“Populações receberão chuva de agrotóxicos em suas cabeças”, diz Greenpeace sobre novos limites na pulverização de bananas

In De Olho na Política, De Olho no Ambiente, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

Governo reduziu de 500 metros para 250 metros distância mínima de povoados para a pulverização aérea; ONG diz que medida foi feita sob medida para atender o Vale do Ribeira, onde Bolsonaro e família têm ligações diretas com bananeiros e pulverizadores 

Por Leonardo Fuhrmann

Uma chuva de agrotóxicos na cabeça das populações rurais. É assim que o Greenpeace vê a decisão do governo Bolsonaro de reduzir de 500 metros para 250 metros a distância mínima para pulverização aérea nos cultivos de banana. A instrução normativa foi publicada em abril e entrou em vigor no mês passado. “Tínhamos um limite já perigoso, hoje, se tornou, vergonhoso e chega a ser criminoso”, diz a nota da organização ambiental, que destaca ainda a decisão do governo de fazer tal liberação bem na época da pandemia de Covid-19.

De Olho nos Ruralistas mostra, desde a campanha eleitoral de 2018, as conexões entre Jair Bolsonaro e os fazendeiros do Vale do Ribeira, inclusive da própria família: “Bolsonaro pressionou Ministério da Agricultura para facilitar agrotóxicos a aliados em SP“. O Greenpeace lembra que a pulverização já é perigosa em si, tanto que é proibida em países da União Europeia, por exemplo, desde 2009: “Pulverização aérea de agrotóxico nos bananais, ampliada por Bolsonaro, é proibida na UE desde 2009“.

Pesquisas de organizações ligadas aos agrotóxicos e ao agronegócio estimam que 30% do material aplicado vai para a água e o solo quando a aplicação é feita corretamente. Dependendo das condições climáticas e da altura em que a aplicação é feita, diz a ONG ambientalista, esse percentual pode chegar a 70%. As falhas de monitoramento, fiscalização e controle no Brasil podem tornar a situação mais grave.

Em julho de 2018, a Human Rights Watch publicou um relatório sobre contaminações causadas pela pulverização e fez uma série de recomendações aos órgãos públicos. Entre elas estava a suspensão da pulverização aérea pelo menos até a realização de um estudo de impactos ambientais e à saúde humana, além da proibição de substâncias altamente tóxicas. O contrário do que tem sido feito.

LOBBY DOS VENENOS VETA INICIATIVAS LOCAIS DE CONTROLE

Para Marina Lacôrte, porta-voz da Campanha de Agricultura e Alimentação do Greenpeace, a mudança foi feita sob medida para atender os interesses dos bananicultores do Vale do Ribeira. “É uma região cheia de pequenos povoados, o que dificultava, e até inviabilizava, em muitos casos, o uso da pulverização aérea”, afirma. Entre as populações que serão atingidas estão comunidades tradicionais e originárias. Ali existem dez aldeias Guarani Mbyá e Ñandeva, mais de oitenta comunidades caiçaras e 98 dos 142 territórios quilombolas existentes no estado de São Paulo, 36 deles oficialmente delimitados.

Marina lembra que muitos estados e municípios fizeram leis ou tentaram fazer leis para restringir a pulverização aérea. “Muitos desses projetos acabam vetados ou seu efeito é suspenso por determinação judicial. Existe um lobby muito forte em favor dos agrotóxicos”, diz. A situação pode ficar ainda pior caso o pacote do veneno seja aprovado no Congresso. A proposta impede que estados e municípios criem restrições próprias ao uso dessas substâncias.

Região mais pobre de São Paulo, com municípios com baixo índice de desenvolvimento social, o Vale do Ribeira tem a produção de banana como uma de suas mais importantes atividades econômicas. Segundo dados do Instituto de Economia Agrícola de São Paulo (IEA-SP), o estado foi, em 2018, o segundo maior produtor de bananas do país, atrás da Bahia. O Vale do Ribeira foi responsável por quase 68% da produção paulista naquele ano.

OBSERVATÓRIO ALERTA SOBRE O TEMA DESDE A CAMPANHA

Candidato tem discurso contra indígenas e povos tradicionais. (Ilustração: Baptistão)

Como tem mostrado o De Olho Nos Ruralistas, a medida que amplia o alcance da pulverização beneficia diretamente aliados de Bolsonaro. Desde que foi eleito, o presidente tem recebido empresários do setor, em reuniões com a presença da ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Foi o caso de Rene Mariano, produtor e dono de uma empresa de pulverização aérea na região. Outro participante das reuniões é Valmir Beber, que foi candidato a deputado federal com o apoio direto do clã Bolsonaro. Ambos têm em comum o histórico de infrações ambientais.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirma, em nota enviada ao observatório, que a nova instrução atende demanda apresentada pela Confederação Nacional dos Bananicultores do Brasil (Conaban) em 2017, “mais de um ano antes do início da atual gestão”. O presidente da Conaban, naquele ano, presidia também a Associação dos Bananicultores do Vale do Ribeira (Abavar), em São Paulo, e a Cooperativa Mista dos Bananicultores do Vale do Ribeira (Coopervale): fazendeiro na região, Jeferson Reginaldo Magário é dirigente do PSL na região, com a bênção da família Bolsonaro.

Segundo a geógrafa Larissa Mies Bombardi, autora da publicação Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, a produção de banana é a terceira que mais recebe agrotóxicos no estado de São Paulo, atrás apenas da cana-de-açúcar e da laranja. Em 2017, dos 44 agrotóxicos cujo uso era autorizado para a cultura no Brasil, 7 eram proibidos pela União Europeia. “No caso da banana, a pulverização é feita com inseticidas, que são neurotóxicos e também causam desregulação endócrina”, diz a pesquisadora.

Apesar de ter uma política rigorosa para o uso de agrotóxicos em seu território, a União Europeia não controla os produtos fabricados por empresas de seus países, como mostrou um estudo recente do Greenpeace da Alemanha. Muitas vezes, os agrotóxicos proibidos chegam a ser produzidos em território europeu e exportados para países com legislação mais permissiva, caso do Brasil. Nas regiões em que são utilizados, esses agrotóxicos causam danos à saúde das pessoas, contaminação da água e do solo e desequilíbrio ambiental, como a mortandade de abelhas no Rio Grande do Sul.

Foto principal (Greenpeace): Marina Lacôrte com deputados ambientalistas em Brasília

LEIA MAIS:
-> Cunhado de Bolsonaro é condenado por invasão de quilombo no Vale do Ribeira
->> Aliado de produtores de banana no Vale do Ribeira, Bolsonaro faz lobby contra importação da fruta
->>> Recebido por Bolsonaro, dono de empresa de aviação agrícola foi condenado por desmatamento
->>>> Bolsonaro recebe empresário condenado por plantar bananas em parque estadual no Vale do Ribeira
->>>>> Aliado de Bolsonaro é condenado criminalmente por plantar bananas na Caverna do Diabo
->>>>>> Bolsonaro pressionou Ministério da Agricultura para facilitar agrotóxicos a aliados em SP
->>>>>>> “Pulverização aérea de agrotóxico nos bananais, ampliada por Bolsonaro, é proibida na UE desde 2009

You may also read!

No Rio e no Espírito Santo, apenas Coser apresenta propostas para combater a fome

Paes e Crivella ignoram segurança alimentar; atual prefeito carioca chegou a reter verba da merenda escolar durante a pandemia;

Read More...

País tem troca de cestas básicas por votos em 25 dos 26 estados

De Olho nos Ruralistas fez levantamento após viralização de vídeo contra a candidatura de Bruno Covas, em São Paulo,

Read More...

Cenário atual da fome, Norte tem só dois candidatos com planos para o tema

Dos dez candidatos que que disputarão o segundo turno em cinco capitais da região, apenas Edmilson Rodrigues, em Belém,

Read More...

One commentOn “Populações receberão chuva de agrotóxicos em suas cabeças”, diz Greenpeace sobre novos limites na pulverização de bananas

Leave a reply:

Your email address will not be published.