Indicado para assumir a Anvisa loteou cargos para ruralistas na Funai e em estatal

In Agrotóxicos, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Deputado André Moura (PSC-SE) recebeu a indicação de Temer para a diretoria da agência, responsável pelo registro e fiscalização de agrotóxicos no Brasil; sem mandato a partir de fevereiro, Moura beneficiou ruralistas em cargos estatais

Por Bruno Stankevicius Bassi

Líder do governo na Câmara e articulador pessoal de Michel Temer. Apesar do status adquirido desde 2016, quando liderou o movimento parlamentar que culminou no impeachment de Dilma Rousseff, o deputado sergipano André Moura (PSC) foi derrotado na disputa por uma vaga no Senado, ficando atrás de Alessandro Vieira (Rede) e Rogerio Carvalho Santos (PT). Mas sua fidelidade ao atual presidente não passou despercebida.

Na terça-feira (18/12), o Diário Oficial da União trouxe a indicação de Moura para assumir a diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em substituição à Rodrigo Sérgio Dias, atual presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que fora indicado para a vaga em 18 de setembro, após a saída do médico sanitarista Jarbas Barbosa da Silva Junior.

Homem de confiança de Temer foi presentado com indicação para diretoria da Anvisa. (Foto: Reprodução)

Caso o nome de Moura seja confirmado pelo Senado, a bancada ruralista ganhará um aliado de peso, já que uma das principais atribuições da Anvisa é a avaliação toxicológica e ambiental dos agrotóxicos comercializados no país.

O Projeto de Lei 6299/02 – mais conhecido como PL do Veneno – é uma das principais bandeiras da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), mas foi fortemente combatido pela agência. Ele flexibiliza as regras para fiscalização e controle de agrotóxicos e retira da Anvisa o poder de veto no registro de novos produtos.

Com André Moura à frente da Anvisa, entidades do setor temem um alinhamento automático da entidade ao Ministério da Agricultura, comandado pela deputada Tereza Cristina (DEM-MS), ex-presidente da FPA. Segundo a nova ministra da Agricultura de Jair Bolsonaro (PSL), o debate sobre agrotóxicos “terá muito espaço” em sua gestão.

Durante as eleições, em outubro, Moura esteve entre os principais articuladores do apoio de seu partido, o PSC, à candidatura de Bolsonaro.

MOURA LOTEOU CARGOS NA FUNAI

Apesar de formalmente não fazer parte da FPA, a proximidade de André Moura com a bancada ruralista é notória. Enquanto líder do governo Temer na Câmara, o deputado sergipano ganhou autonomia para a indicação de cargos na Fundação Nacional do Índio (Funai).

Em abril de 2017, após a exoneração de Antonio Costa da presidência da Funai, o então ministro da Justiça, Osmar Serraglio (MDB-PR), afirmou: “Não estou sabendo de demissão. Vi pela imprensa que ele seria demitido. Na verdade, a Funai é do PSC, do André Moura”.

Moura com ruralistas em reunião do Movimento Pró-Impeachment, em 2016. (Foto: Divulgação/André Moura)

No lugar de Antonio Costa, o partido de Moura indicou um de seus quadros, o general Franklimberg Ribeiro de Freitas. Durante os doze meses em que o militar ficou à frente da Funai, servidores de carreira e indigenistas foram sendo substituídos em prol das indicações políticas de Moura e do PSC. Mesmo assim, aos olhos da bancada ruralista, Franklimberg não estaria colaborando o suficiente. Pressionado, Temer o exonerou em abril.

Em seu lugar, Moura emplacou o nome de Wallace Moreira Bastos, o preferido da FPA. Bastos coordenava a Subsecretaria de Assuntos Administrativos do Ministério dos Transportes. Em seu curriculum, nenhuma experiência que se aproxime da gestão de um órgão indigenista: antes de se tornar servidor público, o novo presidente da Funai havia sido sócio em redes de fast food.

MOURA BENEFICIOU SOBRINHA DE SENADOR RURALISTA

Réu em sete investigações, incluindo duas por crime de responsabilidade e uma por improbidade administrativa, quando era prefeito de Pirambu (SE), André Moura também liderou a indicação de cargos políticos na Dataprev, empresa estatal de tecnologia e dados da Previdência Social, vinculada ao Ministério da Fazenda.

No início de julho, após reportagem veiculada no jornal O Globo, a Controladoria Geral da União abriu investigação para apurar o loteamento de pelo menos 16 cargos comissionados. O salário dos nomeados chegava, em alguns casos, a R$ 18,9 mil.

Uma delas, Silvia Renata Pinto de Campos, assessora da diretoria do Dataprev no Rio de Janeiro, pertence a um tradicional clã de políticos ruralistas do Mato Grosso. Silvia é sobrinha do senador eleito Jayme Campos (DEM-MT), que volta ao Congresso após quatro anos ausente. Dono de 31.626 hectares, Campos foi governador do Mato Grosso entre 1991 e 1994 e já havia ocupado o Senado de 2007 a 2015. Seu irmão, Júlio Campos (DEM-MT), pai de Silvia, também foi governador nos anos 1980.

Outro dos cargos no Dataprev, também de assessor, foi confiado a Marcos Antonio Menezes Sobral, irmão do secretário-executivo da Secretaria de Governo da Presidência, Carlos Henrique Menezes Sobral, conhecido, na era Temer, como o “nomeador-geral da República”. Carlos Henrique é vinculado ao grupo político do ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA).

You may also read!

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.