Omissão do BNDES faz JBS comprar gado de desmatamento da Amazônia, diz Anistia

In De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Banco estatal, segundo maior sócio da empresa, tinha compromisso desde 2016 de não participar de empresas envolvidas na destruição do ambiente; imagens de satélite mostram o avanço da pecuária em áreas invadidas de reservas e terras indígenas de Rondônia

Por Leonardo Fuhrmann

A omissão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) permitiu que a JBS continuasse a comprar gado de áreas de desmatamento da Amazônia, segundo aponta o relatório divulgado nesta semana pela Anistia Internacional. De maio de 2016, início do governo Michel Temer, para cá, o banco foi presidido por Maria Silvia Bastos Marques, Paulo Rabello de Castro, Dyogo Henrique de Oliveira, Joaquim Levy e Gustavo Montezano. Os dois últimos já no governo Jair Bolsonaro. O BNDES é o segundo maior acionista da JBS. Em maio de 2020, tinha mais de 20% da empresa.

Em 2009, o BNDES determinou, em suas diretrizes, um prazo até 2016 para que todas as empresas de agropecuária que recebem seu apoio implementassem um sistema de rastreabilidade do gado desde o nascimento. O objetivo era evitar que gado criado ilegalmente em áreas de desmatamento fosse incluído na cadeia de produção de empresas que recebem financiamento público. A rastreabilidade do nascimento até o abatedouro é a única maneira de evitar a lavagem de bois: quando o fazendeiro retira o rebanho de uma propriedade ilegal e transporta para outra legal, para fazer a venda como se o animal tivesse sido criado legalmente desde o nascimento.

Em 2018, dois anos após o término do prazo estabelecido, um representante do BNDES admitiu que o banco não havia cumprido a diretriz que havia apresentado na década anterior. O anúncio havia sido uma resposta a investigações do Greenpeace e do Ministério Público Federal; elas mostravam que a pecuária ocupava cerca de 65% da área de desmatamento da Amazônia. Ao não combater essas práticas, as empresas lucram com o desmatamento e estimulam os desmatadores a continuar cometendo seus crimes.

CRESCE O NÚMERO DE BOIS EM ÁREAS PROTEGIDAS

O relatório da Anistia mostra a atuação de três fazendeiros que invadiram as reservas extrativistas do Rio Jacy-Paraná e do Rio Ouro Preto e a Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau, todas em Rondônia. O documento não cita nominalmente nenhum dos invasores. Mostra ainda um crescimento nas invasões a partir de 2019 e imagens de satélites que confirmam o avanço nos pastos inclusive neste ano. Além do dano ambiental, a invasão é feita com expulsão e ameaças a povos tradicionais e originários.

Além da própria JBS e do BNDES, a entidade mostra a omissão da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron), que tem dados detalhados sobre a criação de gado dentro das reservas, inclusive com as coordenadas geográficas das áreas e também sobre todas as movimentações do rebanho. As informações seriam suficientes para impedir a lavagem de gado criado em áreas de desmatamento ilegal.

Os dados da Idaron, obtidos via Lei de Acesso à Informação, mostram que o número de animais criados dentro de reservas passou de 125.560 a 153.566, entre novembro de 2018 e abril de 2020, um aumento de 22%. Também mostram que, ao longo de 2019, foram transferidos 89.406 bovinos de fazendas localizadas em áreas protegidas.

| Leonardo Fuhrmann é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Reprodução/Anistia Internacional): gado na Amazônia

You may also read!

No Rio e no Espírito Santo, apenas Coser apresenta propostas para combater a fome

Paes e Crivella ignoram segurança alimentar; atual prefeito carioca chegou a reter verba da merenda escolar durante a pandemia;

Read More...

País tem troca de cestas básicas por votos em 25 dos 26 estados

De Olho nos Ruralistas fez levantamento após viralização de vídeo contra a candidatura de Bruno Covas, em São Paulo,

Read More...

Cenário atual da fome, Norte tem só dois candidatos com planos para o tema

Dos dez candidatos que que disputarão o segundo turno em cinco capitais da região, apenas Edmilson Rodrigues, em Belém,

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.