Em nota, Cargill informa não ter relação com ação questionando demarcação da TI Munduruku do Planalto Santareno

In Povos Indígenas, Sem categoria

Veja abaixo íntegra da nota da empresa, em resposta à reportagem “Cargill compra soja de fazendeiros com propriedades sobrepostas a território indígena em Santarém (PA)”:

Em relação ao relatório da APIB em parceria com a Amazon Watch, a Cargill sempre busca atuar com base em princípios éticos e em conformidade com a legislação das localidades onde atua, a fim de fortalecer os sistemas alimentar e agrícola. Em todas as nossas operações, consideramos os seguintes pontos como compromissos essenciais:

– Demonstrar integridade, ética e transparência
– Operar cadeias de abastecimento sustentáveis
– Proteger os direitos humanos
– Promover a inclusão e a diversidade
– Garantir a segurança das pessoas, animais e do sistema alimentar

Em nossa política pública e voluntária de soja sustentável, destacamos nosso compromisso em respeitar e defender os direitos dos trabalhadores, povos indígenas e comunidades locais. Com relação à posse da terra, nosso compromisso é apoiar as Diretrizes Voluntárias da FAO sobre Governança Responsável da Posse de Terra; e respeitar os direitos dos povos indígenas e comunidades locais. Apoiamos o Consentimento Livre, Prévio e Informado (CLPI) como um elemento fundamental para proteger esses direitos. Isso se baseia em nosso Compromisso de Direitos Humanos, que descreve nosso trabalho inabalável para tratar com dignidade e respeito todas as pessoas em nossas cadeias de abastecimento e nas comunidades onde trabalhamos.

Em relação ao processo judicial mencionado no relatório, é importante esclarecer que a Cargill não faz parte dessa ação e não consta em nenhum dos autos da ação.

Sobre as cadeias de suprimentos sustentáveis, abordando o desmatamento e a conversão de terras nativas, além de nosso trabalho para proteger os direitos humanos, a Cargill está promovendo a sustentabilidade de toda a cadeia de abastecimento da soja. Como cumprimos todas as leis e acordos onde operamos, a Cargill tem sido um dos principais apoiadores da Moratória da Soja na Amazônia, um pacto comercial voluntário assinado em 2006 pela indústria de óleo vegetal e exportadores de cereais junto com a sociedade civil e organizações governamentais. Com a assinatura do documento, a indústria se comprometeu a não comprar soja de terras desmatadas após 2008. Esse esforço já contribuiu para a queda de 80% do desmatamento na Amazônia na última década e, em 2016, foi prorrogado indefinidamente.

Também temos o compromisso público de eliminar o desmatamento em nossas cadeias produtivas até 2030. Para atingir essas metas, temos planos de ação focados nas cadeias prioritárias, incluindo a soja na América do Sul.

Nossa política de soja sustentável permite que os valores de sustentabilidade e o desenvolvimento agrícola na América do Sul floresçam simultaneamente. A Cargill ocupa uma posição única entre produtores e consumidores. Por esse motivo, estamos empenhados em tomar medidas práticas para ajudar a proteger as florestas, minimizar o papel da agricultura como vetor do desmatamento, oferecer aos agricultores acesso aos mercados e promover o desenvolvimento econômico rural. Nosso principal objetivo é ter uma rede de fornecedores livre de desmatamento, com alto padrão de transparência, que beneficie as comunidades e faça prosperar os produtores rurais. Desta forma, colocamos em prática o nosso propósito, que é alimentar o mundo de forma segura, responsável e sustentável.

Para cumprir nossa política, criamos um Plano de Ação da Soja na América do Sul, desenvolvida em consulta com diversas partes interessadas para fornecer ações específicas e com prazo determinado para promover a sustentabilidade no abastecimento de soja no Brasil. A cada seis meses, publicamos um relatório de progresso, que mostra como estamos avançando de forma consistente em nossa meta de acabar com o desmatamento em nossas cadeias.

Desde que publicamos o primeiro relatório sobre soja sustentável, fizemos um progresso significativo (veja a última edição aqui). Mais detalhes, bem como a evolução dos resultados no segundo semestre de 2020, serão divulgados publicamente em nosso próximo relatório (previsto para janeiro de 2021).

Todos esses avanços agregam valor e a Cargill está comprometida com a transparência para demonstrar como estamos cumprindo nossos compromissos. Temos um canal aberto para receber eventuais reclamações e dúvidas, bem como um processo formal de política de denúncias. Essa abordagem estruturada nos ajuda a garantir que as manifestações das partes interessadas sejam tratadas de maneira construtiva e oportuna. Acreditamos que ouvir e trabalhar com todos os parceiros em nossa cadeia de suprimentos, por meio de um processo aberto, acessível, transparente e consultivo, é a melhor maneira de resolver quaisquer eventuais conflitos.

Foto principal (Divulgação/Cargill): terminal de grãos da Cargill em Santarém é o principal ponto de saída da soja produzida no território Munduruku

You may also read!

Agronegócio usa o fogo para explorar, destruir e ameaçar, mostra dossiê

A segunda publicação da articulação Agro é Fogo aponta casos de violência do agronegócio contra os povos do campo

Read More...

Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

Juiz de São Francisco do Guaporé expede seis ordens de prisão e outras 26 de busca e apreensão contra

Read More...

Contra a fome e a inoperância do governo, camponeses voltam a pressionar o Incra

Movimentos sociais realizaram atos em diversas regiões do país; desde que Bolsonaro assumiu o poder, segundo o MST, nenhum

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu