Christiane, Aida, Marcia, Maria, Adelia: cinco histórias de Margaridas

In De Olho na Política, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

Mulheres de todas as idades, do campo e da cidade, levaram para Brasília diferentes pautas para o encontro de camponesas; em comum, a intenção de fortalecer a luta por seus direitos 

Por Priscilla Arroyo, em Brasília

Luta, esperança e coragem. As palavras resumem os propósitos das milhares de mulheres que ocuparam as ruas de Brasília com um chapéu na cabeça e um sorriso no rosto durante a Marcha das Margaridas, nos dias 13 e 14, maior evento de luta feminina da América Latina. Apesar dos desafios impostos pela política, estavam felizes por encontrar as companheiras e ter as suas vozes ampliadas. Elas falam, cada uma a seu modo, sobre as mudanças que gostariam de ver no Brasil.

Christiane Gerbald se dedica a praticar e ensinar técnicas de permacultura. (Foto: Victor Moreira/De Olho nos Ruralistas)

Algumas são tímidas. Outras, articuladas. Todas são assertivas. São trabalhadoras do campo, da cidade, aposentadas, que, por motivos distintos e uma causa em comum — a defesa do direito da mulher — viajaram até a capital federal para reforçar o ato.

A marcha de 100 mil mulheres saiu do Parque da Cidade em direção ao Congresso, com centenas de faixas que destacavam suas demandas mais importantes. Primeiro vinha a chamada principal, com o lema do encontro: “Margaridas na Luta por um Brasil com Soberania Popular, Democracia, Justiça, Igualdade e Livre de Violência”. Depois, um grupo segurava com orgulho faixa defendendo a agroecologia. Usada em larga escala, essa forma de manejo, que leva em conta saberes tradicionais de cultivo da terra, contribui para a produção de alimentos sem agrotóxicos.

Christiane Gerbauld Catalão, carioca de 30 anos que vive em Alto Paraíso (GO), é uma das defensoras dessa causa. Ela se dedica à permacultura, uma das formas de exercitar agroecologia. “Estou sempre plantando, transformando os meus resíduos em vida”, diz a geógrafa. Segundo ela, este é o momento de as mulheres se fazerem representar. “Temos um chamado de tentar colocar para fora a voz do feminino, assim conseguimos fortalecer a rede e ampliar a nossa voz no Brasil e no mundo”.

Marcia Maria Silva Pereira: “Sou uma mulher negra, que luta pelos direitos de todos”. (Foto: Victor Moreira/De Olho nos Ruralistas)

Aida Anacleto, servidora pública, saiu de Mariana (MG) para denunciar a mineração. “Sou atingida pela lama da Vale do Rio Doce, aliás, da Vale, que o rio não é mais Doce, porque ela matou”, afirma. “Estamos aqui hoje em defesa de um Brasil que está sendo entregue aos Estados Unidos. O país merece continuar caminhando para que possamos ter a nossa aposentadoria garantida”.

Marcia Maria Silva Pereira, de São Luís (MA), diz que está convicta de que a marcha deste ano “tem um sabor revolucionário”, por conta do enfrentamento de retrocessos propostos pelo governo Bolsonaro. A sua arma do dia a dia é a cultura popular. “Trabalho com o Bumba meu boi, repassando às novas gerações saberes ancestrais: essa é a minha contribuição para melhorar o país e a humanidade”.

Emocionada, Maria do Socorro Souza dos Santos, de Miracema (TO), preside a Colônia de Pescadores do município. “Eu amo pescar, faço isso desde os 6 anos de idade, fui ensinada pelo meu pai, que era pescador”, conta. Ela instrui as companheiras a lutar para exercer em melhores condições essa atividade que considera dura para uma mulher.

“O presidente está fazendo muito pouco pela classe trabalhadora”, avalia. “Nosso trabalho é sofrido, ficamos até meia noite no rio para sustentar a família”. Prestes a se aposentar, ela levou para o ato a bandeira contra as mudanças na Previdência Social. “Temos de dar força (às companheiras) e correr atrás dos nossos direitos”.

Uma das mulheres mais experientes do ato, Adelia Jardim marcha pela paz aos 84 anos. (Foto: Victor Moreira/De Olho nos Ruralistas)

Aos 84 anos, Adelia Jardim levanta cedo todos os dias para cuidar da sua plantação de banana, mandioca e milho. Ela saiu de Tuneiras (PR) e seguiu sorridente, a pé, durante todo o trajeto da marcha. Acompanhada de perto pela delegação de seu estado, Adelia resume a sua presença no ato:

— É muita violência para as mulheres. Vim lutar por paz. Eu sou uma margarida que ainda sobrevive e tem força e coragem.

Foto principal: Cartazes com as demandas das mulheres durante a marcha. (Victor Moreira/De Olho nos Ruralistas)

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.