Presença de invasores interrompe ritual funerário de Uru-eu-wau-wau assassinado em Rondônia

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Pai da vítima caminhava pela mata, um dia após a morte de Ari, quando viu dois homens armados em plena terra indígena; com a ajuda de parentes, ele conseguiu capturá-los até chegada da Polícia Federal e da Funai; etnia teme também o contágio pelo coronavírus

Por Maria Fernanda Ribeiro

Na madrugada do domingo (19 ), Mboakara Uru-eu-wau-wau caminhava sozinho pela mata para se conectar com a natureza após o enterro do filho Ari, assassinado na noite anterior com golpes na cabeça em uma estrada rural, no município de Jaru, em Rondônia, em um crime ainda sem resposta: “Aos 32 anos, indígena Uru-eu-wau-wau é assassinado em Rondônia“. Mboakara cumpria um dos últimos passos do ritual funerário da etnia, mas a presença de dois invasores dentro da Terra Indígena, a poucos metros da aldeia, interrompeu a cerimônia e transformou o momento de tristeza em revolta. Além do desrespeito ao momento de luto, ainda havia o risco de transmissão do coronavírus.

Como Mboakara demorava a retornar para a aldeia, alguns parentes decidiram ir até ele e foi quando encontraram os dois homens armados. Os indígenas capturaram os invasores, os amarraram, e esperaram até o dia amanhecer para contatar a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Polícia Federal. De acordo com nota da PF, eles portavam duas armas de fogo longas com numeração raspadas e municiadas. “Os indígenas detiveram os envolvidos até a chegada da polícia, fornecendo alimentação e água, sendo os mesmos entregues à PF sem lesões aparentes”, informa trecho do documento.  Ambos foram encaminhados ao presídio público da comarca de Jaru.

A reportagem do De Olho nos Ruralistas teve acesso a um áudio em que os indígenas afirmam que, antes de a polícia chegar, pessoas estranhas ao território ameaçaram invadir a aldeia para resgatar os invasores capturados. Alguns indígenas teriam ouvido vozes de homens já no local. Segundo os relatos, eles planejavam a melhor maneira de tirar os dois homens de lá.

“É muito assustador, é como você sair de madrugada no quintal da sua casa e ter dois estranhos”, afirma Ivaneide Bandeira, coordenadora da Associação Etnoambiental Kanindé. “Estão matando os protetores da floresta, mas esse governo não se importa”.

Ela conta que o enterro de Ari aconteceu de madrugada, dentro da casa onde ele morava, na aldeia, após a liberação do corpo pelo Instituto Médico Legal. O corpo dele foi coberto por um cocar; o adereço colocado no peito era feito por penas de gavião, o elemento utilizado para dar passagem ao mundo espiritual, de acordo com a cosmologia indígena dos Uru-eu-wau-wau. A cova foi forrada com esteiras. Todas as roupas, queimadas.

A Terra Indígena Uru-eu-wau-wau, demarcada em 1991, é palco constante de ameaças e invasões de grileiros, madeireiros e garimpeiros. As invasões dentro do território têm sido denunciadas há muitos anos, mas o temor se intensificou após a pandemia do coronavírus. “Tudo isso é um barril de pólvora”, diz Ivaneide.

PF e Funai foram chamadas pelos Uru-eu-wau-wau à terra indígena após a detenção dos invasores. (Foto: Polícia Federal)

A presença de invasores em áreas indígenas tornou-se um motivo maior de preocupação devido à pandemia do coronavírus, pois eleva ainda mais o risco de transmissão do vírus. Os povos originários são considerados especialmente vulneráveis à pandemia por conta de costumes que tendem a facilitar a disseminação de doenças respiratórias e da ausência de hospitais em seus territórios.

NÃO HÁ PISTAS SOBRE MOTIVO E AUTORIA DO HOMICÍDIO

Ari Uru-eu-wau-wau, 32 anos, foi encontrado morto na manhã do último sábado na estrada de terra que liga a cidade de Jaru, em Rondônia, até a terra indígena, no distrito de Tarilândia. Ele fazia parte do grupo de monitoramento e vigilância do território, responsável por proteger a área de invasores.

De acordo com Salomão de Matos, o delegado da Polícia Civil de Jaru responsável pela investigação, a hipótese de latrocínio foi descartada porque o celular e a motocicleta da vítima permaneciam no local. A possibilidade de acidente já foi descartada, pois a moto não apresentava nenhum dano e o corpo da vítima não tinha marca de lesões ou escoriações.

Mas não há ainda informações sobre a autoria e a motivação do crime. O delegado afirma que não é possível relacionar a presença dos dois invasores no dia do enterro com o crime.

Na semana passada, a reportagem teve acesso a outro áudio que denunciava a presença de invasores na área e avisava que um indígena tinha visto um caminhão de tora — veículo que carrega madeira — e um trator na entrada da aldeia do Alto Jaru. Também havia vestígios de sacos plásticos e outros materiais deixados pelos invasores. São recorrentes as ameaças de morte sofridas pelos indígenas, com relatos de tocaias e emboscadas.

Este é o segundo assassinato de lideranças indígenas em menos de vinte dias. No dia 31 de março, o professor Zezico Guajajara foi brutalmente assassinado, no Maranhão. Era um líder que lutava pela proteção do território.

Foto principal: invasores foram amarrados até chegada da PF. (Divulgação)

You may also read!

Legado de Zé Maria do Tomé consolida Ceará na resistência aos agrotóxicos

Projeto Brasil Sem Veneno identificou doze iniciativas no estado; morte de líder camponês na Chapada do Apodi, em 2010,

Read More...

Pesquisa mostra 59 iniciativas legislativas contra os agrotóxicos em todo o Brasil

Na contramão de Brasília, estados e municípios discutem e aprovam projetos para reduzir uso, criar programas de incentivo à

Read More...

New report shows president Bolsonaro used phytosanitary barriers to benefit political allies

During his administration, Jair Bolsonaro favored banana producers from Ribeira Valley, the region where he grew up and where

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu