FAB transfere busca por oito desaparecidos no Amapá para indígenas e garimpeiros

In Povos Indígenas, Principal, Últimas

Sete passageiros das etnias Tiriyó e Akuriyó desapareceram no dia 2 entre Laranjal do Jari e a Aldeia Mataware; Exército seguiu decisão da Força Aérea e diz não ter condições de buscar o piloto, a aeronave e os indígenas

Por Leonardo Fuhrmann

A Força Aérea Brasileira (FAB) e o Exército anunciaram na última segunda-feira (17/12) o abandono às buscas de um avião desaparecido desde o dia 2. No monomotor Minuano, de prefixo PT-RDZ, estavam o piloto e sete indígenas – cinco deles da etnia Tiriyó e dois Akuriyó – num trajeto entre a aldeia Mataware, no Parque do Tumucumaque, e o município de Laranjal do Jari, no Amapá. De acordo com a Fundação Nacional do Índio (Funai), o voo era clandestino, pois o trajeto que seria percorrido pelo piloto não foi registrado.

Busca agora, só por terra. (Foto: FAB/Divulgação)

Em notícia publicada no G1, a FAB informa que foi coberta uma área de 12.550 km², em 128 horas de voo – menos de dez horas por dia, durante 14 dias – de buscas feitas com as aeronaves SC-105 Amazonas SAR, C-130 Hércules e o helicóptero H-60 Black Hawk.

O Exército também cancelou as buscas após a decisão da FAB, com o argumento de que não tinha suporte de aeronaves para cobrir uma área tão extensa. Segundo ambos, as buscas não foram encerradas e estão a cargo de um grupo de indígenas e de garimpeiros.

A região da Aldeia Mataware só é acessível de canoa ou avião. A primeira opção pode demorar até quatro dias e a segunda custa caro. A locação de uma aeronave pode valer até R$ 3 mil por hora. De acordo com servidores da Funai, a família da etnia Tiriyó locou o avião para resolver problemas burocráticos e bancários em Macapá.

A aeronave contratada pelos indígenas partiu do município de Laranjal do Jari e seguia para a Aldeia Mataware, no Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque. A região de mata fechada, na fronteira com o Suriname, dificulta a busca das equipes da FAB, que não conseguem precisar a área de queda nem como foi o pouso forçado da aeronave, já que não há um registro formal do plano de voo. Desde então, não houve nenhum contato com o piloto ou passageiros.

A região da Aldeia Mataware só é acessível de canoa ou avião. A primeira opção pode demorar até quatro dias e a segunda custa caro. A locação de uma aeronave pode valer até R$ 3 mil por hora. De acordo com servidores da Funai, a família da etnia Tiriyó locou o avião para resolver problemas burocráticos e bancários em Macapá.

You may also read!

Metodologia defasada permitiu que área do tamanho do Panamá fosse desmatada entre a Amazônia e o Cerrado

Com distorções que chegam a 245%, "linha divisória" adotada pelo IBGE fez o Cerradão, região de florestas, ser enquadrado

Read More...

Veja como Marielle Franco esteve presente nas mobilizações de camponesas pelo país

Imagem da vereadora carioca foi lembrada em atos realizados por camponesas em pelo menos cinco estados; homenagens foram feitas

Read More...

Contra o racismo e pela agroecologia: confira como foi a marcha das mulheres camponesas na Paraíba

Em sua décima edição, Marcha pela Vida das Mulheres e pela Agroecologia reuniu 6 mil pessoas e celebrou legado

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.