Câmara gasta com 83 carros para Mesa Diretora mais de metade do valor de contrato do Ibama para 393 viaturas

In De Olho na Política, De Olho no Ambiente, Desmatamento, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

Gastos de apenas parte dos deputados atinge R$ 15,7 milhões, diante dos R$ 28,7 milhões que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, considera “alto”, para fiscalização anual em todo o país; Bolsonaro retweetou o post do subordinado

Por Leonardo Fuhrmann

A Câmara dos Deputados gasta por ano com carros R$ 15,7 milhões. São 77 carros alugados e mais motoristas, operadores de tráfego, manutenção e combustível para eles e mais seis pertencentes à Câmara. Os veículos são usados pelos parlamentares que fazem parte da mesa Diretora e de outros órgão da Casa. O valor representa mais da metade do que o Ibama vai gastar em 2019 com o fornecimento de 393 viaturas espalhadas pelo Brasil para a fiscalização de ataques ao ambiente.

As informações sobre os gastos da Câmara com carros constam de reportagem publicada em agosto no Estadão. De Olho nos Ruralistas fez a comparação com os carros do Ibama diante das declarações feitas no sábado pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, repercutidas pelo presidente Jair Bolsonaro. Salles publicou em sua conta no Twitter uma cópia da publicação do extrato do contrato e destacou o valor de R$ 27,8 milhões, que considerava alto:

Ricardo Salles publicou crítica ao Ibama e depois apagou. (Imagem: Reprodução/Twitter)

Em seguida, Bolsonaro compartilhou a publicação, dizendo que o governo dele estava “em ritmo acelerado, desmontando rapidamente montanhas de irregularidades e situações anormais”. O presidente apagou o texto pouco depois, mas manteve a postagem de Salles. Horas depois, o ministro publicou em sua conta que não havia levantado suspeita sobre o contrato, “apenas destacado o valor elevado”.

CARROS DO IBAMA VÃO A LUGARES DE DIFÍCIL ACESSO

O contrato do Ibama garante o fornecimento das viaturas sem motorista, mas com fornecimento de combustível e quilometragem rodada livre. Como muitos lugares de fiscalização são de difícil acesso, os veículos são picapes, com opção de tração 4×4 e adaptadas para atender emergências florestais, como incêndios e resgates de animais. Inclui ainda o seguro, pois alguns veículos do órgão foram alvo de ataques durante o trabalho de seus técnicos nos últimos anos.

Carros queimados na BR-163. (Foto: G1/Arquivo Pessoal)

Em julho de 2017, por exemplo, uma carreta que transportava picapes do Ibama sofreu um atentado em Altamira, no Pará. Nove veículos foram incendiados pelos criminosos. A região é conhecida pela atuação irregular de madeireiros. O Ibama encaminhou à PF áudios e mensagens em que criminosos incitam a destruição de veículos e helicópteros do instituto.

Outro veículo de fiscalização do Ibama foi incendiado em novembro do mesmo ano em Colniza, no Mato Grosso, quando fiscalizava a extração irregular de madeira de territórios indígenas. Um barco do ICMBio e as sedes do ICMBio e do Ibama também foram atacados em outubro, em Humaitá, Amazonas. Desta vez, eles faziam parte de uma ação contra garimpos ilegais.

Em novembro, menos de um mês após a eleição do presidente, outros três carros do Ibama foram incendiados. Os funcionários do Ibama também precisaram, em dezembro, deixar o município de Manacapuru, no Amazonas, onde faziam uma fiscalização contra madeireiras ilegais. Um protesto dos funcionários destas empresas colocaram a integridade física dos agentes em risco. Os manifestantes carregavam cartazes de apoio a Bolsonaro.

CARROS DE MINISTROS CUSTAM R$ 54 MILHÕES POR ANO

Mais um contrato dá dimensão dos valores gastos pela União com o transporte do alto escalão do governo. Os carros usados para o deslocamento de ministros e outras autoridades em Brasília custava R$ 54 milhões ao ano. O valor é quase o dobro do contrato do Ibama para viaturas usadas para a fiscalização de crimes ambientais em todo o país.

O contrato dos carros para os ministérios foi citado em janeiro de 2018. Incluía 850 carros oficiais, com salários de motoristas, a maioria deles terceirizados, custos com combustível e manutenção. Do total, R$ 39 milhões são gastos em Brasília. O valor não incluía as despesas com o transporte de demais servidores.

Operação em torno de Terra Indígena no Mato Grosso. (Foto: Ibama-MT/Ascom)

As publicações de Salles e Bolsonaro serviram para acelerar a saída de Suely Araújo da presidência do Ibama. Nomeada pelo ex-presidente Michel Temer, ela pediu exoneração nesta segunda-feira. No próprio domingo, ela já havia rebatido as reações de Salles e Bolsonaro por meio de uma nota oficial, em que refutava “qualquer insinuação de irregularidade na contratação”. Ela publicou nota a respeito:

– A acusação sem fundamento evidencia completo desconhecimento da magnitude do Ibama e das suas funções. O valor estimado inicialmente para esse contrato era bastante superior ao obtido no fim do processo licitatório, que observou com rigor todas as exigências legais e foi aprovado pelo TCU.

Não foi o primeiro desentendimento dela com Bolsonaro. Em dezembro, mesmo sem citar diretamente o nome do presidente, ela afirmou em entrevista à Folha que o discurso contra a fiscalização do Ibama constituía apologia ao crime e estava tornando a ação diária dos fiscais cada vez mais perigosa.

You may also read!

Brasil consome 18% dos agrotóxicos do mundo, mesma porcentagem dos Estados Unidos

Desse total, muitos produtos estão classificados como "extremamente tóxicos" e provêm da multinacional Syngenta, empresa com sede na Suíça,

Read More...

Família Safra obteve 50 mil hectares em região Xavante durante a ditadura, em 1967

Atividade pecuária dos banqueiros no Vale do Araguaia teve subsídio da Sudam; em nome de Joseph Safra, uma das

Read More...

Pela retomada da reforma agrária, sem-terra ocupam sedes do Incra em seis estados

Organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Jornada Nacional de Lutas realizou ações em treze estados e

Read More...

One commentOn Câmara gasta com 83 carros para Mesa Diretora mais de metade do valor de contrato do Ibama para 393 viaturas

  • Parece que os recursos financeiros deste contrato de aluguel de veículos provêm do Fundo Amazônia. Ou seja, é dinheiro do contribuinte norueguês. Se isto fôr verdade, o ministro pode estar perdendo tempo com uma coisa que nem é paga pelo contribuinte brasileiro porque o poder público brasileiro não consegue proteger e gerenciar a biodiversidade brasileira. Neste caso, o controle é feito por instâncias como uma consultoria independente, a serviço do governo norueguês. Caso se constate que não há irregularidade, o governo brasileiro estará passando um atestado intenacional de incompetência. Vamos ver o que acontece agora!

Leave a reply:

Your email address will not be published.