Novo ministro das Comunicações administra Rádio Agreste, no interior do Rio Grande do Norte

In De Olho na Imprensa, De Olho na Política, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

Genro de Silvio Santos, dono do SBT, Fábio Faria é filho do ex-governador Robinson Faria, principal dono da emissora e sócio também da Rádio Redenção, em Nova Cruz, municípios na região do semiárido potiguar; ele comandará pasta responsável por concessões

Por Alceu Luís Castilho

O novo ministro das Comunicações, Fábio Salustino Mesquita de Faria (PSD), tinha 20 anos — alguns anos antes de ser eleito, pela primeira vez, deputado federal — quando foi fundada, em 1997, a Agreste Comunicações Ltda, em Nova Cruz (RN). Ela tem como sócio-administrador o ex-governador Robinson Faria, igualmente do PSD. Seu pai.

Os outros sócios são o advogado Fernando Pithon Dantas, secretário particular de Robinson durante sua passagem pelo governo estadual, e Cid Arruda Câmara, um aliado de Fábio Faria que foi prefeito do município, no semiárido potiguar.

Dono de um patrimônio de R$ 10,59 milhões em 2018, Robinson Faria declarou à Justiça Eleitoral, naquele ano, possuir 95% do capital da Rádio Agreste Ltda, no município vizinho de Santo Antônio. Essa foi fundada quando seu primogênito, Fábio, tinha apenas 10 anos.

Corria o ano de 1988 e a Constituição estava para ser promulgada. Hoje, o novo responsável por comandar as concessões de TV e rádio no país é não apenas um dos sócios da empresa, mas seu sócio-administrador.

Os dados constam da base de dados das empresas na Receita Federal. Mas não da declaração de bens entregue pelo novo ministro à Justiça Eleitoal, em 2018.

SILVIO SANTOS FOI AMIGO DE DITADORES E COMPROU TERRAS

O coronelismo une a lógica dos votos ao poder das antenas, mas também ao do arame farpado: o pai de Fábio Faria é proprietário de várias fazendas no Rio Grande do Norte. Um tanto mais acanhadas que as do sogro: amigo de cada um dos ditadores desde Emílio Garrastazú Medici, Silvio Santos manteve, durante a ditadura de 1964 e por alguns após após o fim do regime, vastas extensões de terras no Mato Grosso: “Silvio Santos obteve 70 mil hectares no Araguaia em 1972, durante governo Médici“.

Silvio Santos com Figueiredo, no dia da concessão da TVS, hoje SBT. (Foto: SBT)

Fábio Faria ganha o ministério de Bolsonaro a partir do poder do PSD, necessário para compor a nova base de apoio do presidente sem partido. O partido comandado nacionalmente por Gilberto Kassab e no Rio Grande do Norte por Robinson Faria é um dos filhos indiretos da Arena.

A sigla dava sustentação à ditadura elogiada pelo presidente de extrema-direita, um defensor explícito da tortura e de outros crimes praticados naquele período. Ao se aproximar de Bolsonaro, Fábio Faria repete a estratégia do sogro. Ele é casado com Patrícia Abravanel, segunda filha de Silvio Santos e de Íris Abravanel.

O dono do SBT é, por sua vez, um apoiador do governo Bolsonaro. A ponto de, no dia 23 de maio, não ter deixado ir ao ar o Jornal do SBT para não ter de repercutir um vídeo que não era benéfico ao presidente, aquele da reunião ministerial em abril.

PAI E FILHO MULTIPLICARAM BENS NA POLÍTICA

O ex-governador Robinson Faria honra a tradição coronelista da política potiguar. Derrotado nas eleições de 2018, declarou naquele ano possuir catorze propriedades rurais. Ele também informou possuir a empresa Cial S/A Com. e Ind de Alimentos, fundada em 1966 e herdada de sua mãe, a avó do novo ministro. Mas já liquidada. Além disso, declarou 330 bovinos. Por R$ 1 mil cada cabeça.

Ex-governador é sócio da rádio e apresentador. (Imagem: Reprodução)

Seu patrimônio em 1998, que era de R$ 697 mil, deu um salto significativo, para os atuais R$ 10,59 milhões. Quinze vezes maior. O patrimônio de Fábio Faria teve um salto bem maior: de R$ 260 mil, em 2006, eleito pela primeira vez deputado federal, até os R$ 6,5 milhões da última reeleição, em 2018. Vinte e cinco vezes maior.

Ao longo das eleições o patrimônio de Robinson Faria foi evoluindo de forma irregular: passou de R$ 697 mil, em 1998, para R$ 994 mil em 2002, depois R$ 3,54 milhões em 2006. Em 2010, quando foi eleito vice-governador, não mudou muito: R$ 3,71 milhões. Depois, sim: ao se eleger governador, em 2014, o valor havia saltado para R$ 8,33 milhões.

Em março o político estreou um programa em sua Rádio Agreste, intitulado “Política e tudo mais“.

Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Reprodução/Facebook): Bolsonaro, Fábio Faria e o sogro do ministro, Silvio Santos

You may also read!

Indicado pelo Centrão, ex-deputado ruralista do Paraná é cotado para assumir o MEC

Fazendeiro e dono de cartório, Alex Canziani (PTB) teve cinco mandatos na Câmara e era membro da Frente Parlamentar

Read More...

Bolsonaro assume projeto genocida com os vetos, diz Articulação dos Povos Indígenas

Apib considera que derrubada de itens do PL que prevê apoio emergencial aos povos do campo mostra a determinação

Read More...

Frente quilombola no Congresso vê racismo e “requintes de crueldade” em vetos de Bolsonaro

Ao derrubar itens do PL 1.142, que prevê medidas emergenciais para os povos do campo durante a pandemia, presidente

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.