Verde, publicada em janeiro na revista digital acadêmica Peer Review, considera que os agrotóxicos, “por seu potencial para o adoecimento humano, animal e contaminação ambiental, seu uso intensivo e indiscriminado é considerado problema de saúde pública”. Entre os pontos de atenção destacados está a “política de fomento” pelo baixo custo de registro de produtos na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), de R$ 180,00 a R$ 1.800,00, e isenções fiscais na maioria dos estados.

Os pesquisadores ressaltam a escalada de liberações: de 2005 a 2015, a média de novos registros de agrotóxicos por ano ficou em 140,5. A partir de 2016, no governo Temer, o número cresceu para 277. Com Bolsonaro, em 2019, atingiu 474 novos registros. Ao todo, durante os quatro anos de governo Bolsonaro, foram liberados 2.182 agrotóxicos, uma média de 546 por ano, segundo dados da Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Os pesquisadores concluem que é necessária “a implementação de ações de promoção e prevenção à saúde do trabalhador”. Eles apontam a falta de normas que “priorizem a segurança dos trabalhadores agrícolas”, além da “ausência de medidas rigorosas para obtenção desses produtos”.

SÉRIE “BRASIL SEM VENENO” APRESENTOU PERSEGUIÇÕES E RESISTÊNCIA

Mônica Lopes Ferreira sofreu perseguição por pesquisar agrotóxicos. (Imagem: Denise Matsumoto)

Em 2022, o De Olho nos Ruralistas, em parceria com O Joio e o Trigo, identificou 542 iniciativas de resistência aos agrotóxicos pelo Brasil, incluindo aquelas de movimentos sociais e da sociedade civil, acadêmicas, educativas e comunicacionais, institucionais e legislativas.

A série Brasil sem Veneno contou ainda com uma reportagem mostrando um mapa do corpo humano e os impactos à saúde causados pelos pesticidas. Foram entrevistados seis pesquisadores e cientistas perseguidos após revelarem impactos ambientais, sociais e de saúde provocados pelos agrotóxicos.

Candidatos das eleições de 2022 que assumiram compromissos contra o uso indiscriminados de agrotóxicos foram destaque em reportagem, e também em um dos episódios do programa De Olho na Resistência.

| Nanci Pittelkow é jornalista. |

Foto principal (Reprodução): monoculturas atraem agrotóxicos e impactam trabalhadores rurais

LEIA MAIS:
Projeto Brasil Sem Veneno mapeia 542 iniciativas de resistência aos agrotóxicos pelo país
Quando estudar agrotóxicos vira caso de perseguição
Candidaturas assumem compromisso por um Brasil Sem Veneno
Contato com agrotóxicos pode levar a dano do DNA, causar câncer, problemas renais e doenças no sangue 
Após censura, cientista faz levantamento inédito de pesquisas brasileiras sobre impacto dos agrotóxicos na saúde

You may also read!

Prefeito de Eldorado do Sul terraplanou terreno em APA às margens do Rio Jacuí

Empresa em nome de sua família foi investigada pelo Ministério Público após aterrar área de "banhado" da Área de

Read More...

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu