Itaú nega conexão com empresários donos de fazendas em terras indígenas no MS

In De Olho no Agronegócio, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Empresas brasileiras, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Dossiê “Os Invasores” levantou quatro sobreposições no Mato Grosso do Sul cujos titulares tiveram relações econômicas com o banco; conexões vão de investimento de R$ 400 milhões do fundo Kinea a ex-sócio de Walther Moreira Salles em latifúndio no Pantanal

Por Hugo Souza e Tonsk Fialho

Lançado no dia 19 de abril, o relatório “Os Invasores: quem são os empresários brasileiros e estrangeiros com mais sobreposições em terras indígenas”, produzido pelo De Olho nos Ruralistas, divulgou o nome das pessoas físicas e jurídicas por trás de 1.692 casos de sobreposição de fazendas em territórios delimitados pela Fundação Nacional do Índio (Funai), com base nos registros fundiários do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Além da participação de fazendeiros e de multinacionais do agronegócio, o relatório revela a presença expressiva do setor financeiro em conexão com os proprietários de imóveis sobrepostos a terras indígenas.

Relatório mostra participação de setores do agronegócio no ataque aos direitos indígenas. (Imagem: De Olho nos Ruralistas)

Maior banco privado do país e maior conglomerado financeiro do Hemisfério Sul, o Banco Itaú se conecta economicamente a quatro sobreposições de terras indígenas no Mato Grosso do Sul.

A principal delas ocorre por meio do fundo de investimento Kinea. Em outubro de 2022, ele anunciou um aporte de R$ 400 milhões na Alvorada Produtos Agropecuários, empresa de serviços que tem como um dos sócios o dono de um imóvel que avança com 53,4 dos seus 715,7 hectares sobre a TI Guyraroká.

Localizada no município de Caarapó (MS), a Fazenda Santa Emília está registrada em nome do empresário Feres Soubhia Filho, um dos proprietários da Alvorada. Fundada em 1986, em Dourados, no mesmo estado, a empresa possui sede em Goiânia e opera lojas em sete estados. Voltada para atender fazendeiros e pecuaristas, a rede vende medicamentos veterinários para rebanhos, herbicidas para pasto e até arame farpado.

Pertencente aos Guarani Kaiowá, o território possui um papel central na discussão sobre o Marco Temporal. Em 2014, o procedimento administrativo de demarcação da TI Guyraroká foi anulado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), acolhendo a tese de produtores rurais da região de que os indígenas só teriam direito ao território se pudessem comprovar sua ocupação ininterrupta desde 05 de outubro de 1988, data de promulgação da Constituição. A tese não considera que milhares de indígenas foram continuamente expulsos de suas terras antes, durante e depois da aprovação da lei maior, só conseguindo retomá-los em anos recentes.

O processo da TI Guyraroká foi reaberto em 2021, tornando-se um caso de repercussão geral. Isto é, caso seja validada pelo STF, a tese do Marco Temporal poderá ser aplicada para todas as terras indígenas do Brasil, o que, na prática, colocará um fim à demarcação de novos territórios.

Procurado pela reportagem, o Itaú se limitou a afirmar que “a propriedade citada não pertence à empresa investida ou suas subsidiárias”.

Ao lado de Feres Soubhia Filho, dono da Fazenda Santa Emília, a subsidiária de investimentos do banco possui assento no Conselho de Administração da Alvorada Produtos Agropecuários. O Kinea, por sua vez, possui dois dos cinco integrantes de seu quadro societário vinculados ao banco: as empresas Itaú Unibanco S.A. e a Itaú Consultoria De Valores Mobiliários E Participações S.A.

Loja da Alvorada Produtos Agropecuárias em Ji-Paraná (RO): rede foi comprada pelo fundo Kinea, do Itaú, por R$ 400 milhões. (Foto: Divulgação)

EX-SÓCIO DOS MOREIRA SALLES TEM FAZENDA NA TI DOURADOS-AMAMBAIPEGUÁ

O banco da família Moreira Salles atua no agronegócio desde 2002, quando comprou o BBA Creditanstalt. Com participação crescente no ramo, o Itaú lançou em 2021 um projeto de fomento a startups agrícolas que, em dois anos, captou cerca de R$ 1 bilhão de investidores nacionais e internacionais.

Mas a experiência do Itaú no agronegócio vai muito além. A própria fortuna das famílias que compõem o conselho diretivo do conglomerado está intimamente ligada à agricultura.

David Rockefeller e Walther Moreira Salles: sócios no Pantanal. (Foto: Arquivo IMS)

João Moreira Salles, patriarca fundador do Unibanco, começou os negócios com o comércio e exportação de café no nordeste do estado de São Paulo. Ele chegou a possuir, entre as décadas de 1950 e 1960, a maior área contígua de cafezais do mundo: 370 mil hectares dispostos entre os municípios paranaenses de Goioerê e Campo Mourão, além de outros 57 mil hectares em Matão (SP).

Desse enorme latifúndio restou a Fazenda do Cambuhy: uma área de 5.803 alqueires (14 mil hectares) que já abrigou os Rolling Stones e hoje dá nome ao fundo de investimentos da família Moreira Salles.

Mick Jagger e Keith Richards também estiveram na Fazenda Bodoquena, na serra homônima no Mato Grosso do Sul, uma propriedade de 400 mil hectares que, segundo o Instituto Moreira Salles, foi adquirida em 1956 da Companhia Industrial Franco-Brasileira. Filho de João, Walther Moreira Salles associou-se ao sócio Maurício Verdier e ao banqueiro Nelson Rockefeller no investimento pecuário. Ali, no Pantanal sul-mato-grossense, João e o magnata estadunidense divertiam-se caçando onças-pintadas.

Vendida em 1980 para o Grupo Votorantim, a Fazenda Bodoquena era administrada por Maurício Verdier, ex-sócio dos Moreira Salles no empreendimento. Ele é um dos proprietários da Fazenda Água Branca, cuja área, de 516,9 hectares, está inteiramente sobreposta à TI Dourados-Amambaipeguá I. A regularidade jurídica e ambiental do imóvel motivou um pedido de investigação por parte do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, em 2018. A fazenda está vinculada ao espólio de João Verdier, cuja família possui duas barragens em Laguna Carapã (MS), mesmo município da sobreposição.

Em resposta à reportagem, o banco Itaú afirmou que, até o momento da venda, em 1980, “nenhum documento relacionado à propriedade apresentava qualquer irregularidade” relativa à incidência em território Guarani Kaiowá.

Mick Jagger, líder do Rolling Stones, em visita a fazenda de Walther Moreira Salles, em Matão (SP). (Foto: RCI Araraquara)

CONEXÕES NO PARAGUAI E FAZENDA DO UNIBANCO COMPLETAM A LISTA

As conexões do Banco Itaú com sobreposições no Mato Grosso do Sul não param por aí. Em Paranhos, a exemplo da Fazenda Água Branca, a Fazenda Ponte de Tábua incide quase totalmente na Terra Indígena Ypoi/Triunfo — 433 hectares de uma área total de 434,7 ha.

Espólio do Unibanco foi incorporado ao Itaú após a venda, em 2008. (Foto: Reprodução)

O dono é Sebastião Nilson Mendes, denunciado em 2011 pelo Ministério Público do Paraguai, junto a outro brasileiro, o fazendeiro Ali Mohamed Osman, por crime ambiental cometido pela empresa Issos Greenfield International S.A. Segundo a Oxfam Paraguay, a subsidiária do Itaú no país vizinho possui participação na empresa, informação que foi negada pelo banco em resposta à reportagem.

Consta ainda na base de 1.692 sobreposições que originou o relatório “Os Invasores” uma propriedade do antigo Unibanco, incorporado pelo Itaú em 2008, em área sobreposta à TI Kadiwéu: 1,9 hectare da Fazenda Morro do Pantanal, em Corumbá, invadindo uma TI homologada e regularizada há quatro décadas.

Segundo o banco, a propriedade situada em Corumbá foi vendida pelo Itaú Unibanco em 2010. “Até o momento da venda, nenhum documento relacionado à propriedade apresentava qualquer irregularidade”, afirma a nota.

No Sistema de Gestão Fundiária (Sigef) do Incra, cujos dados serviram de base ao estudo, a propriedade esteve registrada em nome do Unibanco até 2021. No último registro de dados, de 2023, a propriedade aparece em nome de um certo Daniel. O sobrenome foi censurado com base na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

ÍNTEGRA DO POSICIONAMENTO ITAÚ UNIBANCO

Em relação ao relatório em questão, cabe esclarecer que:

– A propriedade situada em Corumbá foi vendida pelo Itaú Unibanco em 2010. Até o momento da venda, não havia irregularidades no registro do imóvel;

– A fazenda Bodoquena foi vendida em 1980 pelo Grupo Moreira Salles. Até o momento da venda, nenhum documento relacionado à propriedade apresentava qualquer irregularidade;

– A fazenda localizada em Laguna Carapã nunca foi de nossa propriedade;

– O Itaú Paraguai não tem ou teve participação acionária em empresas que tivessem como sócias as pessoas e empresas citadas;

– Por fim, em relação ao investimento realizado pela Kinea, esclarecemos que a propriedade citada não pertence à empresa investida ou suas subsidiárias.

OBSERVATÓRIO DESTACA CASOS EM SÉRIE DE REPORTAGENS

As 1.692 sobreposições em terras indígenas analisadas pelo relatório “Os Invasores” comprovam que a violação dos direitos indígenas não é um mero subproduto do capitalismo agrário. Entre os atores dessa política de expansão desenfreada sobre os territórios tracionais estão algumas das principais empresas do agronegócio brasileiro e global. Muitas dessas empresas também se beneficiaram da política de desarmamento do antigo governo Bolsonaro, conforme apontou outro relatório desse observatório, “Oligarquias Armadas“, publicado em 2022.

Os casos descritos na pesquisa estão sendo explorados também em uma série de vídeos e reportagens deste observatório. Com detalhes — muitos deles complementares ao dossiê — sobre as principais teias empresariais e políticas que conectam os “engravatados”, em cada setor econômico, legal ou ilegal.

Confira abaixo o vídeo sobre o relatório:

| Hugo Souza é jornalista e editor do portal Come Ananás. |

||  Tonsk Fialho é estudante de Direito na UFRJ e pesquisador, com foco em sindicatos e movimentos sociais. ||

Foto principal (Reprodução/YouTube): Mato Grosso do Sul concentra sobreposições de fazendeiros ligados ao Banco Itaú

LEIA MAIS:
Relatório “Os Invasores” revela empresas e setores por trás de sobreposições em terras indígenas
O que dizem as empresas sobre “Os Invasores” e sobreposições em terras indígenas
Pecuária ocupa 123 mil hectares em terras indígenas, mostra estudo
“Os Invasores” mostra participação de gigantes da soja em sobreposições de terras indígenas
Madeireiros com sobreposição em terras indígenas comandam “lobby verde”
Multinacionais da cana avançam sobre território Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu