Nabhan Garcia vira garoto-propaganda de loja de fuzis liberados por Bolsonaro

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas
Ex-presidente da UDR, Nabhan Garcia atuou contra o MST em São Paulo. (Foto: Redes Sociais)

Secretário de Assuntos Fundiários já foi acusado de ligações com uma milícia rural no Pontal do Paranapanema, em São Paulo; armas custam a partir de R$ 10 mil e podem ser compradas por colecionadores, caçadores, atiradores esportivos e proprietários rurais

Por Leonardo Fuhrmann

O secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Luiz Antônio Nabhan Garcia, se tornou um dos garotos-propaganda da loja de armas ISA, em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo. Uma reportagem da Folha mostrou Nabhan na loja ao lado de outros dois homens com fuzis na mão. Em outras fotos ele aparece até de ladinho. O proprietário da loja também agradece, em vídeo, ao presidente Jair Bolsonaro pelo afrouxamento das restrições ao uso de armas.

Nabhan Garcia, à direita: uma relação estreita com as armas. (Fotos: Reprodução)

A loja é a primeira representante da Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel) no Estado a ter autorização para vender fuzis do Exército. A empresa é uma estatal federal criada em 1975, ainda durante a ditadura militar, especializada na produção de armas para forças de defesa. Um conjunto de decretos presidenciais do ano passado mudou a classificação de alguns calibres e tipos de armas. Com isso, alguns fuzis e carabinas antes restritos a militares puderam ser introduzidos no mercado civil de armas.

Nabhan já foi acusado de participar de milícias rurais que tinham o objetivo de intimidar integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, como mostrou De Olho nos Ruralistas ,em parceria com o Intercept Brasil: “Milícias e fuzis: as más companhias de Nabhan Garcia, o homem de Bolsonaro para a reforma agrária”.

SECRETÁRIO TERIA POSADO AO LADO DE MILICIANOS

Investigações da polícia e da CPI da Terra, em 2005, ligaram a formação de um grupo de milicianos rurais da região do Pontal do Paranapanema, no oeste paulista, a Nabhan Garcia, fazendeiro da região e presidente da União Democrática Ruralista (UDR). Eles chegaram a anunciar a formação de um “centro de treinamentos” onde se preparavam para resistir às ações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O objetivo era apresentar poderio paramilitar para intimidar os camponeses, com armas proibidas no Brasil ou de uso restrito às Forças Armadas.

Em julho de 2003, uma reportagem do Estadão mostrou um grupo de homens da milícia, encapuzados e com fuzis em punho. Dias depois, um fazendeiro próximo a Nabhan foi preso em flagrante pela Polícia Federal por porte ilegal de armas. Ele afirmou que parte do armamento pertencia ao hoje secretário. O preso afirmou ainda que a reportagem havia sido feita em uma das fazendas de Nabhan Garcia, a São Manoel. Segundo ele, o próprio Nabhan aparecia na foto junto aos milicianos — ele seria o quinto da esquerda para a direita, com o rosto coberto, como os outros, usando um boné da Mercedes-Benz.

| Leonardo Fuhrmann é repórter do De Olho nos Ruralistas|

You may also read!

Apenas 1/3 da cúpula ruralista votou pela prisão de Chiquinho Brazão

Entre 48 deputados que integram cargos de comando na Frente Parlamentar da Agropecuária, 20 votaram contra a detenção do

Read More...

Gigantes da moda usam algodão “sujo” do Cerrado em suas roupas

Pesquisa da ONG Earthsight identificou que as marcas Zara e H&M, líderes mundiais no setor, usam matéria-prima oriunda dos

Read More...

Dossiê “Arthur, o Fazendeiro” é finalista do prêmio Megafone

Pesquisa sobre a face agrária do presidente da Câmara analisou o domínio territorial e político dos clãs Pereira e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu