CPT aponta aumento da violência e anuncia voto contra a barbárie

In De Olho na Política, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Quilombolas, Sem-Terra, Últimas
Foto: Observatório da Sociedade Civil

Coordenação nacional da Comissão Pastoral da Terra lança nota de apoio a Haddad e contra escalada da violência; na última semana três pessoas foram mortas por conflitos no campo

A diretoria e a coordenação nacional executiva da Comissão Pastoral da Terra (CPT) publicaram nesta terça (16) um documento destacando a necessidade de frear a violência que se intensificou na campanha para o segundo turno das eleições e defendendo voto em Fernando Haddad (PT) no próximo dia 28 de outubro.

O documento se chama: “Com as armas da solidariedade e da justiça, resistamos à mentira, hipocrisia e barbárie!”. Os integrantes da comissão lembram os 43 anos de trabalho da organização pelos direitos dos trabalhadores rurais e das populações tradicionais. Referem-se à Constituição de 1988 e pedem resistência sem violência:

– Defender o combate à violência com o uso de violência é um salvo-conduto para o uso de mais violência. Uma espiral ilimitada de violência! O ataque de que o próprio Bolsonaro foi vítima dá pleno valor ao dito popular, que tem raiz em Provérbios 22,8: “Quem semeia vento colhe tempestade”.

Em 2017 foram 71 pessoas assassinadas, sendo 31 em cinco massacres em conflitos agrários. Na última semana (08 a 14 de outubro) outras três pessoas foram mortas: o sindicalista Aluísio Sampaio, no Pará, e dois indígenas: Davi Gavião, no Maranhão, e Erivelton Tenharim, no Mato Grosso. O documento destaca também os mais de 50 casos de violência entre os dias 1 e 10 de outubro promovidos por apoiadores do candidato Jair Bolsonaro.

Leia o documento na íntegra:

Com as armas da solidariedade e da justiça, resistamos à mentira, hipocrisia e barbárie!

A Diretoria e a Coordenação Executiva Nacional da CPT assumem como seu dever tomar posição, não se omitindo, nesta hora em que os destinos de nossa nação estão sob graves riscos. Os povos e comunidades do campo, a quem a CPT se põe a servir há 43 anos, estão entre os que mais serão afetados caso for vitorioso o projeto de desconstrução de direitos defendido pelo candidato do PSL.

Uma onda nacional baseada no ódio, na irracionalidade, na mentira e na hipocrisia, está prestes a lançar o Brasil num novo tempo de barbárie, interrompendo o breve interlúdio democrático que vivemos com o fim da Ditadura Civil-Militar de 1964.  A Constituição Cidadã de 1988 que o garantiu mal completa 30 anos! Esta situação nos leva a entender o que o capítulo 13 do Apocalipse traduzia no tempo da grande perseguição no início do Cristianismo: “Vi, então, outra Fera subir da terra. Realizou grandes prodígios. Seduziu os habitantes da terra com os prodígios que lhe era dado fazer sob a vigilância da Fera, persuadindo-os a fazer uma imagem da Fera que sobrevivera ao golpe da espada.” (Ap 13,11-14).

Neste tempo sombrio, a manipulação das consciências atinge um grau inédito por meio da difusão permanente de falsas notícias pelas chamadas “redes sociais”. E essa difusão de mentiras obedece a um único objetivo: descontruir os avanços sociais conquistados nos últimos anos e colocar no seu lugar retrocessos que agradam às elites nacionais e o mercado.

Estas mentiras se escondem atrás de uma hipocrisia sem tamanho. As palavras, ao invés de revelarem a verdade, na realidade a ocultam ou a deturpam. O apoio às elites empresariais, ao capital, é vendido como uma forma de ampliar a geração de empregos e a melhoria do bem-estar social. Os resultados deste tipo de política, os mais pobres os estão sentindo na pele com o alto grau de desemprego e de precarização das condições de trabalho. E o apelo constante a Deus e à sua palavra raia o patamar da blasfêmia. Não é isso que o segundo mandamento diz: “Não tomarás seu santo nome em vão!” Deus se torna, na palavra de políticos e de líderes religiosos, o fiador de retrocessos sociais que vão sobrecarregar os ombros dos mais pobres e vulneráveis de nossa nação.

Mas o que mais nos preocupa é o crescimento acelerado da violência e da barbárie. A mentira e a hipocrisia são o solo fértil para o ódio contra “os outros”. A pregação contra o direito de minorias – quilombolas, indígenas, LGTBQs, – a favor da compra de armas por “pessoas de bem”, de defesa da ditadura militar e seus torturadores, de propor a condecoração de policiais e militares responsabilizados pelo assassinato de pessoas, da redução da idade penal, de transformar a luta pela terra em atos de terrorismo, e a proposta de “botar um ponto final em todos os ativismos no Brasil”, é um discurso claro de desrespeito aos direitos humanos, de desapreço pela democracia. Defender o combate à violência com o uso de violência é um salvo-conduto para o uso de mais violência. Uma espiral ilimitada de violência! O ataque de que o próprio Bolsonaro foi vítima dá pleno valor ao dito popular, que tem raiz em Provérbios 22,8: “Quem semeia vento, colhe tempestade”.

Esta espiral da violência já está instalada e só tende a crescer: mais de 60 pessoas sofreram violência física entre os dias 1º e 10 de outubro de 2018, sendo mais de 50 praticadas por apoiadores de Bolsonaro.  E não se agride simplesmente quem de alguma forma tenta se expressar a favor de outro projeto, mas se quer apagar a memória de quem lutou em defesa dos direitos dos mais fracos, da justiça e da dignidade, como foi a destruição de placas no Rio de Janeiro que lembravam a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no início deste ano.

Erivelton Tenharim. (Foto: Arquivo da Família)

A CPT tem destacado o aumento na violência no campo brasileiro nos três últimos anos, quando se iniciou a desconstrução de direitos, com um número cada vez maior de pessoas assassinadas na luta pela terra. Em 2017 foram 71 pessoas assassinadas, sendo 31 em cinco massacres. E, nesta onda de violência, as lideranças do campo, que lutam pela terra e em defesa dos territórios dos povos originários e comunidades tradicionais, estão sendo massacradas. Somente na última semana foram  três pessoas: o sindicalista no Pará, Aluísio Sampaio, o indígena no Maranhão, Davi Gavião, e o indígena da etnia Tenharin, em Mato Grosso, Erivelton Tenharin, e nesse mesmo confronto, há outro indígena baleado.

Esta é uma hora de grande reflexão. Os que governaram o país antes da ruptura política que foi o impeachment em 2016 cometeram erros, sim, ainda não assumidos, mas respeitaram os processos democráticos. Não é o que farão os que pretendem a qualquer custo continuar no poder assim usurpado! Queremos uma nação onde o diálogo, o respeito e a democracia floresçam, sejam reafirmados e consolidados, ou uma nação onde o ódio, a violência e a barbárie imperem e comprometam a nossa e as futuras gerações?

É um momento, também, de nos cuidar e autocuidar. O cenário de perseguições e violências está adoecendo e amedrontando pessoas. É tempo de estar juntos, fortalecer os afetos e a fé, alimentar a vida e a esperança e não se tornar vítimas manipuladas de notícias falsas que objetivam, justamente, nos imobilizar. Se o fascismo cresce, nossa coragem e esperança redobram!

Ninguém pode se furtar a tomar posição. Omitir-se numa situação destas é apoiar o retrocesso e o desmonte de direitos em nosso país. Agora é a hora de resistência à mentira, hipocrisia e barbárie. Conclamamos a todos e todas a esta nobre tarefa, ao tempo em que vamos nos dedicar, em todos os níveis da CPT, em todos os estados, a conquistar os votos que impeçam que o pior aconteça! Por isso, no segundo turno das eleições, vamos com Haddad e Manuela!  Deus ajude o Brasil! A CPT continuará, sempre, ajudando os povos do campo na luta pelos seus direitos e por vida mais digna.”

Goiânia, 16 de outubro de 2018.

Diretoria e Coordenação Nacional Executiva da Comissão Pastoral da Terra (CPT).

You may also read!

Temer cumpre acordo com a FPA e prorroga prazo de adesão ao Refis do Funrural

Transformada em lei, medida provisória adia o prazo de adesão no Programa de Regularização Tributária Rural para 31 de

Read More...

Justiça suspende processo de demarcação no Paraná um dia após atentado contra indígena

Decisão de desembargador paralisa por 90 dias a demarcação de terras Avá-Guarani, em Terra Roxa e Guaíra, palco de

Read More...

Observatório lança, em Dourados, site De Olho no Mato Grosso do Sul

Projeto traz mapa com propriedades de terras por políticos, município a município; De Olho nos Ruralistas faz um raio

Read More...

Mobile Sliding Menu