MPF apura caso de apresentador do SBT que ameaçou indígenas no Paraná

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Órgão instaurou “notícia de fato” após publicação de reportagem do De Olho Nos Ruralistas; Luciano Alves, que atua em retransmissora pertencente à família do governador Ratinho Júnior, disse que “polícia pode descer a bala” em jovens Kaingang

Por Mariana Franco Ramos

O Ministério Público Federal (MPF) anunciou nesta quarta-feira (9) que instaurou um procedimento — que chama de Notícia de Fato — para apurar a prática de incitação de violência e discriminação contra indígenas por parte de policiais e jornalistas no Paraná. O procedimento foi aberto no dia 24 de novembro, após publicação de uma reportagem do De Olho Nos Ruralistas, que repercutiu a conduta racista do apresentador Luciano Alves, do programa Tribuna da Massa, da TV Naipi. Alves e a emissora, que pertence à família do governador Ratinho Júnior (PSD), têm 15 dias para se manifestarem.

Moradores da TI e agentes da PRF entraram em confronto após saque a caminhão (Foto: Divulgação/PRF)

No dia 17 de novembro, em transmissão ao vivo, o apresentador acusou os Kaingang, sem provas, de colocar óleo na pista da BR-277 para provocar acidentes e saquear os motoristas. E defendeu uma intervenção urgente das autoridades. O MPF destaca trechos das falas, reproduzidos na notícia do observatório, para embasar a investigação:

— Agora vai ter mais: a polícia pode descer bala. Agora é bala de borracha, é bomba, é gás em cima desses índios. E que sejam punidos. Vocês sabem das regras, vocês não andam pelados, com a cara pintada, não têm aquelas gotas de prato não. Então vocês prestem atenção. Vocês vão para a cadeia. Quadrilha!

Os programas são geralmente retransmitidos na íntegra no Facebook da TV Naipi. Após a repercussão do caso, contudo, a emissora retirou a edição do ar.

Os moradores da TI Rio das Cobras, entre os municípios de Nova Laranjeiras e Laranjeiras do Sul, na região central do Paraná, passaram a sofrer discriminação e ameaças, inclusive de morte, quando quatro jovens da comunidade foram presos. Os rapazes foram acusados de saquear a carga de um caminhão e de pisotear o corpo de um homem após um grave acidente na BR-277. Atualmente, 826 famílias — 3.326 pessoas no total — vivem no território.

‘SENTA O DEDO, PRF’, ESCREVEU POLICIAL EM GRUPO DE MENSAGENS

Na quinta-feira (03), o procedimento do MPF foi atualizado para verificar também a prática de incitação de violência e discriminação contra os indígenas por repórteres e policiais, depois que o site “Brasil de Fato PR” mostrou trechos de uma conversa entre agentes e jornalistas em um grupo de mensagens virtual. José Batista dos Santos, capitão da 6ª Companhia da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) do Paraná, escreveu que a Polícia Federal (PF), a PRF e o Exército deveriam bater em indígenas até “deixar o lombo mais mole que a barriga”.

De acordo com o documento, outras frases discriminatórias foram proferidas virtualmente: “‘Esses seres’ não respeitam nada nem ninguém”, “Senta o dedo PRF”, “Fazer essas ‘coisas’ aprenderem na marra a respeitar a lei e os outros”, “Audácia, alguém tem q fazer alguma coisa, tá difícil” e “Essa gente vai acabar matando mais pessoas inocentes na rodovia”. O Comando da PRE e a Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná (Sesp) têm quinze dias para se manifestarem.

Mariana Franco Ramos é repórter do De Olho nos Ruralistas. |

Imagem principal (Reprodução/Globoplay): programa Tribuna da Massa, apresentado por Luciano Alves, é exibido ao vivo para Foz do Iguaçu e região

|| A cobertura sobre segurança e soberania alimentar durante a pandemia tem o apoio da Fundação Heinrich Böll Brasil ||

You may also read!

Assentados do Pará denunciam extorsão por advogado ligado ao agronegócio

Eles dizem que tática de William Lopes é difamar órgãos públicos, ONGs e sindicatos, enquanto cobra dinheiro para criar

Read More...

Acusado de matar líder, fazendeiro ameaça com armas e drones no Tocantins, contam camponeses

Em 2018, o grileiro Paulo Freitas conseguiu expulsar famílias que acampam em Palmeirante; hoje ele intimida as famílias obrigadas

Read More...

Plataforma mostra uso do fogo como arma de guerra contra povos do campo

Dossiê lançado por trinta organizações retrata devastação ambiental e conflitos por terra gerados pelo agronegócio no Cerrado, na Amazônia

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.