Secretário de Assuntos Fundiários e deputada do PSL empregaram irmãos em dobradinha

In De Olho na Política, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

Responsável por conflitos de terra no Ministério da Agricultura, Luiz Antônio Nabhan Garcia ofereceu vaga no Incra a irmão de Carla Zambelli; coincidentemente, ela abrigava em seu gabinete Maurício Nabhan Garcia, irmão do fundador da UDR

A revista Forum repercutiu neste sábado uma troca de acusações entre duas deputadas do PSL paulista: a líder do governo na Câmara, Joice Hasselman, acusou Carla Zambelli de praticar “nepotismo cruzado” ao empregar em seu gabinete Maurício Nabhan Garcia, irmão do secretário de Assuntos Fundiários do Ministério de Agricultura, Luiz Antônio Nabhan Garcia, com um salário de R$ 8.722,66.

Presidente por muitos anos da União Democrática Ruralista (UDR), o homem de confiança da ministra Tereza Cristina nomeou Bruno Zambelli Salgado para uma vaga no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Ele é irmão da deputada. “Desde o começo do meu mandato contratei Maurício Nabhan para tocar os assuntos do agro e atender a região de Ourinhos a Barretos”, escreveu Carla Zambelli no Twitter.

Em guerra com Carla Zambelli, Joice Hasselmann aponta “nepotismo cruzado” e o define como corrupção. (Imagem: Reprodução/Twitter)

SECRETÁRIO TEM TRAJETÓRIA ASSOCIADA À VIOLÊNCIA

Luiz Antônio Nabhan Garcia motivou reportagem do De Olho nos Ruralistas em fevereiro: “Milícias e fuzis: as más companhias de Nabhan Garcia, o homem de Bolsonaro para a reforma agrária“.

Confira o início do texto:

“Em julho de 2003, um grupo de fazendeiros do Pontal do Paranapanema, no oeste paulista, resolveu posar para o Jornal Nacional com armas em punho. Eles anunciavam a formação de um ‘centro de treinamentos’ onde se preparavam para resistir às ações do MST. Lula havia chegado ao poder – e, com ele, crescia o temor de uma reforma agrária. O objetivo era apresentar poderio paramilitar para intimidar os camponeses, com armas proibidas no Brasil ou de uso restrito às Forças Armadas.

Segundo investigações da polícia e da CPI da Terra, de 2005, os milicianos rurais eram ligados a Luiz Antônio Nabhan Garcia, fazendeiro da região e presidente da UDR, a União Democrática Ruralista. Hoje, ele é secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura – em outras palavras, o responsável demarcações de terras e a reforma agrária.

Assim que assumiu o cargo, Nabhan seguiu a cartilha do governo e chamou o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, o MST, de ‘organização criminosa‘. Diz que não negociará com os sem-terra. E defendeu a revisão dos assentamentos de 350 mil famílias nas últimas três décadas e o fim das escolas rurais do movimento, responsáveis pelo ensino a 200 mil crianças e adolescentes. ‘Fabriquinhas de ditadores’, classificou.”

Carla Zambelli foi uma das líderes do movimento Nas Ruas, que tinha o combate à corrupção como um de seus mantras contra o governo da petista Dilma Rousseff. A deputada disse no Twitter que seu irmão Bruno pediu ontem exoneração da vaga no Incra.

Carla está entre os 257 integrantes da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), que se renovou justamente com a adesão em massa de deputados do PSL.

You may also read!

Para se proteger de ameaças, maior quilombo do país, o Kalunga, mapeia território em Goiás

Com apoio internacional, quilombolas georreferenciam suas terras para se defender do avanço do agronegócio, da invasão de grileiros, da

Read More...

Contra reforma da Previdência, camponeses aderem à greve geral e participam de manifestações em 26 estados

Em dia marcado por paralisações, trabalhadores rurais de diversos municípios saíram às ruas para protestar contra a reforma da

Read More...

Dono de empresas agropecuárias, senador banca projeto que extingue Reserva Legal

Filho de ex-governador do MA ligado a conflitos agrários, tucano Roberto Rocha considera a manutenção de matas nativas uma

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.