Más condições da rodovia BA-160 aumentam riscos para quilombolas no interior da Bahia

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Quilombolas, Últimas

Mesmo com anúncio de obras no valor de R$ 650 mil pelo governo baiano, via que já teve várias mortes ainda não foi recuperada; com muitos buracos, estrada dificulta deslocamento para hospitais dos moradores de doze quilombos, que temem surto de Covid-19

Por Márcia Maria Cruz

A Covid-19 pode comprometer a respiração, levando à morte do infectado. O atendimento médico deve ser imediato para garantir a vida do paciente. No oeste da Bahia, porém, quilombolas enfrentam uma situação difícil, a se julgar  pela qualidade da principal via de acesso do Quilombo Rio das Rãs às cidades, onde fica a assistência hospitalar. Eles denunciam uma situação de penúria da BA-160, no trecho entre Bom Jesus da Lapa e Malhada, e os riscos que a rodovia estadual representa para as comunidades da região.

A preocupação aumenta frente ao avanço do novo coronavírus: caso haja um surto, a estrada será um empecilho para a busca de tratamento.  Representantes do movimento quilombola se reuniram, no dia 16, com pescadores, sindicatos e outros movimentos sociais para elaborar uma carta-manifesto em que reivindicam a intervenção imediata do governo da Bahia, comandado pelo petista Rui Costa.

Com cerca de 110 quilômetros, a rodovia liga Ibotirama ao município de Malhada. O trecho de aproximadamente 65 quilômetros entre Bom Jesus da Lapa e Malhada tem muitos buracos e, em alguns pontos, sequer tem vestígio do asfalto. “É uma luta muito antiga”, afirma o padre Marcos Silva, missionário redentorista que trabalha com comunidades quilombolas da Paróquia São João Batista, em Bom Jesus da Lapa. “A estrada é desumana”.

MORADOR PERDEU O PAI NA ESTRADA HÁ TRÊS ANOS

Leandro Pinto de Oliveira, de 33 anos, perdeu a conta do número de acidentes na BA-160. “Tivemos um acidente com meu tio recentemente”, conta o morador do Quilombo Rio das Rãs. “Meu pai faleceu nela em 2017. Isso deixa a gente indignado”. Wilson Pinto de Oliveira tinha 53 anos. Precisava pegar a estrada para ir Guanambi, onde fazia hemodiálise. “Ele passou mal e disse que não daria conta de chegar. Faleceu quando faltavam 13 quilômetros.” No dia 15, quase no mesmo local, o tio Albino Ramos de Oliveira capotou o carro. Quebrou a clavícula e a costela e foi hospitalizado.

O Quilombo Rio das Rãs recebeu a titulação em 1999 e reúne doze comunidades. Leandro lembra que o quilombo conta com um centro de saúde, mas, muitas vezes, os moradores precisam recorrer a atendimento de saúde mais complexo em Bom Jesus da Lapa. “Mas muitos não aguentam e acabam falecendo”, alerta. “Três mulheres grávidas ganharam bebê dentro do carro”. Ainda não foram confirmados casos de Covid-19, mas ele teme um surto. Com as condições da estrada o tratamento dos infectados seria dificultado.

A estrada passa por doze comunidades quilombolas, onde vivem cerca de 3,5 mil famílias. “A estrada é o acesso das comunidades para a cidade”, conta o padre Marcos Silva. “Se chegar um surto nas comunidades, os quilombolas vão morrer. Eles não têm como chegar ao hospital. Imagina fazer o deslocamento de um paciente com crise respiratória? Não tem condições”.

TRECHO REFORMADO BENEFICIA EMPREENDIMENTOS

O recapeamento da estrada é uma promessa do governo do Bahia. Em uma reunião pública, em 9 de julho de 2018, o governador Rui Costa afirmou que o governo transferiria recurso de R$ 650 mil para o consórcio formado pelas prefeituras da região para realizar as obras de recuperação da rodovia.

Na época ele disse o seguinte:

— Recebi um documento da comissão que pedia: governador, o senhor vai fazer, através do consórcio, a recuperação pra gente poder trafegar sem tanta buraqueira. Eles reforçavam que gostariam de ter o projeto definitivo de 60 quilômetros, para poder ter asfalto definitivo. Já autorizei, já determinei que, além desse R$ 650 mil, estamos autorizando o consórcio a fazer a recuperação e dar trafegabilidade da estrada, já determinei ao secretário que publique a licitação do projeto.

Mas o governo recuperou apenas 16 dos 65 quilômetros da estrada. “Temos a fala do governador anunciando”, diz o padre Marcos. “Saiu no Diário Oficial a recuperação dos 65 quilômetros, mas apenas 16 foram recuperados. Nada mais foi feito”.

Na avaliação dos líderes de movimentos sociais, a parte da estrada reformada atende a empreendimentos comerciais implantados na região. “Para eles, não é interessante recuperar a estrada do quilombo”, avalia o padre. “É racismo institucional”.

A reportagem entrou em contato com o governo da Bahia, mas, até o fechamento desta notícia, não obteve retorno.

| Márcia Maria Cruz é jornalista |

Fotos (Reprodução): As piores condições da BA-160 estão no trecho entre Bom Jesus da Lapa e Malhada

You may also read!

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu