Quem é Jacintho, homenageado por Gilberto Gil, o fazendeiro acusado de matar Marcos Veron

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Falecido em 2019, aos 102 anos, Jacintho Honório da Silva Filho é apontado como mandante do assassinato do líder Guarani Kaiowá; família vive “dolce vita” entre São Paulo e Londres, com festas de gala e amizade com celebridades e um barão Rothschild

Por Bruno Stankevicius Bassi e Mariana Franco Ramos

Gil e a esposa Flora com Jacintho e a esposa Vanda (Foto: Reprodução)

“Jacintho,
Já sinto certa inveja de você
100 anos não é para qualquer um viver”

Lançada no álbum “OK OK OK”, de 2018, a música “Jacintho” é uma homenagem de Gilberto Gil, cantor e compositor internacionalmente aclamado e ganhador de dois prêmios Grammy.

A canção ganhou um clipe onde Gil conta que a composição foi um presente ao amigo Jacintho Honório da Silva Filho, que completara 100 anos de idade em outubro de 2016. A canção seria performada pela primeira vez na festa de gala que marcou o centenário do fazendeiro, mas Gil não participou por motivos de saúde. O vídeo exibe fotos dos bois e fazendas que Jacintho acumulou ao longo da vida. Mas algo ficou de fora.

Há mais de duas décadas, Jacintho e sua família protagonizam um dos maiores conflitos fundiários do Brasil. O fazendeiro é apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como mandante do assassinato do cacique Marcos Veron, líder histórico do povo Guarani Kaiowá, assassinado em 2003 por funcionários da Fazenda Brasília do Sul e por pistoleiros, que o espancaram até a morte durante tentativa de retomada do território. Denunciado por homicídio duplamente qualificado, o fazendeiro teve sua pretensão punitiva prescrita em junho de 2013, em função da idade avançada, e nunca foi julgado.

A violação dos direitos indígenas no Mato Grosso do Sul e os negócios internacionais por trás da disputa pela Terra Indígena Taquara são tema do relatório Sangue indígena: A verdade incômoda por trás do frango exportado para a Europa”, lançado no dia 11 pelo De Olho nos Ruralistas, em parceria com a ONG britânica Earthsight.

Ao longo de um ano, a pesquisa registrou as cadeias de exportação que ligam a soja produzida no território reivindicado pelos Guarani Kaiowá à importação de frango por varejistas e redes de fast food na Europa. A reportagem também percorreu os outros negócios da família: da pecuária no Pantanal, tema da próxima reportagem, ao apoio declarado ao presidente Jair Bolsonaro, passando pela amizade com ministros, celebridades e até mesmo um barão Rothschild.

Confira abaixo, no vídeo, um resumo desta história:

FESTA DE 100 ANOS DO PECUARISTA REUNIU ALTA SOCIEDADE PAULISTANA

Enquanto os Kaiowá vivem um cotidiano de ameaças e incertezas no Mato Grosso do Sul, os herdeiros de Jacintho Honório da Silva Filho desfrutam de uma “dolce vita” em São Paulo. A matriarca da família, Vanda Moraes, as três filhas do casal – Márcia, Monica e Cacilda –, as netas e os genros são presença constante nas colunas sociais, patrocinando festas suntuosas ao lado de políticos e celebridades no luxuoso bairro dos Jardins, berço da alta sociedade paulistana. Todos têm ligação umbilical com o agronegócio.

Jacintho faleceu em meados de 2019, perto de completar 103 anos. Seu filho, o pecuarista Jacinto Honório da Silva Neto, conhecido como Jacintinho, morreu em março de 2020.

Philippe Rotshchild e a esposa Cris Lotaif em festa de 100 anos de Jacintho. (Foto: Glamurama)

Com direito a cobertura do portal Glamurama, a festa de 100 anos do patriarca, em outubro de 2016, reuniu personalidades como o ex-ministro da Justiça Nelson Jobim, a ex-modelo e estrela de campanhas da Victoria’s Secret Isabella Fiorentino, o representante da montadora britânica Bentley no Brasil Wladimir Nikolaieff e seu sócio, o “conde” Chiquinho Scarpa, famoso por “enterrar” um carro da marca em uma ação de marketing.

Entre os mais de 800 convidados, a festa black tie contou com a presença ilustre de um representante da dinastia Rothschild. Figura comum nas festas da família Jacintho, o ex-banqueiro Philippe de Nicolay Rothschild é filho adotivo de Guy de Rothschild. Vivendo no Brasil desde 2010, Phillipe atua representando os interesses da família, seja importando vinhos da Domaines Barons de Rothschild, seja assessorando a Rothschild & Co, quarta maior consultoria de fusões e aquisições em atividade no país.

Outra habitué das festas do clã Jacintho é a empresária Flora Gil, esposa de Gilberto Gil. Os dois são constantemente fotografados em encontros privativos com a matriarca Vanda, com quem mantêm uma amizade antiga.

Procurado através de sua assessoria, o cantor não deu retorno até o fechamento da reportagem. Solicitados para oferecer um posicionamento sobre o relatório, representantes da família Jacintho informaram que não responderiam à publicação.

Vanda Jacintho e Jacintho Honório em festa de gala nos Jardins. (Foto: Reprodução)

ESTILISTA EM LONDRES, NETA É PERSONAGEM FREQUENTE NA VOGUE

As duas filhas de Márcia Morais atuam no mundo da moda. A estilista Vanda Jacintho Duarte Goulart, que leva o nome da avó, mora em Londres, onde desenha joias e roupas. A estilista define sua marca como “uma marca de moda para a noite e resorts de luxo, feitas para viajar pelo mundo”. Ela vende para grandes magazines europeias, como a britânica Koibird, as francesas Karry Gallery e Anne Deauville e a italiana Luisa Via Roma.

Com preços até R$ 4 mil, marca aborda temas indígenas e dos biomas brasileiros. (Foto: Divulgação)

Com preços variando entre £190 a £720 (R$ 1.170 a R$ 4.430), a designer começou a carreira aos 17 anos, quando foi selecionada para auxiliar a editora de Moda da Vogue Brasil. A revista, aliás, costuma publicar todos os passos da herdeira, do lançamento de coleções à inauguração da primeira loja, em maio de 2019.

Em 2016, por exemplo, a estilista abriu as portas de seu guarda-roupa e elegeu, para a Vogue, “peças vintage favoritas herdadas da mãe e da avó”. Ela fala mais sobre o assunto em uma entrevista dada à Revista da Folha, em 2008, reproduzida de artigo da socióloga Carolina Pulici:

— Vanda Jacintho mora nos Jardins, dorme numa imensa cama de jacarandá que pertenceu ao avô e dispõe de um closet cuja maioria das peças era da avó: nove bolsas Chanel (das antigas coleções), sete vestidos do estilista Markito, peças das grifes Hermès, Ferragamo, Puccis, Elle et lui e biquínis da Beach Couture, que ‘também carrega o perfume de outras gerações’ e que, mais comportados, ‘são biquínis para moças finas. Fazem sucesso em lugares como Dubai, Grécia, Irlanda e Sul da França’. Amadora de Ella Fitzgerald e Billie Holliday, ‘Vandinha’, 28 anos, é retratada como alguém que se formou em marketing de moda pela London College of Fashion, mas que, malgrado tal aprendizado formal das artes indumentárias, foi mesmo é com a avó que aprendeu que ‘estilo é como castelos, não se compra, se herda’”.

MODA, BOIS E JOÃO DÓRIA

Junto ao irmão Pedro e os pais Klauss e Márcia, Vanda é sócia na Agropecuária Novo Agro Ltda, em Corumbá, no Mato Grosso do Sul, no coração do Pantanal. Também estilista, a irmã Stella não entrou na sociedade.

Stella Jacintho ao lado de Bia Dória: herdeira ocupou cargo em secretaria de SP. (Foto: Reprodução)

Ela é uma das criadoras da Thelure, grife feminina voltada para “meninas ricas e bem-nascidas”, conforme reportagem da Veja SP, de fevereiro de 2017. O negócio acumulou dívidas fiscais de cerca de R$ 15 milhões por impostos devidos. A empresa foi então vendida para o grupo Moda Brasil, mantendo Stella no posto de diretora de estilo.

Em janeiro de 2019, a socialite tornou-se assessora técnica da Secretaria de Governo de São Paulo, na gestão de João Dória, pré-candidato à presidência pelo PSDB. Menos de um ano depois, teve seu contrato rescindido e hoje se dedica a trabalhos voluntários. É conselheira da Associação Feminina de Estudos Sociais e Universitários (Afesu) e embaixadora da Associação de Resgate à Cidadania por Amor à Humanidade (ARCAH).

A família, aliás, já tentou abrir uma ONG. Anunciada pela matriarca Vanda Jacintho em 2003, a União em Defesa do Estado de Direito nunca chegou a se formalizar. Criada com o objetivo de resolver o conflito com os Kaiowá na Fazenda Brasília do Sul, a iniciativa naufragou após o assassinato de Marcos Veron.

| Bruno Stankevicius Bassi é coordenador de projetos do De Olho nos Ruralistas. |
|| Mariana Franco Ramos é jornalista. ||

Foto principal (Reprodução/YouTube): trecho do clipe de “Jacintho”, do cantor Gilberto Gil, mostra letra da música acompanhada de foto dos dois amigos

LER MAIS
De Olho nos Ruralistas e Earthsight lançam relatório sobre violências contra Guarani Kaiowá no MS
Cargill, Bunge, C. Vale e Coamo: conheça empresas que compram soja de área reivindicada pelos Guarani Kaiowá

You may also read!

Filho de Bolsonaro defende fazendeiros que ocupam terras ligadas ao clã Dallagnol

Propriedades da família do ex-procurador, em Nova Bandeirantes (MT), têm sobreposições com Projeto de Assentamento Japuranã; deputado estadual

Read More...

Saiba quem é o dono da fazenda onde Guarani Kaiowá foi assassinado, no Mato Grosso do Sul

Massacre policial ocorreu nesta sexta-feira, em Amambai, na fronteira com o Paraguai, e deixou oito feridos; pecuarista tem várias

Read More...

Perícia mostra “triplex” de terras rurais da família Dallagnol no Mato Grosso

Sobreposição é uma das acusações do Incra para reaver dinheiro gasto com desapropriações; fazendas de tios e pai do

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu