Imprensa nacional e internacional repercute relatório sobre invasão de terras indígenas

In De Olho na Imprensa, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Grilagem, Principal, Últimas

UOL, BBC, O Globo, AFP, O Eco, Alai e Repórter Brasil, entre outros veículos, destacaram os casos de empresas envolvidas em conflitos territoriais; publicação assinada por Apib e Amazon Watch teve boa parte da pesquisa feita pelo De Olho nos Ruralistas

Por Mariana Franco Ramos

A BBC Brasil, os portais UOL, O Globo e O Eco – Jornalismo Ambiental, o Correio de Carajás, a Repórter Brasil, a Agência France-Presse (AFP) e a América Latina en Movimiento, da Agencia Latinoamericana de Información (Alai), entre outros veículos nacionais e internacionais de imprensa, repercutiram a publicação da terceira edição do relatório “Cumplicidade na Destruição III: como corporações globais contribuem para violações de direitos dos povos indígenas da Amazônia brasileira“.

Lançada nesta terça-feira (27) pela Associação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e pela Amazon Watch, a publicação foi produzida a partir de pesquisas do De Olho Nos Ruralistas — que fez a maior parte da apuração do lado brasileiro —, do Observatório da Mineração e da instituição holandesa de pesquisa Profundo.

O observatório produz um material próprio a partir da pesquisa realizada para o relatório — e que não necessariamente entraram no documento final. A primeira reportagem da série “Fúria Cadastral”, iniciada ontem, mostra registros de propriedades sobrepostos em até 100% dos territórios ancestrais: “Terras em 297 áreas indígenas estão cadastradas em nome de milhares de fazendeiros“.

O documento “Cumplicidade na Destruição” reúne onze casos de empresas brasileiras envolvidas direta ou indiretamente em conflitos territoriais e suas respectivas cadeias de compradores e financiadores estrangeiros. Eles também compõem a série “Fúria Cadastral”. Confira, por exemplo, esta reportagem de Poliana Dallabrida: “Cargill compra soja de fazendas sobrepostas a território indígena em Santarém (PA)“.

Além do grupo estadunidense, compõem o relatório as mineradoras Vale, Anglo American e Belo Sun; as empresas do agronegócio JBS e Cosan/Raízen; e as companhias de energia Energisa Mato Grosso, Bom Futuro Energia, Equatorial Energia Maranhão e Eletronorte.

Leia mais sobre o lançamento do relatório neste texto: “De Olho nos Ruralistas estreia série sobre avanço de empresas e bancos contra terras indígenas“.

BBC DESTACA PAPEL DOS BANCOS E FUNDOS ESTRANGEIROS

O colunista Rubens Valente, do UOL, foi quem saiu na frente e pautou boa parte dos demais veículos. Ele citou os conflitos nos quais as atividades (diretas ou indiretas) de uma empresa ameaçam as terras indígenas e/ou violam os direitos dos povos indígenas na Amazônia brasileira. Valente foi um dos que registraram o trabalho do observatório para formar a base de dados, a partir de 797 casos que correm na Justiça.

A Repórter Brasil contou que o De Olho nos Ruralistas foi o responsável pelo cruzamento de dados de violações, colhidos a partir de entrevistas com associações e indígenas de todo país, e pelo levantamento de processos judiciais, com informações da cadeia produtiva, investidores internacionais e compradores.

O lançamento do relatório foi noticiado ainda pela AFP, que distribui conteúdo para 151 países, em seis idiomas. A Global Times foi um dos sites que publicou o material. Nem todos os veículos deram crédito a quem fez a pesquisa — apenas às duas instituições que assinaram o documento.

A BBC deu destaque aos bancos e fundos estrangeiros que investiram em empresas acusadas de violar os direitos dos povos indígenas. Seis instituições financeiras dos Estados Unidos investiram mais de US$ 18 bilhões (cerca de R$ 101 bilhões na cotação atual) desde 2017 em nove companhias acusadas de impactar negativamente os povos originários. A reportagem de Mariana Schreiber foi reproduzida em outros veículos, como Época Negócios, Terra e BOL.

O mapeamento também foi mencionado na reportagem “Estudo revela como BNDES e BlackRock financiam a violência contra indígenas no Brasil“, de Fernanda Wenzel e Pedro Papini, para O Eco, especializado em jornalismo ambiental. Os repórteres lembram que nove empresas associadas à invasão ou pressão sobre terras indígenas no bioma receberam US$ 63,2 bilhões em investimentos.

Na coluna de Lauro Jardim, de O Globo, Marta Szpacenkopf conta que as mineradoras fazem reserva de mercado em terras indígenas, embora a atividade seja ilegal nestes territórios. O relatório foi notícia, ainda, no site Latin America in Movement e no portal Amazônia, que ressaltou como BNDES e BlackRock financiam a violência contra os povos originários.

O foco do portal Correio de Carajás foi o cumplicidade de quatro empresas da região — Vale, JBS, Raízen e Eletronorte — na destruição de terras indígenas. O site Roraima 1 também deu ênfase à questão regional. A Eletronorte, uma das onze empresas mencionadas, tem sede no estado. O mesmo fez o blog de Diego Emir, ao destacar a Equatorial, do Maranhão, repercutindo a notícia do UOL.

O Brasil Norte Comunicação, de Manaus, fez um texto baseado na contestação das empresas ao relatório.

Mariana Franco Ramos é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Bruno Kelly/Amazonia Real): Aldeia Massape, onde vivem cerca de 200 Kanamari, na Terra Indigena Vale do Javariri

You may also read!

Prefeito com fazenda no quilombo Mesquita, na divisa com Brasília, se reelege em Cidade Ocidental (GO)

Nos últimos quatro anos, Fabio Correa (PP) triplicou o patrimônio e adquiriu mais 20 hectares dentro da comunidade tradicional

Read More...

Apresentador do SBT no Paraná diz que “polícia pode descer bala” em indígenas

Retransmissora pertence à família do governador Ratinho Junior; discriminação e ameaças de morte em Nova Laranjeiras colocam em risco

Read More...

Território indígena no Pará é invadido dois dias após acusado de grilagem se eleger prefeito

Em 2016, quando também era prefeito, João Cleber ameaçou renunciar ao cargo em São Félix do Xingu (PA) caso

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.