Bolsonaro assume projeto genocida com os vetos, diz Articulação dos Povos Indígenas

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Apib considera que derrubada de itens do PL que prevê apoio emergencial aos povos do campo mostra a determinação do presidente de “limpar a área”; no Senado, Eliziane Gama (Cidadania) e Randolfe Rodrigues (Rede) falam em “irresponsabilidade” e “maldade”

Por Demétrio Weber

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) criticou, nesta quarta-feira (08), os vetos do presidente Jair Bolsonaro ao Projeto de Lei 1142/2020, que cria o Plano Emergencial para Enfrentamento à Covid-19 em territórios indígenas. Em nota, a organização afirmou que os vetos fazem parte do “projeto genocida” do atual governo. “Bolsonaro assume publicamente com esses vetos a determinação de consumar o seu projeto genocida, de ‘limpar a área'”, diz o texto.

Um dos itens excluídos pelo presidente previa a adoção de mecanismos para facilitar o acesso de indígenas, quilombolas e pescadores ao auxílio emergencial concedido pelo governo durante a pandemia. Em outras palavras, permitir que essas populações recebessem o dinheiro, inclusive de benefícios sociais e previdenciários, sem a necessidade de deslocamento até áreas urbanas.

De acordo com a Apib, o artigo 231 da Constituição garante aos povos indígenas não somente “os seus direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam”, mas o respeito a “sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições”. Assim, diz a nota, “o Estado tem constitucionalmente a responsabilidade de atender de forma diferenciada” e “de se estruturar para tal finalidade”.

O Projeto de Lei 1142/2020, de autoria da deputada federal professora Rosa Neide (PT-MT), foi aprovado pelo Congresso em junho. Ao sancioná-lo, Bolsonaro vetou dezesseis dispositivos. Entre eles, o acesso universal a água potável, a oferta emergencial de leitos hospitalares e de respiradores mecânicos e a distribuição gratuita de materiais de higiene nas aldeias. A nova Lei 14.021/2020 foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União: “Veto de Bolsonaro obriga povos do campo a se arriscar nas cidades por auxílio emergencial“.

A Apib destacou a importância da ação direta de preceito fundamental (ADPF) ajuizada por ela no Supremo Tribunal Federal (STF), juntamente com outras organizações, e que foi acatada parcialmente pelo ministro Luis Roberto Barroso, obrigando o governo federal a tomar providências em defesa da saúde dos povos indígenas.

SENADORES DEFENDEM DERRUBADA DOS VETOS

Senadores também reagiram aos vetos, defendendo a sua derrubada pelo Congresso. A líder do Cidadania, senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), durante a sessão deliberativa remota desta quarta-feira, falou em “irresponsabilidade” de Bolsonaro, conforme a Agência Senado:

— Fica muito clara a irresponsabilidade e a falta de sensibilidade com os índios e também com os quilombolas em relação à covid-19. O governo infelizmente não tem preocupação com a baixa imunidade dessas populações. Os números são realmente preocupantes: são mais de 10 mil casos, 200 mortos. Eu quero registrar a nossa luta no Congresso Nacional para que esses vetos realmente possam ser derrubados.

Na mesma linha, o líder da Rede, senador Randolfe Rodrigues (AP), afirmou que os vetos estão de acordo com a “maldade” do governo. Ele postou a seguinte mensagem nas redes sociais: “É uma covardia sem precedentes. Em uma das piores crises da história do país não há compromisso algum com a vida dos mais vulneráveis. Mais um veto compatível com a maldade desse governo. Vamos lutar pela derrubada!”

| Demétrio Weber é jornalista, criador do site Educa 2022 |

LEIA MAIS:
Veto de Bolsonaro obriga povos do campo a se arriscar nas cidades por auxílio emergencial
Frente quilombola no Congresso vê racismo e “requintes de crueldade” em vetos de Bolsonaro

You may also read!

Membros da Frente Parlamentar da Agropecuária disputam prefeituras em dez capitais

Entre os mais conhecidos estão Celso Russomanno e Joice Hasselmann, em São Paulo; dos 67 deputados e senadores que

Read More...

Desassistidos, quilombos sofrem com agravamento da fome na pandemia

Em arguição ao STF, comunidades queixam-se da ausência de ações que viabilizem a segurança alimentar, como a distribuição de

Read More...

Candidatos com multas e lista de acusações avançam na capital da pecuária, no Pará

Com maior rebanho do Brasil e vice-campeão em devastação, São Félix do Xingu e arredores atraem políticos de diversas

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.