Syngenta contesta relatório sobre agrotóxicos divulgado pela ONG Public Eye

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Principal, Últimas

Para a multinacional suíça, fabricante de pesticidas considerados “altamente tóxicos”, dados são enganosos e contêm motivações políticas; empresa diz que, sem tecnologia, a agricultura precisaria de uma área equivalente a 60% da Amazônia

A Syngenta afirmou, em nota enviada ontem ao De Olho nos Ruralistas, que não procedem as informações sobre seus produtos, contidas no relatório apresentado pela organização não governamental Public Eye. Confira a reportagem que motivou a contestação: “Brasil consome 18% dos agrotóxicos do mundo, mesma porcentagem dos Estados Unidos“.

O documento tem, desde o título, foco na empresa: “Lucros de alto risco – como a Syngenta fez bilhões vendendo pesticidas tóxicos“. Conterrânea da ONG, a empresa é responsável por comercializar, especialmente em países de média e baixa renda, produtos proibidos, por sua alta toxicidade,  na Suíça. Segundo o relatório, o Brasil adquiriu, em 2017, 32% dos produtos altamente tóxicos vendidos pela Syngenta.

Para a empresa, o relatório é “deliberadamente enganoso”. A linguagem utilizada tem a intenção de “assustar o público e promover a Responsible Business Initiative na Suíça”. A Iniciativa de Negócios Responsáveis tem o objetivo de pressionar as empresas pelo respeito aos direitos humanos e ao ambiente pelo mundo.

A Public Eye foi criada em 1968 para monitorar a atividade de empresas suíças. A Syngenta contesta a classificação de seus produtos feita pela organização, com base numa lista desenvolvida pela Pesticide Action Network, a PAN, uma rede internacional de ação contra os pesticidas. Para a multinacional, uma entidade “que nenhuma organização nacional ou internacional reconhece”.

Em sua defesa, a Syngenta alega que seus “produtos são altamente regulamentados para garantir a segurança dos agricultores, do meio ambiente e dos consumidores” e garante que todas as leis sobre agrotóxicos,  em níveis nacionais, internacionais e locais são respeitadas.

A multinacional considera que a Public Eye “busca minar a agricultura de inovação, sem a qual os alimentos seriam menos disponíveis, mais caros e menos seguros”.

Abaixo a carta com o posicionamento da empresa, enviada pela Syngenta:

Empresa busca desqualificar relatório e organização. (Imagem: Reprodução)

O relatório do Public Eye é motivado politicamente e deliberadamente enganoso – sua retórica é projetada para assustar o público e promover a “Iniciativa de Negócios Responsáveis” (Responsible Business Initiative), na Suíça. O relatório é baseado em uma lista desenvolvida pelo PAN (Pesticide Action Network), que nenhuma organização nacional ou internacional reconhece. A Public Eye busca minar a agricultura de inovação, sem a qual os alimentos seriam menos disponíveis, mais caros e menos seguros. Muito mais terras, incluindo florestas, seriam necessárias para produzir alimentos e bilhões de toneladas a mais de emissões de carbono seriam liberadas para o meio ambiente. Nossos produtos estão entre os mais altamente regulamentados do mundo. Reforçamos a segurança de nossos produtos e o papel que eles desempenham na proteção da qualidade e segurança dos alimentos.

A carta traduz o trecho inicial uma resposta mais ampla feita pela empresa, em inglês, e enviada por email ao observatório. Em outro trecho, esse posicionamento da Syngenta fala especificamente do Brasil: “Como pode a Publica Eye considerar que países inteiros como o Brasil não têm preocupação ou respeito pela segurança e saúde de seus cidadãos? Como pode uma indústria sob ampla regulação e acompanhamento científico ser tão descrita como ‘opaca’?”

Segundo a Syngenta, as afirmações da Public Eye de que está protegendo a sociedade são irresponsáveis, pois omite que seguir suas recomendações levariam a “enormes reduções na qualidade e disponibilidade de comida” e a um impacto negativo no ambiente.

A multinacional diz que o registro de produtos depende de fatores presentes em cada país. Mas não entra, nesse comunicado, no mérito específico da legislação brasileira.

A partir de dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) sobre a produção entre 1975 e 2017, a Syngenta conclui que, sem a “proteção das sementes” e outros investimentos agrícolas, mais de 370 milhões de hectares precisariam ser utilizados na agricultura, “o equivalente a 60% da floresta amazônica”.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.