Golpe de 2016 se afirma também como um golpe ruralista

In De Olho no Agronegócio, Latifundiários

Assim como em 1964, combate à reforma agrária ganha centralidade na chegada direta das oligarquias ao poder; não à toa, medidas de Temer alegram agronegócio

Por Alceu Luís Castilho (@deolhonoagro)

O filme brasileiro com a premiação mais badalada da história, “O Pagador de Promessas” (1962) é um belo exemplo de como a reforma agrária era apresentada, nos anos 60, como um bicho de sete cabeças. Como se fosse algo comunista – e não algo do próprio capitalismo. Resultado: foi um dos principais motivos para a derrubada de João Goulart, em 1964. O que mudou de lá para cá? Troquemos a palavra “latifundiários” por “agronegócio” e teremos uma das chaves para entender o golpe de 2016.

O golpe de 2016 é também um golpe ruralista.

Já estava evidente na articulação da votação do impeachment no Congresso, pelos ruralistas Eduardo Cunha (PMDB) e Renan Calheiros (PMDB). Metade da Câmara é ruralista. Mais da metade do Senado é ruralista. Claro que há vários interesses empresariais conjugados na chegada de Michel Temer ao poder. Mas não há como negar o protagonismo dos proprietários de terras – e de empresas do agronegócio – no golpe. O pato da Fiesp nada em um açude. Dentro de um latifúndio.

As primeiras medidas de Temer apenas confirmam o roteiro anunciado. A extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, teoricamente agregado ao Ministério do Desenvolvimento Social, ganhou um escárnio adicional com a retirada, na sexta-feira, de algumas de suas principais atribuições. A começar da reforma agrária. Passando por políticas de agricultura familiar e pela demarcação de terras indígenas e quilombolas.

Tudo isso migrou para a Casa Civil. Comandada por Eliseu Padilha, um dono de terras. E dono de uma empresa que arrenda terras para uma usina eólica. Um interessado direto no assunto que ele passa a comandar. Assim como quase todos os caciques do PMDB. (MIchel Temer não entra nessa lista, em tese, apesar de já ter multiplicado seu quinhão de terras em Goiás. Pois ele vendeu a propriedade. O MST o acusa de ser o verdadeiro proprietário de uma fazenda em São Paulo.)

Agora fica mais claro porque o PMDB cedeu o Ministério da Agricultura ao PP. Que, por sua vez, convidou o senador sojeiro Blairo Maggi (PP-MT), antes no PR, para o cargo. Porque essa política agropecuária – antes comandada pela senadora pecuarista Kátia Abreu – não vai mudar. Continuará a serviço do agronegócio. O PMDB chama para si o que resta de política agrária que não vá ao encontro desse modelo. E pretende demolir os lampejos de distribuição de terras e oportunidades.

pagadordepromessasO AGRONEGÓCIO COMEMORA

Não à toa, as lideranças do agronegócio já comemoram os atos de Michel Temer. A Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) já foi explícita: “Primeiros sinais do governo Temer são positivos para o agronegócio, diz SNA“. É bem verdade que falando de medidas macroeconômicas. Mas o setor seguramente está exultante com o pacote completo. Com medidas que aumentam o estímulo do Estado ao setor e diminuem a presença desse mesmo Estado em relação aos trabalhadores.

No sábado, o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Carlos Corrêa Carvalho, também elogiou o governo interino e defendeu revisão das leis trabalhistas e construção de uma malha viária que ligue o Centro-Oeste (a produção de grãos) aos portos do Norte e Nordeste. (Tem uma Amazônia no meio do caminho. No meio do caminho tem a Caatinga. No começo do caminho, um restinho de Cerrado.)

Todos sabem que o governo Dilma Rousseff não foi bom para trabalhadores rurais, camponeses, quilombolas e indígenas. Apenas aos 45 minutos do segundo tempo decidiu fazer algumas demarcações de terras, por exemplo. Mas o que vem por aí é ainda pior – pois o que está sendo gestado é a retirada de políticas de Estado. No que se refere à inclusão no campo, estamos prestes a retroceder algumas décadas.

Que se dê também ênfase à face urbana do golpe capitaneado pelo PMDB. Por Eduardo Cunha e por Temer, o pagador de promessas. Mas que não se jogue para debaixo do tapete sua face agrária. Ela tem o tamanho de um latifúndio e significará ainda mais derramamento de sangue no campo. E ainda mais destruição de biomas. Sob o silêncio da imprensa defensora do agronegócio, também conhecida como “grande imprensa”.

You may also read!

Família de Bolsonaro tem terras em município beneficiado por orçamento secreto

Renato Bolsonaro intermediou destinação de R$ 10 milhões em "emendas do relator" para Miracatu (SP), onde o filho possui

Read More...

Mato Grosso do Sul se consolida como símbolo do genocídio indígena

Em cinco anos, De Olho nos Ruralistas produziu infográficos, cartografias e séries de reportagens mostrando a política de violência

Read More...

Mato Grosso é potência do agronegócio, da política ruralista e dos clãs ocultos

Em cinco anos, De Olho nos Ruralistas resgatou histórias desde o período da ditadura, como as terras obtidas por

Read More...

2 commentsOn Golpe de 2016 se afirma também como um golpe ruralista

  • Marilda Teles Maracci

    Prezado amigo Alceu Castilho
    Parabéns pelo trabalho de fôlego com pesquisas e estudos sérios e bem fundamentados, qualidade imprescindível especialmente no contexto atual onde imperam mentiras midiáticas. A importância do seu trabalho faz valer nossa participação como contribuintes, mesmo que com pequeninos valores.

    Saudações e grande abraço!

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu