Presença de invasores interrompe ritual funerário de Uru-eu-wau-wau assassinado em Rondônia

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Pai da vítima caminhava pela mata, um dia após a morte de Ari, quando viu dois homens armados em plena terra indígena; com a ajuda de parentes, ele conseguiu capturá-los até chegada da Polícia Federal e da Funai; etnia teme também o contágio pelo coronavírus

Por Maria Fernanda Ribeiro

Na madrugada do domingo (19 ), Mboakara Uru-eu-wau-wau caminhava sozinho pela mata para se conectar com a natureza após o enterro do filho Ari, assassinado na noite anterior com golpes na cabeça em uma estrada rural, no município de Jaru, em Rondônia, em um crime ainda sem resposta: “Aos 32 anos, indígena Uru-eu-wau-wau é assassinado em Rondônia“. Mboakara cumpria um dos últimos passos do ritual funerário da etnia, mas a presença de dois invasores dentro da Terra Indígena, a poucos metros da aldeia, interrompeu a cerimônia e transformou o momento de tristeza em revolta. Além do desrespeito ao momento de luto, ainda havia o risco de transmissão do coronavírus.

Como Mboakara demorava a retornar para a aldeia, alguns parentes decidiram ir até ele e foi quando encontraram os dois homens armados. Os indígenas capturaram os invasores, os amarraram, e esperaram até o dia amanhecer para contatar a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Polícia Federal. De acordo com nota da PF, eles portavam duas armas de fogo longas com numeração raspadas e municiadas. “Os indígenas detiveram os envolvidos até a chegada da polícia, fornecendo alimentação e água, sendo os mesmos entregues à PF sem lesões aparentes”, informa trecho do documento.  Ambos foram encaminhados ao presídio público da comarca de Jaru.

A reportagem do De Olho nos Ruralistas teve acesso a um áudio em que os indígenas afirmam que, antes de a polícia chegar, pessoas estranhas ao território ameaçaram invadir a aldeia para resgatar os invasores capturados. Alguns indígenas teriam ouvido vozes de homens já no local. Segundo os relatos, eles planejavam a melhor maneira de tirar os dois homens de lá.

“É muito assustador, é como você sair de madrugada no quintal da sua casa e ter dois estranhos”, afirma Ivaneide Bandeira, coordenadora da Associação Etnoambiental Kanindé. “Estão matando os protetores da floresta, mas esse governo não se importa”.

Ela conta que o enterro de Ari aconteceu de madrugada, dentro da casa onde ele morava, na aldeia, após a liberação do corpo pelo Instituto Médico Legal. O corpo dele foi coberto por um cocar; o adereço colocado no peito era feito por penas de gavião, o elemento utilizado para dar passagem ao mundo espiritual, de acordo com a cosmologia indígena dos Uru-eu-wau-wau. A cova foi forrada com esteiras. Todas as roupas, queimadas.

A Terra Indígena Uru-eu-wau-wau, demarcada em 1991, é palco constante de ameaças e invasões de grileiros, madeireiros e garimpeiros. As invasões dentro do território têm sido denunciadas há muitos anos, mas o temor se intensificou após a pandemia do coronavírus. “Tudo isso é um barril de pólvora”, diz Ivaneide.

PF e Funai foram chamadas pelos Uru-eu-wau-wau à terra indígena após a detenção dos invasores. (Foto: Polícia Federal)

A presença de invasores em áreas indígenas tornou-se um motivo maior de preocupação devido à pandemia do coronavírus, pois eleva ainda mais o risco de transmissão do vírus. Os povos originários são considerados especialmente vulneráveis à pandemia por conta de costumes que tendem a facilitar a disseminação de doenças respiratórias e da ausência de hospitais em seus territórios.

NÃO HÁ PISTAS SOBRE MOTIVO E AUTORIA DO HOMICÍDIO

Ari Uru-eu-wau-wau, 32 anos, foi encontrado morto na manhã do último sábado na estrada de terra que liga a cidade de Jaru, em Rondônia, até a terra indígena, no distrito de Tarilândia. Ele fazia parte do grupo de monitoramento e vigilância do território, responsável por proteger a área de invasores.

De acordo com Salomão de Matos, o delegado da Polícia Civil de Jaru responsável pela investigação, a hipótese de latrocínio foi descartada porque o celular e a motocicleta da vítima permaneciam no local. A possibilidade de acidente já foi descartada, pois a moto não apresentava nenhum dano e o corpo da vítima não tinha marca de lesões ou escoriações.

Mas não há ainda informações sobre a autoria e a motivação do crime. O delegado afirma que não é possível relacionar a presença dos dois invasores no dia do enterro com o crime.

Na semana passada, a reportagem teve acesso a outro áudio que denunciava a presença de invasores na área e avisava que um indígena tinha visto um caminhão de tora — veículo que carrega madeira — e um trator na entrada da aldeia do Alto Jaru. Também havia vestígios de sacos plásticos e outros materiais deixados pelos invasores. São recorrentes as ameaças de morte sofridas pelos indígenas, com relatos de tocaias e emboscadas.

Este é o segundo assassinato de lideranças indígenas em menos de vinte dias. No dia 31 de março, o professor Zezico Guajajara foi brutalmente assassinado, no Maranhão. Era um líder que lutava pela proteção do território.

Foto principal: invasores foram amarrados até chegada da PF. (Divulgação)

You may also read!

Membros da Frente Parlamentar da Agropecuária disputam prefeituras em dez capitais

Entre os mais conhecidos estão Celso Russomanno e Joice Hasselmann, em São Paulo; dos 67 deputados e senadores que

Read More...

Desassistidos, quilombos sofrem com agravamento da fome na pandemia

Em arguição ao STF, comunidades queixam-se da ausência de ações que viabilizem a segurança alimentar, como a distribuição de

Read More...

Candidatos com multas e lista de acusações avançam na capital da pecuária, no Pará

Com maior rebanho do Brasil e vice-campeão em devastação, São Félix do Xingu e arredores atraem políticos de diversas

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.