Bolsonaro quer sustar demarcações indígenas e quilombolas; Haddad propõe royalties para povos tradicionais

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Quilombolas, Últimas

Candidato do PSL defende venda de quilombos e exploração mineral nas áreas indígenas, que chama de “zoológicos”; petista tem contra si as ações de Dilma e quer valorizar educação no campo

Para o candidato a presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), as terras indígenas são como “zoológicos” e os quilombolas não “fazem nada”. Com essa interpretação sobre os povos tradicionais, Bolsonaro tem anunciado que não irá fazer nenhuma demarcação em terras indígenas nem titulação de quilombos, “nem um centímetro a mais”, como declarou no Mato Grosso do Sul, em fevereiro.

O candidato do PT, Fernando Haddad, defende a titulação das terras quilombolas e a demarcação das áreas indígenas, além da participação dos povos tradicionais nos grandes projetos de energia, inclusive como sócios.

BOLSONARO: ‘NEM PARA PROCRIAR SERVEM’

As declarações do candidato do PSL sobre povos tradicionais costumam vir recheadas de preconceito. Durante palestra no clube Hebraica, no Rio, em abril de 2017, Bolsonaro declarou:

– Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de R$ 1 bilhão por ano é gasto com eles.

Essa atitude do candidato esconde conflitos de interesse da sua família, como mostrou ontem o observatório: “Cunhado de Bolsonaro foi condenado por invasão de quilombo no Vale do Ribeira“. O fato explica também por que o candidato quer vender os quilombos, conforme vídeo que publicou um pouco antes do início da campanha oficial.

Bolsonaro mostra a língua para representantes dos direitos humanos. (Reprodução/TV Câmara)

Para o deputado, demarcação é prejuízo para o agronegócio. Ele sugere que as terras indígenas possam ser exploradas por empresas minerais. Essa demanda, por exemplo, vai ao encontro do que quer o senador Romero Jucá (MDB-RR): ele não só defende há anos essa posição como também tem interesse pessoal no tema, já que sua filha Marina tem uma mineradora.

Bolsonaro tem atacado as entidades que dão assistência a esses povos, como as organizações não-governamentais. “Se eu chegar lá, não vai ter dinheiro pra ONG”, afirmou, no evento da Hebraica. “Esses vagabundos vão ter que trabalhar. Pode ter certeza que se eu chegar lá, no que depender de mim, todo mundo terá uma arma de fogo em casa, não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola”.

O deputado chegou a ser denunciado criminalmente ao Supremo Tribunal Federal por racismo, em razão das afirmações contra quilombolas. Mas a primeira turma do STF rejeitou, por considerar que as opiniões dele estavam protegidas pela imunidade parlamentar. Candidato a vice-presidente, o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) também fez comentários ofensivos contra indígenas e negros: “Temos uma certa herança da indolência, que vem da cultura indígena. Eu sou indígena. Meu pai é amazonense. E a malandragem. Nada contra, mas a malandragem é oriunda do africano”.

HISTÓRIA DE BELO MONTE PREJUDICA HADDAD

Haddad durante campanha em Manaus. (Foto: Lula.com.br)

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, defende no seu programa de governo “o direito à terra, ao território e à cultura dos povos do campo, das florestas e das águas”. Ele sugere mais titulação de terras quilombolas e demarcação de áreas indígenas – pouco feitas durante a gestão petista de Dilma Rousseff.

A novidade de Haddad na questão dos povos tradicionais está na proposta de uma participação mais efetiva deles nos empreendimentos energéticos. “Os povos do campo, das florestas e das águas, especialmente indígenas, quilombolas e ribeirinhos, afetados pelas obras não apenas serão compensados pelo dano ambiental, como também poderão se tornar sócios dos empreendimentos, recebendo, por exemplo, royalties”, detalha no programa.

Uma das maiores polêmicas do governo Dilma Rousseff em relação aos povos tradicionais se deu com a imposição da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. Representantes de movimentos sociais criticaram o que consideram um rolo compressor do governo e da Eletronorte, passando por cima de direitos de ribeirinhos e de comunidades indígenas.

O petista fala ainda em retornar investimentos na educação do campo, indígena e quilombola, com formação de professores, melhorias na infraestrutura e garantia de transporte e alimentação.

Na sua proposta para reforma política, Haddad quer adotar a criação de cotas nas eleições para garantir a representatividade étnico-racial na composição das listas, inclusive para indígenas e negros.

You may also read!

Temer cumpre acordo com a FPA e prorroga prazo de adesão ao Refis do Funrural

Transformada em lei, medida provisória adia o prazo de adesão no Programa de Regularização Tributária Rural para 31 de

Read More...

Justiça suspende processo de demarcação no Paraná um dia após atentado contra indígena

Decisão de desembargador paralisa por 90 dias a demarcação de terras Avá-Guarani, em Terra Roxa e Guaíra, palco de

Read More...

Observatório lança, em Dourados, site De Olho no Mato Grosso do Sul

Projeto traz mapa com propriedades de terras por políticos, município a município; De Olho nos Ruralistas faz um raio

Read More...

Mobile Sliding Menu