Acusado de corrupção, ex-assessor de Katia Abreu tenta voltar à prefeitura em Goiatins (TO)

In De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Senadora abrigou Vinícius Donnover Gomes em seu gabinete após ele ser preso pela PF; candidatura está sub judice em razão da Lei da Ficha Limpa; prefeito no início da década, ele diz não ter terras hoje, mas já foi multado por desmatamento no município

Por Leonardo Fuhrmann

Prefeito de Goiatins entre 2012 e 2016, Vinícius Donnover Gomes (PSD) tenta nesta eleição retornar ao cargo. O primeiro desafio não vem das urnas, mas da Justiça Eleitoral. Sua candidatura foi indeferida e ele entrou com recurso que o mantém na disputa. Ou seja, pode ser que, mesmo sendo eleito, seja impedido de tomar posse. O indeferimento de sua candidatura tem como base a Lei da Ficha Limpa.

Quando era prefeito, Gomes teve as contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Ele chegou a ser preso pela Polícia Federal em 2016, acusado de participação em uma quadrilha acusada de desviar de R$ 10 milhões de recursos públicos. Ele também foi acusado de lavagem de dinheiro.

Apesar do valor envolvido, Gomes declarou posses modestas à Justiça Eleitoral. Diz ser dono apenas de uma casa avaliada em R$ 150 mil. Quando eleito, ele declarou ser dono de 50 reses, que não constam da declaração apresentada agora ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em nenhuma delas há menção a propriedades rurais. Isso não impediu que, em 2016, mesmo ano em que foi preso, Gomes tivesse sido multado pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por desmatamento. As duas multas, em março daquele ano, somaram pouco mais de R$ 1,23 milhão. As autuações ambientais têm como base a área destruída.

TRÊS ANOS APÓS A PRISÃO, UM CARGO NO SENADO

Após ter sido preso, Gomes não ficou completamente afastado da política. No ano passado, ele trabalhou como assessor no gabinete da senadora Katia Abreu (PP). Segundo a página do Senado, ele prestava serviço no escritório de apoio da parlamentar, em Tocantins. Em julho de 2020, último mês em que prestou serviço para a senadora, Gomes recebeu pouco mais de R$ 2 mil líquidos, além de uma verba de quase R$ 1 mil de auxílio-alimentação.

Katia é hoje uma das líderes do Centrão no Senado e é uma das políticas mais influentes do Tocantins. Seu filho Irajá (PSD) também é senador pelo estado. Ela foi ministra da Agricultura durante o governo Dilma Rousseff e presidiu por dois mandatos seguidos a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), uma das principais entidades representativas dos ruralistas.

A família da senadora tem interesses diretos na região do Matopiba, formada pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, conforme noticiou o observatório em relação à participação de Irajá em projeto de lei sobre regularização de terras griladas: “Texto de Irajá na MP da Grilagem beneficia negócios do padrasto“.

Leonardo Fuhrmann é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Facebook): Goiatins (TO) aguarda decisão da Justiça Eleitoral sobre candidatura de ex-prefeito

You may also read!

Berço da Lava Jato e da Carne Fraca, Paraná é palco de conflitos históricos

Família do procurador Deltan Dallagnol possui latifúndios no noroeste do Mato Grosso, em região de litígio com o Incra;

Read More...

Delfin diz que preservará vales e fará supressão de 34,2% de Chapada na Bahia

Administradora do Condomínio Cachoeira do Estrondo obteve autorização para devastar 24.732 hectares, área maior que Recife; em nota enviada

Read More...

Empresários e políticos de SC colecionam latifúndios na Amazônia Legal

Irmãos Fuck, rivais de Dallagnol no MT, Celso Maldaner (MDB-SC) e Valdir Colatto (MDB-SC) estão entre os fazendeiros na

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu